«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




domingo, 30 de maio de 2010

DE SOFHIA «O RETRATO DE MÓNICA»


O retrato de Mónica
Mónica é uma pessoa tão extraordinária que consegue simultaneamente: ser boa mãe de família, ser chiquíssima, ser dirigente da “Liga Internacional das Mulheres Inúteis”, ajudar o marido nos negócios, fazer ginástica todas as manhãs, ser pontual, ter imensos amigos, dar muitos jantares, ir a muitos jantares, não fumar, não envelhecer, gostar de toda a gente, gostar dela, dizer bem de toda a gente, toda a gente dizer bem dela, coleccionar colheres do séc. XVII, jogar golfe, deitar-se tarde, levantar-se cedo, comer iogurte, fazer ioga, gostar de pintura abstracta, ser sócia de todas as sociedades musicais, estar sempre divertida, ser um belo exemplo de virtudes, ter muito sucesso e ser muito séria.
Tenho conhecido na vida muitas pessoas parecidas com a Mónica. Mas são só a sua caricatura. Esquecem–se sempre ou do ioga ou da pintura abstracta.
Por trás de tudo isto há um trabalho severo e sem tréguas e uma disciplina rigorosa e constante. Pode-se dizer que Mónica trabalha de sol a sol.
De facto, para conquistar todo o sucesso e todos os gloriosos bens que possui, Mónica teve que renunciar a três coisas: à poesia, ao amor e à santidade.
A poesia é oferecida a cada pessoa só uma vez e o efeito da negação é irreversível. O amor é oferecido raramente e aquele que o nega algumas vezes depois não o encontra mais. Mas a santidade é oferecida a cada pessoa de novo cada dia, e por isso aqueles que renunciam à santidade são obrigados a repetir a negação todos os dias.
Isto obriga Mónica a observar uma disciplina severa. Como se diz no circo, “qualquer distracção pode causar a morte do artista”. Mónica nunca tem uma distracção. Todos os seus vestidos são bem escolhidos e todos os seus amigos são úteis. Como um instrumento de precisão, ela mede o grau de utilidade de todas as situações e de todas as pessoas. E como um cavalo bem ensinado, ela salta sem tocar os obstáculos e limpa todos os percursos. Por isso tudo lhe corre bem, até os desgostos.
Os jantares de Mónica também correm sempre muito bem. Cada lugar é um emprego de capital. A comida é óptima e na conversa toda a gente está sempre de acordo, porque Mónica nunca convida pessoas que possam ter opiniões inoportunas. Ela põe a sua inteligência ao serviço da estupidez. Ou, mais exactamente: a sua inteligência é feita da estupidez dos outros. Esta é a forma de inteligência que garante o domínio. Por isso o reino de Mónica é sólido e grande.
Ela é íntima de mandarins e de banqueiros e é também íntima de manicuras, caixeiros e cabeleireiros. Quando ela chega a um cabeleireiro ou a uma loja, fala sempre com a voz num tom mais elevado para que todos compreendam que ela chegou. E precipitam-se manicuras e caixeiros. A chegada de Mónica é, em toda a parte, sempre um sucesso. Quando ela está na praia, o próprio Sol se enerva.
O marido de Mónica é um pobre diabo que Mónica transformou num homem importantíssimo. Deste marido maçador Mónica tem tirado o máximo rendimento. Ela ajuda-o, aconselha-o, governa-o. Quando ele é nomeado administrador de mais alguma coisa, é Mónica que é nomeada. Eles não são o homem e a mulher. Não são o casamento. São, antes, dois sócios trabalhando para o triunfo da mesma firma. O contrato que os une é indissolúvel, pois o divórcio arruína as situações mundanas. O mundo dos negócios é bem-pensante.
É por isso que Mónica, tendo renunciado à santidade, se dedica com grande dinamismo a obras de caridade. Ela faz casacos de tricot para as crianças que os seus amigos condenam à fome. Às vezes, quando os casacos estão prontos, as crianças já morreram de fome. Mas a vida continua. E o sucesso de Mónica também. Ela todos os anos parece mais nova. A miséria, a humilhação, a ruína não roçam sequer a fímbria dos seus vestidos. Entre ela e os humilhados e ofendidos não há nada de comum.
E por isso Mónica está nas melhores relações com o Príncipe deste Mundo. Ela é sua partidária fiel, cantora das suas virtudes, admiradora de seus silêncios e de seus discursos. Admiradora da sua obra, que está ao serviço dela, admiradora do seu espírito, que ela serve.
Pode-se dizer que em cada edifício construído neste tempo houve sempre uma pedra trazida por Mónica.
Há vários meses que não vejo Mónica. Ultimamente contaram-me que em certa festa ela estivera muito tempo conversando com o Príncipe deste Mundo. Falavam os dois com grande intimidade. Nisto não há evidentemente nenhum mal. Toda a gente sabe que Mónica é seriíssima e toda a gente sabe que o Príncipe deste Mundo é um homem austero e casto.
Não é o desejo do amor que os une. O que os une é justamente uma vontade sem amor.
E é natural que ele mostre publicamente a sua gratidão por Mónica. Todos sabemos que ela é o seu maior apoio, o mais firme fundamento do seu poder.
(Sophia de Mello Breyner Andresen, in Contos Exemplares)

sexta-feira, 28 de maio de 2010

ESCOLA PARA PAIS ????????

Li um artigo da psicóloga Isabel Leal, sobre alienação parental. A alienação parental pode assumir diversas formas, desde a superprotecção até ao seu contrário, fenómeno conhecido, mas que desde que o divórcio se generalizou, se tornou mais explosivo.
Sempre houve situações de manipulação das crianças por um dos progenitores. Considera a psicóloga que tem até a ver com vinganças mesquinhas. É fácil criar processos destrutivos da imagem de um dos progenitores, ou abrir uma guerra em que o processo é mútuo, é fácil criar situações de afastamento físico, psicológico e emocional, é fácil aproveitar diferenças de estilo de prestação de cuidados para invocar incompetência e desleixo.
Não há tribunais, nem leis, para a ausência de bom senso. O progenitor alienante está crente das suas razões, seguro dos seus direitos e convicto das suas opções. Para ele isolar a criança do outro progenitor e, mostrar como ele é indesejável e maléfico, é defender os interesses da criança.


Infelizmente tenho uma amiga, que passa por uma situação dessas, porque devido ao divórcio de um filho, além da ex-mulher não o deixar ver a filha, também ela não pode ver a neta. Há meses que o contencioso corre e o pai não consegue ver a filha. A mãe que vivia no Porto, foi logo para Trás-os-Montes, para casa dos pais, uma distância de 200 km ou mais. Mesmo assim o pai tem ido lá, mas nunca vê a filha. A criança está tão manipulada, que ao telefone diz que não o quer ver, que se separou da mãe, se separou dela também! A avó, cujos olhos se iluminavam quando falava da neta, se lhe fala ao telefone, tem como resposta, que não a quer ver! Indigna-me esta situação, porque a minha amiga sofre bastante, já nada diz, mas por uma coisa ou outra chora, entristeceu como a noite!


As crianças são de facto vítimas destas situações, do mau exercício de ser pai, de ser mãe, por ausência ou por excesso, não seria oportuno existirem aulas para pais, quando uma criança indicia ou motiva problemas na escola. Já ouvi falar em aplicar multas aos pais, mas essa hipótese de meter a mão sempre no bolso das pessoas, não me parece nada adequada. O problema por exemplo do buylling aqui referido, exigia uma auscultação aos pais e um aconselhamento, para a sociabilidade das crianças com os outros.
Não considero que os professores sejam os agentes do ensino comportamental, podem dar uma ajuda, mas isso compete aos pais, os professores já têm a missão do ensino, com tudo que isso implica numa turma de graus de compreensão desiguais. Os pais não se podem demitir de serem pais, porque não é só gerar, alimentar um filho e dar-lhe tudo que ele quer! Limar um ser para a vida, merece muita atenção e ternura.
O que escrevo, são pensamentos meus, não sou especialista. Há anos gostava de ler Piaget, Maria Montessori e outros, fui a mãe que consegui ser.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

VIVER SEMPRE TAMBÉM CANSA!


Viver sempre também cansa!

"Viver sempre também cansa!
O sol é sempre o mesmo e o céu azul
ora é azul, nitidamente azul,
ora é cinza, negro, quase verde...
Mas nunca tem a cor inesperada.
O Mundo não se modifica.
As árvores dão flores,
folhas, frutos e pássaros
como máquinas verdes.
As paisagens também não se transformam.
Não cai neve vermelha,
não há flores que voem,
a lua não tem olhos
e ninguém vai pintar olhos à lua.
Tudo é igual, mecânico e exacto.
Ainda por cima os homens são os homens.
Soluçam, bebem, riem e digerem
sem imaginação.
E há bairros miseráveis, sempre os mesmos,
discursos de Mussolini,
guerras, orgulhos em transe,
automóveis de corrida...
E obrigam-me a viver até à Morte!
Pois não era mais humano
morrer por um bocadinho,
de vez em quando,
e recomeçar depois,
achando tudo mais novo?
Ah! se eu pudesse suicidar-me por seis meses,
morrer em cima dum divã
com a cabeça sobre uma almofada,
confiante e sereno por saber
que tu velavas, meu amor do Norte.
Quando viessem perguntar por mim,
havias de dizer com teu sorriso
onde arde um coração em melodia:
"Matou-se esta manhã.
Agora não o vou ressuscitar
por uma bagatela."
E virias depois, suavemente,
velar por mim, subtil e cuidadosa,
pé ante pé, não fosses acordar
a Morte ainda menina no meu colo..."
SOBRE JOSÉ GOMES FERREIRA AQUI

quarta-feira, 26 de maio de 2010

BULLYING- ESTAR ATENTO É FUNDAMENTAL!...

SEGUNDO SUGESTÃO DA ANA KARLA, DO BLOGUE, MISTURAÇÃO, http://misturao.blogspot.com/2010/05/chamada.html. HOJE É O DIA DE UMA BLOGAGEM COLECTIVA SOBRE O BULLYING. NÃO SOU NENHUMA ESPECIALISTA SOBRE ESTA SITUAÇÃO E APENAS VOU FORMULAR O QUE PENSO.

Um dos casos mais chocantes de bullying em Portugal, ocorreu há meses. Leandro que tinha 12 anos matou-se, atirando-se ao rio Tua, porque sofria de violência física e psicológica dos colegas na escola.
Há seres frágeis e pacíficos, que não conseguem reagir, quando são perseguidos pela piada e pela agressão, cujo fito é sempre a humilhação, o vexame e a crueldade.
Os ditos fortes e espertos, exibem a sua superioridade, que é equivalente à rudeza e à barbaridade de seres não polidos e, que vêm a vida com uma dicotomia: os fortes e os fracos, os espertos e os palermas, os vencedores e os vencidos. Esta forma de ver a vida, infelizmente às vezes até é incentivada pela própria família. (Não esteja sempre a dizer que o seu filho é muito esperto, que tem muito boas notas, que é o melhor da turma!...)
Estes meninos, depois juntam-se em grupos e dominam o recreio da escola, a rua onde vivem, mais tarde o bairro e por aí adiante, porque têm as características ideias para eventualmente entrarem na marginalidade.
Considero, que deve existir uma ligação forte entre a escola e a família. Parece inadmissível que os pais não conheçam os filhos, que não notem o estado de espírito dos mesmos, se uma criança é demasiado introvertida e fechada, é obrigação dos pais, parar um bocado para a apreciar e fazer perguntas, conhecer os seus amigos. O mesmo se passa quando uma criança é super-activa e fanfarrona. Um pouco de psicologia é sempre o ideal e no caso de dúvidas é sempre útil trocar opiniões com os professores. Poderá argumentar-se, que há pais que não perdem tempo com isso, neste caso o alerta deve ser da professora, também ela deve conhece as crianças.
Penso que se houver de facto um grande empenhamento de parte a parte poderá, não se acabar com o bullying, mas atenuar-se bastante este fenómeno.
O mais importante de tudo é estar atento, dar força de ânimo aos mais fracos e dissuadir os violentos. Em todo o caso nunca deve ser posta de parte a ajuda de um psicólogo.


ESTE É UM PROBLEMA SOCIAL DE TODOS. ESTAR ATENTO É FUNDAMENTAL!

terça-feira, 25 de maio de 2010

INFORMAÇÃO FISCAL...

SELO DADO PELA ELAINE

Recebi este selo, da Elaine, do blogue ELAINE POZZUTO ARTES
http://elainepozzutoartes.blogspot.com/




Obrigada Elaine, sinto-me honrada pela distinção.
Regras:
Citar 3 lembranças mais fofas da sua infância
Os beijinhos glutões que a minha mãe me dava no pescoço
A sopinha de arroz, vitela e miminho, quando eu estava doente
A minha irmã deixar-me ir um bocadinho para a cama dela, de manhã
Repassar para 10 amigos (Blogs)
Aqui é que reside o problema, sei lá quem gosta de sêlos!...O melhor mesmo é não indicar, que me desculpe a Elaine, quem quiser pode levar!...

SITUACÃO INACREDITÁVEL...

Considero o artigo, que vou inserir importante. Vou cortar alguns fragmentos, para não o tornar tão extenso. Eu fiquei indignada quando li, os interesses económicos não têm limites!?...


Strawberry fields forever

Os homens europeus descem sobre Marrocos com a missão de recrutar mulheres.
Nas cidades, vilas e aldeias é afixado o convite e as mulheres apresentam-se no local da selecção.
Inscrevem-se, são chamadas e inspeccionadas como cavalos ou gado nas feiras. Peso, altura, medidas, dentes e cabelo, e qualidades genéricas como força, balanço, resistência. São escolhidas a dedo, porque são muitas concorrentes para poucas vagas. Mais ou menos cinco mil são apuradas em vinte e cinco mil.
A selecção é impiedosa e enquanto as escolhidas respiram de alívio, as recusadas choram e arrepelam-se e queixam-se da vida. São todas jovens, com menos de 40 anos e com filhos pequenos. Se tiverem mais de 50 anos são demasiado velhas e se não tiverem filhos são demasiado perigosas. As mulheres escolhidas são embarcadas e descem por sua vez sobre o Sul de Espanha, para a apanha de morangos. É uma actividade pesada, muitas horas de labuta para um salário diário de 35 euros. As mulheres têm casa e comida, e trabalham de sol a sol. É assim durante meses, seis meses máximo, ao abrigo do que a Europa farta e saciada que vimos reunida em Lisboa chama Programa de Trabalhadores Convidados. São convidadas apenas as mulheres novas com filhos pequenos, porque essas, por causa dos filhos, não fugirão nem tentarão ficar na Europa. As estufas de morangos de Huelva e Almería, em Espanha, escolheram-nas porque elas são prisioneiras e reféns da família que deixaram para trás. Na Espanha socialista, este programa de recrutamento tão imaginativo, que faz lembrar as pesagens e apreciações a olho dos atributos físicos dos escravos africanos no tempo da escravatura, é considerado pioneiro e chamam-lhe programa de "emigração ética".
Os nomes que os europeus arranjam para as suas patifarias e para sossegar as consciências são um modelo. Dantes, os homens eram contratados para este trabalho. Eram tão poucos os que regressavam a África e tantos os que ficavam sem papéis na Europa que alguém se lembrou deste truque de recrutar mulheres. O recrutamento fez deslizar a responsabilidade de ganhar a vida e o pão dos ombros dos homens, desempregados perenes, para os das mulheres, impondo-lhes uma humilhação e uma privação.
…/…
Que esta história se passe no século XXI e que achemos isto normal, nós europeus, é que parece pouco saudável. A Europa, ou os burocratas europeus, perderam, a vergonha e a ética. …/…Damos às mulheres "uma oportunidade", dizem eles. E quem se preocupa com os filhos? Gostariam os europeus de separar os filhos deles das mães durante seis meses? …/…Não. O método de recrutamento seria considerado vil, uma infâmia social. Psicólogos e institutos, organizações e ministérios levantar-se-iam contra a prática desumana e vozes e comunicados levantariam a questão da separação das mães dos filhos numa fase crucial da infância. O processo de selecção seria considerado indigno de uma democracia ocidental. O pior é que as democracias ocidentais tratam muito bem de si mesmas e muito mal dos outros, apesar de estarem muito preocupadas com os direitos humanos.
Como é possível fazermos isto às mulheres?
Alguns dos filhos destas mulheres lembrar-se-ão.
Alguns dos filhos destas mulheres serão recrutados pelo Islão.



(Um excelente texto da Clara Ferreira Alves sobre a Europa.
Dá que pensar sobre o rumo que a sociedade vem tomando.)

segunda-feira, 24 de maio de 2010

BLOGAGEM COLORIDA: PRETO!?...

Podia escrever sobre Portugal, que está preto!...Nahm, nem pensar! A ideia é expor as cores na perspectiva de colorir a nossa vida e o preto também dá cor à minha vida!
Preto segundo os «manuais», é a cor que absorve todos os raios luminosos, não reflectindo nenhum e por isso aparecendo como desprovida de clareza. Também é uma representação do nada, da ausência ou da escuridão. Se agora começasse a divagar sobre o nada, a ausência e a escuridão ficávamos todos a chorar!...Não paga à pena, como dizia um amigo meu.
A cor preta sugere: silêncio, morte, poder, misérias, maldade, pessimismo, tristeza, negação, dor, opressão, angústia, introspecção e favorece a auto-análise. Quando brilhante, confere nobreza, distinção, elegância, masculinidade. Ah, ah…gosto disto! Ah, não sou nenhuma elitista ou sou? A minha elite é o povo e do povo eu sou!...O meu marido até diz que tem sangue azul, veio lá da Morgadinha dos Canaviais, da sua terra, que é Grijó, em que Júlio Dinis se inspirou! Tretas, já lhe vi o sangue e nada tem de azul! rsrsrs…
Todas as cores têm aspectos favoráveis e desfavoráveis e porque fugir do preto? O preto tem distinção, charme! Que bem que fica um homem e uma mulher vestidos de preto!


Esta fotografia foi a primeira a sair na pesquisa, nem foi antecipadamente determinada, mas os dois são a «coqueluche» de muita gente e quem não os conhece!?...
Com o abandono gradual do luto, com o que eu concordo em absoluto, não é por aquilo que se veste, que se revela os nossos sentimentos, o preto brilha nos grandes acontecimentos, apesar deste mundo me estar à margem.

O PRETO, de nome e tudo, é o meu gato. Um gato que eu não quis, mas tive que querer e agora é um amigo de todas as horas. Onde estou, ele está, às vezes nem dou por ele, mas lá está ele em cima de uma estante ou escondido em qualquer lado, mas filado em mim. De quando em quando desce e vem ronronar para cima da secretária, quer-se deitar em cima do teclado, como que a dizer «agora presta-me um bocado de atenção, eu também estou aqui» e lá se quebra o fio do meu pensamento.

Ando pela casa, lá vai atrás de mim, no quarto de banho não se cala se não abrir a torneira do bidé, para beber e, depois com a pata fica a brincar com a água. Vou à cozinha e ele olha para o frigorífico e reclama, quer um «mimo», um bocadinho de fiambre. Quando vou sair, chego, abro a porta da rua e lá está ele! Desafia-me para uma corrida e anda a esconder-se, para depois passar junto a mim como uma flecha. Tem coisas interessantes este gato!


Já aqui contei a história deste gato, veio da casa do meu filho, que o apanhou pequenino na rua. Veio cá para casa, porque não tinha para onde ir, já que o meu filho saiu do Porto. O pior foi a minha gata, quase teve uma síncope! Eu nem sabia que um gato podia roncar tanto, neste caso a gata, nem os intestinos segurava! Gato fechado na marquise. Iam-se vendo através do vidro da porta e a gata mesmo assim explodia em espasmos de terror! Por uns tempos, continuou-se assim, um na marquise, outro cá dentro e de vez enquanto tentávamos, com os devidos cuidados aproximá-los e a minha gatinha mimada, mas arisca, começou a aceitá-lo, até não ser necessário separá-los. De vez enquanto é para aqui um arraial de pancadaria tremendo, mas não se aleijam, são patadas, correrias, bufadas, mas não passa disso!
Tenho realmente um PRETO, bonito, brilhante, sedoso, meigo…um PRETO, que dá cor à minha vida!..

TODAS AS CORES PODEM DAR COR À NOSSA VIDA, UMAS MAIS ALEGRES, OUTRAS MAIS DISTINTAS, A QUESTÃO É SEMPRE O NOSSO ESTADO DE ESPÍRITO, PODE-SE EMBIRRAR COM TODAS AS CORES QUANDO SE ESTÁ COM A NEURA, PODE-SE GOSTAR DE TODAS AS CORES QUANDO ESTAMOS BEM E, PARA FINALIZAR É ISSO MESMO QUE EU DESEJO:
QUE FIQUEM BEM, QUE SE SINTAM FASCINADOS POR UMA NOITE DE VERÃO MÁGICA, (sorrisos de uma noite de Verão) ONDE A ESCURIDÃO É SUBLIME!..
[BLOGAGEM COLORIDA: DO BLOGUE CAFÉ COM BOLO DE GLORINHA L DE LION]

domingo, 23 de maio de 2010

TANGO...DAR TANGA, SOBRE A TANGA...

(IMAGEM:GOOGLE)

Que ridículo, o nosso Primeiro a falar espanhol! Está no youtube para quem quiser ir ver. Já não bastava, quando falou inglês e pôs toda a audiência a rir-se! Tristes figuras no estrangeiro, cada vez pensam pior dos portugueses! Lamentável também é querer fazer graça, de uma forma tão ridícula, com aquela piada do tango, que para dançar tango são necessários dois e ele agora tem parceiro, mas com tanto arrependimento do parceiro, que até já meteu desculpas…Não sei!?...É capaz de sair é um fandango!.. Ridículo, muito ridículo…
Como ontem ouvi no programa o Eixo do Mal, a revolta incide toda sobre Sócrates, não sobre o PS, embora o PS, seja Sócrates, até os ministros parece que andam desaparecidos!..
Agora até já se fala de um Bloco Ibérico!.. Fará sentido?
A crise!.. Nos tempos mais próximos, vamos ficar entretidos, é o futebol, depois a dormência que as férias provocam e depois nova campanha eleitoral!..
Há uns anos que estamos a ir por um sistema errado, começou com Cavaco, depois Guterres, Durão (deram todos de frosques) e agora Sócrates!
Sócrates disse, que o mundo mudou muito em 15 dias, mas levou 6 anos a levar o país à beira da Bancarrota!.. Temos vivido num sistema onde não está presente a meritocracia, mas muito constante o desperdício. Culpados: PSD/PS!
Agora dizem que durante anos esteve tudo mal, até o PR e, então porque é que os grandes responsáveis deste país, nada disseram?

VAMOS ALMOÇAR A BRAGA...

Braga de todas as minhas idades! Tão perto do Gerês, do Bom Jesus do Monte, do Sameiro, da Falpêrra. Braga está rodeada por belezas monumentais e florestais de grande beleza!
Eu adorava ir ao Bom Jesus, subir até lá, naquele elevador que me assustava, andar de barco no grande lago e ir de burro até ao Sameiro! Desta vez fiquei pela cidade, lembro uma Braga mais pequena, mas que gradualmente teve uma expansão enorme, de facto é uma cidade bonita.
Conheço bem Braga, todos os monumentos e museus, as suas imensas igrejas, tantas igrejas que eu as confundo! Chamam-lhe a cidade dos «três pês», um deles é padres!


Ontem pela primeira vez, fui a Braga de comboio, diziam-me que era muito agradável e barato, melhor que a maçada do carro, do trânsito, do dispêndio, depois do estacionamento…fui experimentar e gostei! Os comboios são óptimos, com ar condicionado, confortáveis e sem enchentes. Por três euros e qualquer coisa vai-se do Porto a Braga, é mesmo «eu vou almoçar a Braga e já venho! Comprei um jornal, antes de acabar de o ler, estava em Braga!
Andei por lá o fotografar, vi muito estrangeiro, os que se notam mais são os espanhóis e os italianos, são ruidosos. Segundo as estatísticas o Norte nesta altura está com índices de turismo altos e nota-se. Obviamente que tirei algumas fotos, não muitas, estava muito, muito calor. Fui almoçar às Arcadas aí estava fresquinho e deixei-me estar por lá e depois daí mais um giro e outra esplanada! Neste passeio, o que pesou mais, foi mesmo o calor!


Entrada na zona histórica…


Ruas embandeiradas devido a uma Feira Medieval. Braga tem muitas ruas fechadas só para peões, o que é muito agradável.


E depois a Sé, para mim das Sés Catedrais mais bonitas do país, com um óbice, não se pode fotografar no interior e o interior é artisticamente assombroso. Como todas as Igrejas em Portugal o estilo, sofreu as características religiosas e rituais das várias épocas. Primeiro o românico, as igrejas eram mesmo fortalezas, onde a população se ia refugiar em situação de ataque, depois passou ao gótico, elevando a estrutura de maneira a que permitisse a entrada da luz (entrada do Senhor) e depois a ostentação com o período Barroco. Estou a escrever, sem consulta, por aquilo que estudei, que é muito mais vasto e pode ser consultado em vários sites.


Várias perspectivas do complexo da Sé Catedral





Os claustros



E caminhando até ao parque principal é só deslumbre…








Feira de Antiguidades…



Uma casa medieval, toda em madeira



A velha Brasileira



E o Parque principal de Braga…onde decorria uma Feira de Artesanato



No restaurante das Arcadas





Voltando à zona histórica…









Jardim de Santa Bárbara…


E por aqui me fiquei no Salão de Chá Lusitana (muito antigo) a descansar mais um pouco…

Há fotografias que não estão muito bem, é irritante olhar para a máquina digital e ver o ecran preto, acabo por fotografar por palpite…já vou na terceira máquina e é sempre a mesma coisa, a próxima tem que ser muito melhor!...

ISTO NÃO É BRAGA, É SÓ UMA PEQUENA AMOSTRA DE BRAGA!...

sexta-feira, 21 de maio de 2010

JÁ APETECE PRAIA...

Que onda de calor veio assim de repente… 30º! Na semana passada, quase se batia o dente! Para domingo o IM anuncia chuva, que tempo de doidos! Vivendo muito perto do mar, ontem vesti o fato de banho e fui à praia. Primeiro estive na esplanada, depois apeteceu-me ir até à areia, ainda fui até à água, mas a temperatura da água parecia estar a 0º! Deitei-me para ler, de um momento para o outro o vento Leste que já se fazia sentir alguma coisa, foi aumentando, aumentando, que tive que me vir embora, enfim já tinha aquela areia fininha por tudo quanto era sítio, colava-se à cara e ao corpo, alojava-se dentro das orelhas! Quando cheguei a casa perguntaram-me: que tal a praia? Apanhei um rico banho de areia!..De tarde parou o vento e estava um calorão!
Gosto de praia, adoro o mar desde miúda e vou aproveitando por aqui, antes de chegar o tempo das «Invasões Bárbaras»! Ir para a praia e quase colar a minha toalha à dos parceiros do lado, ir dar um mergulho e querer regressar e, naquela imensidão de gente não saber onde é o meu sítio, levar um livro para ler e não me conseguir concentrar com a conversa ao lado ou com alguém sempre a chamar por uma criança…não, assim não!.. Gostando muito de praia, prefiro nem ir à praia!
Contrariando às vezes quem me acompanha, sou capaz de andar um bom pedaço para ir para uma praia menos acessível, mas depois lá vêem as queixas: apetecia-me tomar um café, comer um gelado…não há aqui nada!..E lá me chamam ESQUISITA!..
Há pessoas que gostam de se levantar cedo para ir para a praia, como se tivessem relógio de ponto, de estar horas e horas na praia, até o dia todo, de levarem a «mobília» (guarda-sol, tapa vento, cadeiras…) atrás de si…não, as minhas idas à praia, têm uma duração limitada. Chego à praia vou até ao mar, as águas por aqui são frias é preciso preparar o corpo, para poder dar um mergulho, assim passeio de um lado para o outro, vou-me molhando, demoro o tempo que for necessário, até conseguir dar um mergulho, dois ou três…e nadar. Depois é que vou para a toalha, para secar. Depois de seca venho embora! O sol cansa-me, o que desejo é vir tomar um duche e, ficar a relaxar!..

quinta-feira, 20 de maio de 2010

VOILÁ! C'EST PARIS!?...


Quando um sonho é persistente, não há nada a fazer!...Penso que de uma maneira ou de outra se vai concretizar. O meu desejo de ir a Paris, era uma ideia fixa e contra ventos e marés um dia decidimos: é este ano. Numa altura de falta de divisas, lá conseguimos pedindo a um pedindo a outro, juntar algumas. A ideia era ir a uma agência de viagens, mas antes disso, aconteceu o inesperado! Um dia chego a casa à hora do almoço, subo no elevador, contorno o patamar e vejo a porta da minha casa escancarada e o chão cheio de farripas de madeira. Desci logo e fui ao merceeiro pedir ajuda. «Ó Sr. Manuel assaltaram-me a casa, tenho medo de entrar». O Sr. Manuel foi buscar uma pistola e lá fomos. Antes de entrar o Sr. Manuel deu dois tiros para o ar, só que a pistola era de alarme, só fazia barulho. Pum, pum e em cada divisão que entrava era pum, pum…
Na casa já não estava ninguém, mas eu tinha a casa toda virada do avesso, as roupas pelo chão, tudo que era gavetas, andava pelo chão, nenhum sítio foi poupado e claro o cofre onde guardávamos as divisas tinha voado, mais umas pequenas jóias…enfim foi uma razia!
Veio a polícia, veio a judiciária para tirar as impressões digitais e muito mais tarde o meu marido foi convocado a ir à polícia. Tinham apanhado o ladrão, que tinha praticado na zona uma série de assaltos, era comum nessa altura. O cenário, que o meu marido encontrou: um homem bastante novo, com a mulher em pranto e com um bebé ao colo e os lesados presentes resolveram perdoar.
O dinheiro é que se foi, viagem em risco, até que dissemos, vamos e vamos mesmo! E assim foi, fomos de carro e com tenda, quando pensávamos ir de avião e para um hotel. O ir de carro nem foi assim tão mau, porque acabamos por conhecer o norte de Espanha, a zona norte francesa e depois viemos pelo sul de França.

Antes de ir a Paris, eu já amava Paris! Os livros, as pinturas, os filmes, as canções, alguma cultura francesa que fui adquirindo, inclusive o estudo que se fazia por cá da língua, porque nessa altura o francês era prioritário e o inglês nem tanto.
Quando fui a Paris, fui em busca de um tempo perdido…Maio de 68 tinha sido há 10 anos, as caveaux existencialistas onde Greco cantava, já não tinham aquela mística e também não encontrei Sartre e Beauvoir no seu Cafe de Flore,


nem os grandes pintores em Montmartre…No entanto a cidade a preto e branco dos filmes da nouvelle vague, de Jean-Luc Godard, François Truffaut, Alain Resnais, Jacques Rivette, Claude Chabrol e Eric Rohmer …surpreendeu-me, porque encontrei uma cidade esplendorosa, de uma luminosidade intensa e de um requinte incomparável. Largas avenidas, edifícios deslumbrantes, gente afável e charmosa, embora o francês seja dito de snob! Que maravilha era passear pelas ruas e avenidas, pelos Champs Elysèes, pelas Tuileries, pelos Jardins du Luxemburg e ir observando as pessoas! Só calcorreando muito se pode apreciar!
Evidentemente que eu fui fazer o corrupio turístico habitual: Louvre, Orsay, Museu do Homem, Grevin, Rodin, Hotel d'Ville, Grand e Petit Palais, Iglesi La madelaine, Obelisco, Invalides, Pantheon, Torre Eifell, Arco do Triunfo, Notre-Dame, Sacre-Coeur, Sorbonne, Opera («maravilhas maravilhosas», já muito referidas!)…e o Centro George Pompidou, um sítio de cultura imprescindível. O edifício é espantoso, feito em tubos e com uma escada rolante panorâmica, que nos levou até ao topo e de onde se tinha uma perspectiva de toda a vastidão da cidade.

Aí existiam exposições internacionais variadas de vanguarda e, no exterior assistia-se a «performances», muito interessantes, eu passei algum tempo a deambular por lá.
Foram dias vividos até ao esgotamento, onde depois se tentava descansar um pouco no Bosque de Bolonha, onde se situava o parque de campismo, o que não era fácil! Era povoado por gente muito nova, de todas as partes do mundo, bebiam uns copos e estavam a cantar e a tocar até de madrugada!
Fui também a Pigalle, Moulin Rouge, mas não encontrei Toulouse-Lautrec! Um dia, depois de um lauto jantar que nos ofereceram, (amigos, também nos «salvam»), decidiram levar-nos à famosa Rue S.Denis, a rua da prostituição. Nessa altura era obrigatório para os «bacocos», as camionetas de turismo passavam por lá, elas colocavam-se ali, ao lado umas às outras, com casaco de pele, que depois abriam, para mostrar o seu vestuário reduzido. O meu companheiro teve vários convites e eu depois, de ter bebido whisky, vinho e champanhe, tudo me fazia rir, estava numa de sem saber onde estava, a levitar!...


Maravilhoso para mim, pelas perspectivas que oferece, foi um passeio no «bateau-mouche» no rio Sena, esse rio de tantas histórias…Esse passeio foi feito ao pôr-do-sol e em Paris o pôr-do-sol é muito cedo. Boa perspectiva da cidade e lá passamos pelas 33 pontes (não sei se agora tem mais), destacando a belíssima ponte Alexandre III e a Pont Neuf, a mais antiga das pontes que cruzam o rio Sena, embora se chame nova.

Perto de Paris, existe algo realmente imperdível, refiro-me a Versalhes, ao mundo criado pelo Rei Sol, Luís XIV.

O Palácio (a sala dos espelhos é esplendorosa), Le Petit Trianon, os jardins, foi das coisas mais estupendas que eu vi até hoje.
SEM PALAVRAS!

A CRISE!?...

UMA QUESTÃO DE SAÚDE


O "contrariado, mas promulgo por causa da crise" de Cavaco Silva já faz escola. A crise tem as costas largas, dá para justificar tudo e um par de botas.
"Penso uma coisa e faço outra? A culpa é da crise." "Disse ontem uma coisa e hoje digo outra? A culpa é da crise." "Prometi e não cumpro? A culpa é da crise."
Foi com a crise que Passos Coelho justificou, derramando-se em "desculpas aos portugueses", a mãozinha dada "ao país" e ao aumento de impostos que, ainda há pouco mais de um mês, em campanha para a liderança do PSD, liminarmente rejeitava (não cumprir promessas eleitorais também é escola em Portugal).
Ontem foi o perplexo Miguel Relvas, secretário-geral do mesmo PSD: "O Governo não soube gerir o país"; "o Governo foi alertado para o descontrolo do défice e derrapagem da despesa pública, mas preferiu irresponsavelmente ignorar"; "o PSD exige transparência ao Governo"; "o Governo merece ser censurado".
Apesar disso, o PSD não votará a moção de censura do PCP. Por causa da crise. A crise tornou-se uma questão de saúde pública; já não afecta só o Orçamento, afecta também a coluna vertebral.


JORNAL DE NOTÍCIAS -

quarta-feira, 19 de maio de 2010

NÃO SOU TOLERANTE!..

NÃO SOU TOLERANTE!...
SER TOLERANTE É UMA PALAVRA QUE ME INCOMODA, PARECE QUE SOU TOLERANTE, PORQUE SOU SUPERIOR! EU NÃO SOU TOLERANTE, EU ACEITO OU NÃO ACEITO!...

A PROPÓSITO DA TOLERÂNCIA VEIO ATÉ MIM UM QUESTIONÁRIO.

-Acha bem que, movimentos neonazis tenham liberdade de expressão e de manifestação?
-Os sites pedófilos devem ser proibidos?
-Mein Kampf pode ser livro do dia nas Feiras do Livro?
-Considera aceitável a interdição em Israel de se tocar Wagner?
-Os programas de astrologia deviam ser banidos da televisão?
-Concorda com a decisão do governo espanhol de proibir o jornal de língua basca Egunkaria com o argumento de que apoio o terrorismo?
-Acha bem que o Catolicismo tenha um tratamento de primazia, relativamente a outras religiões?
-E as anedotas racistas e sexistas, deviam acabar?
-O direito à informação, quando colide com o direito ao bom nome deve ser penalizado?
-A liberdade de expressão deve ter regras?


Cada resposta SIM vale 1 ponto.
10 – Parabéns! Você é tão tolerante que já não é uma pessoa, mas uma geleia com corante de banana.
5 a 10 – Você tem dúvidas e isso é bom. Vale a pena ir tomar um café consigo.
0 a 4 – Pronto, já sabemos que se mandasse ia tudo preso!


ESTE INQUÉRITO É CONTRADITÓRIO, IMPOSSÍVEL RESPONDER A TUDO SIM OU A TUDO NÃO…ACABA-SE SEMPRE POR IR TOMAR UM CAFÉ!...O QUE ATÉ É AGRADÁVEL, PORQUE ISTO DE TER IDEIAS FEITAS NÃO INTERESSA NADA, ISSO É PARA AQUELAS SUMIDADES QUE NUNCA SE INTERROGAM E PARECEM DONOS DA VERDADE, TAMBÉM HÁ MUITO DISSO!...


SER GELEIA COM CORANTE DE BANANA, É UMA MANEIRA MUITO PRÁTICA DE NÃO SE INCOMODAR…ESTÁ TUDO BEM, MAS NÃO ESTÁ TUDO BEM, TEM QUE HAVER REGRAS ENTRE O ACEITÁVEL E O INACEITÁVEL!...

Nesta questão de tolerância há muita hipocrisia!...Eu também me debato muito com as questões de tolerância! Há questões que me deixam grandes interrogações!


Em Mirandela, uma professora do ensino básico, posou nua para a revista Playboy, contracenando com outra mulher. Uma colega denunciou-a (as mulheres são um mimo para estas coisas), a população teve conhecimento e adquiriu a revista, que nunca teve tantas vendas naquela localidade. Espalhou-se pela cidade, através de fotocópias e fotografias tiradas por telemóvel e, que já andam nas mãos dos próprios miúdos. Os pais protestaram. A contratação foi feita pelo município e o director da escola, pediu que fossem tomadas medidas, já que considerava incompatível para professora, uma pessoa que aparece nesse género de revista, porque será uma educadora nociva. O Município, acabou por afastar a professora para os arquivos, até finalizar o seu contrato.
Hoje em dia sou confrontada com situações complexas, as pessoas são livres de fazer da sua vida aquilo que querem, mas penso que tem que haver regras, embora neste país apesar de existirem regras, muitas não são cumpridas! Evidentemente que já há correntes de opinião a favor e contra a professora, uns dizem que posar nua, não lhe tira o mérito de ser boa professora (uns até escreveriam «boa», entre aspas) e outros não pode ser, como é que uma pessoa assim se dá ao respeito! Penso que ter dúvidas não é mau, já que permite uma certa reflexão!

segunda-feira, 17 de maio de 2010

BLOGAGEM COLORIDA

DEPOIS DESTA MINHA PRIMEIRA BLOGAGEM COLECTIVA, DE QUE TIVE IMENSO PRAZER EM PARTICIPAR, DESEJO QUE OUTRAS IDEIAS SURJAM, MOTIVADORAS DE CRIATIVIDADE, DE PARTILHA DE CONHECIMENTOS DE IDEIAS E DE SONHOS E, QUE ESTE CONTACTO SE VÁ MANTENDO.

A IDEIA DA AÇUTI, [ http://acutivapuacu.blogspot.com/] FOI ÓPTIMA, COMO FOI ÓPTIMO TODO O ENTUSIASMO QUE A GLORINHA [http://cafecomglorinha.blogspot.com/] DEU PARA QUE A IDEIA SE CONCRETIZASSE E ÀS DUAS MUITO AGRADEÇO. OS MEUS AGRADECIMENTOS OBVIAMENTE TAMBÉM SÃO EXTENSIVOS ÀS PESSOAS QUE ME DEIXARAM COMENTÁRIOS, COM TANTA TERNURA E SIMPATIA!

O MEU MUITO OBRIGADA!...

PARA SELAR ESTA BLOGAGEM, SÓ ME RESTA PUBLICAR OS DOIS SELOS QUE A CÍNTIA DO BLOGUE, [http://cantinhodabarbiegirl.blogspot.com/] ,FEZ , COM TODA A SUA CRIATIVIDADE E TERNURA.