«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 11 de setembro de 2013

11 DE SETEMBRO

Hoje é incontornável não referir dois acontecimentos, que abalaram o mundo:
-11 de Setembro de 1973, morre o presidente eleito do Chile Salvador Allende durante o bombardeamento do Palácio de La Moneda, que foi o início do golpe militar que levou ao poder o ditador Pinochet.



-11 de Setembro de 2001 - Ataque terrorista às torres gémeas do World Trade Center de Nova Iorque e ao Pentágono em Washington, provocando cerca de 3000 mortes.




Salvador Allende Gossens (Valparaíso, 26 de Junho de 1908 — Santiago do Chile, 11 de Setembro de 1973) médico e político marxista chileno. Fundador do Partido Socialista, governou o país de 1970 a 1973, quando foi deposto por um golpe de estado liderado por seu chefe das Forças Armadas, Augusto Pinochet.
Allende foi o primeiro presidente de república e o primeiro chefe de estado socialista marxista eleito democraticamente na América Latina. Allende foi um revolucionário atípico: acreditava na via eleitoral da democracia representativa, e considerava ser possível instaurar o socialismo dentro do sistema político então vigente em seu país.

"Não basta que todos sejam iguais perante a lei. É preciso que a lei seja igual perante todos".

"O socialismo não pode ser imposto por decreto: é um processo em desenvolvimento".

"¡Viva Chile! ¡Viva el pueblo! ¡Vivan los trabajadores!"
"Não vou renunciar. Colocado no caminho da História pagarei com minha vida a lealdade do povo. E digo que tenho certeza de que a semente que deixamos na consciência digna de milhares e milhares de chilenos não poderá ser ceifada definitivamente. Eles têm a força, poderão submeter-nos, porém não deterão os processos sociais nem com crimes nem com a força. A história é nossa e é feita pelo povo".
"¡Viva Chile! ¡Viva el pueblo! ¡Vivan los trabajadores!"
- últimas palavras de Salvador Allende transmitidas por rádio durante o cerco ao La Moneda.