«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Há notícias que me assombram!


314 MIL PESSOAS COM MAIS DE 60 ANOS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA NUM ANO

Nestes números contabilizados, sempre fica por saber exactamente o número real, as mulheres em percentagem, são as maiores vítimas e a idade de maior incidência é a partir dos 80 anos.

Este número em ambiente doméstico é de facto impressionante, os meios de exercer esta violência são diversos: violência física ( empurrar, puxar, agarrar, amarrar, cortar, bater, trancar num quarto); violência psicológica (ameaçar, abandonar, agredir, castigar, humilhar); violência financeira (roubar, abusar, exigir bens); violência sexual (coação sexual, violação, abuso sexual): Negligência (não tratar das pessoas)

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

CUENTO CORTO DE GARCIA MÁRQUEZ


Un científico, que vivía preocupado con los problemas del mundo, estaba resuelto a encontrar los medios para aminorarlos.
Pasaba días en su laboratorio en busca de respuestas para sus dudas.

Cierto día, su hijo de 7 años invadió su santuario decidido a ayudarlo a trabajar.


El científico, nervioso por la interrupción, le pidió al niño que fuese a jugar a otro lado.


Viendo que era imposible sacarlo, el padre pensó en algo que pudiese darle con el objetivo de distraer su atención.


De repente se encontró con una revista, en donde había un mapa con el mundo, justo lo que precisaba.


Con unas tijeras recortó el mapa en varios pedazos y junto con un rollo de cinta se lo entregó a su hijo diciendo: " como te gustan los rompecabezas, te voy a dar el mundo todo roto para que lo repares sin ayuda de nadie".


Entonces calculó que al pequeño le llevaría 10 días componer el mapa, pero no fue así. 


Pasadas algunas horas, escuchó la voz del niño que lo llamaba calmadamente.


"Papá, papá, ya hice todo, conseguí terminarlo".


Al principio el padre no creyó en el niño! 


Pensó que sería imposible que, a su edad hubiera conseguido recomponer un mapa que jamás había visto antes. Desconfiado, el científico levantó la vista de sus anotaciones con la certeza de que vería el trabajo digno de un niño.


Para su sorpresa, el mapa estaba completo.


Todos los pedazos habían sido colocados en sus debidos lugares.


¿Cómo era posible? ¿Cómo el niño había sido capaz?


De esta manera, el padre preguntó con asombro a su hijo: 


Hijito, tú no sabías cómo era el mundo, ¿cómo lo lograste? 


Papá, respondió el niño; yo no sabía como era el mundo, pero cuando sacaste el mapa de la revista para recortarlo, vi que del otro lado estaba la figura de un hombre.


Así que di vuelta los recortes y comencé a recomponer al hombre, que sí sabía como era.


"Cuando consegu í arreglar al hombre, di vuelta a la hoja y vi que había arreglado al mundo".


GABRIEL GARCÍA MÁRQUEZ

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

BULLYING


A PROF. MERECE O NOSSO APLAUSO PELA VISÃO PEDAGÓGICA DEMONSTRADA. TODOS TEMOS FILHOS, NETOS OU AMIGOS COM CRIANÇAS QUE PODEM SER VÍTIMAS. 

Uma professora quis ensinar à sua turma os efeitos do bullying.
Pediu-lhes para seguirem as seguintes instruções. Deu a todos os alunos uma folha de papel e disse-lhes para amachucarem, e para deitarem para o chão e para pisarem.

Resumindo, podiam estragar a folha o mais possível mas não rasga-la.
As crianças estavam entusiasmadas e fizeram o seu melhor para amachucarem a folha, tanto quanto possível.

A seguir a professora pediu-lhes para apanharem a folha e abri-la novamente com cuidado, para não rasgarem a mesma. Deviam de endireitar a folha com muito cuidado o mais possível. A senhora chamou-lhes atenção para observarem como a sua folha estava suja e cheia de marcas. Depois pediu-lhes para as crianças pedirem desculpa ao papel em voz alta, enquanto o endireitavam. Eles mostravam o seu arrependimento e passavam as mãos para alisarem o papel, mas a folha não voltava ao seu estado original.

Os vincos estavam bem marcados.

A professora pediu para que olhassem bem para os vincos e marcas no papel. E chamou-lhes atenção para o facto que estas marcas NUNCA mais iriam desaparecer, mesmo que tentassem repara-las.

“É isto que acontece com as crianças que são “gozadas” por outras crianças”, afirmou a professora.

Podes dizer: Desculpa, podes tentar mostrar o teu arrependimento, mas as marcas, essas ficam para sempre.

Os vincos e marcas no papel não desapareceram, mas as caras das crianças deram para perceber que a mensagem da professora foi recebida.