A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quinta-feira, 27 de dezembro de 2018

SIDONIE-GABRIELLE COLETTE




Escandalosa. Revolucionária. Determinada. Estas são apenas algumas das palavras usadas para descrever a sensação francesa Sidonie-Gabrielle Colette. Seu carácter único e um tipo único de força que a fez uma das autoras mais excepcionais e controversas a surgir na Europa no início do século XX. Apesar da sua reputação devassa, ela era uma líder dos movimentos feministas e de liberdade, um farol de luz num tempo terrivelmente conservador.

Os primeiros anos de Colette estão envoltos em mistério. O que se sabe é que ela nasceu em Janeiro de 1873, seu pai era um capitão aposentado, a mãe uma fina amante das artes. Graças a seus pais, Colette foi introduzida numa idade adiantada, tanto para o mundo rico de arte belga quanto na clandestina arena da política.

Sua história realmente começa na tenra idade de 20, quando se casou com Henri Gauthier-Villars, um bissexual conhecido tanto por sua sagacidade, quanto pelas suas conexões com o submundo parisiense, onde era conhecido simplesmente como "Willy". O seu novo marido era 15 anos mais velho, mas viu imediatamente que sua jovem esposa não era fácil, e por isso procurou algo para nutrir imediatamente sua inteligência e seu intelecto.

Willy encorajou-a a escrever, dando-lhe a oportunidade de publicar o seu trabalho com o seu nome; uma rara oportunidade para uma mulher em 1900. Seu primeiro grande trabalho foi uma colecção conhecida como Os romances de Claudine, um trabalho que algumas fontes dizem que foi escrito sob intensa pressão. Willy não era um mentor gentil: a lenda diz que ele trancava sua esposa em seu quarto por horas, até que produzisse um trabalho de alta qualidade.

O Trabalho de Colette estava transbordando de energia sexual, muito do qual foi tirado directamente de sua própria história de vida. Sua bissexualidade era um tema quente nos livros de Claudine, que abriu novos caminhos literários. Claudine na Escola foi o primeiro romance da literatura moderna a lidar com o romance lésbico: A protagonista de 15 anos de idade desenvolve uma paixão incontrolável por sua própria assistente feminina. Colette, apesar dos seus inúmeros casamentos e amantes do sexo masculino, sempre teve um fraquinho por meninas, especialmente as beldades de Paris.

  
 
Colette manteve relações estreitas com as personalidades mais conhecidas da alta sociedade, tendo amigos e amantes das maiores esferas de poder. Isso permitiu-a lidar com certos assuntos, como a infame Mathilde de Belobeuf, mais conhecida como "Missy" para seus entes queridos e "Monsieur Belboeuf" no submundo lésbico de Paris. 

O seu gosto por meninas não foi a única coisa que causou escândalo. Ela teve outra controvérsia em 1906, quando uma fotografia foi tirada durante uma performance teatral, durante a qual expôs um de seus seios, isto chocou pessoas em todo o mundo, começando uma controvérsia internacional e apresentando um desafio novo e totalmente inesperado para os papéis tradicionais de género da sociedade francesa. Este pequeno deslize até abriu o caminho para o movimento de libertação das mulheres.

A verdadeira fonte de controvérsia, no entanto, sempre foi o trabalho de Colette. Apesar dos trabalhos luxuriosos, da recepção escandalosa e sensibilidades feridas de leitores tensos, seus romances tornaram-se um sucesso comercial arrebatador. A escrita de Colette gerou tudo, desde um palco musical a uma marca de perfume, de temas pra uniforme "Claudine” a temas para sabão. As pessoas até vendiam cigarros com o título da chocante porém ainda aclamada saga.


Nem mesmo a idade poderia retardar Colette. Aos 72 anos, depois de três casamentos e uma vida de escândalos, publicou seu romance mais aclamado de sempre: Gigi. Este trabalho florido também gerou sucesso, mais tarde adaptado como uma peça musical com Audrey Hepburn, e para o cinema em 1948, e novamente em 1958 como um musical com Leslie Caron.

Colette morreu em 1954. A sua perda foi sentida por toda a Europa como uma das escritoras mais importantes e influentes de todos os tempos. Mais uma vez e mesmo depois da sua morte, revolucionou o mundo quando lhe deram um funeral de Estado francês, uma honra rara para uma mulher na época.

UM CASAL MUITO PECULIAR: DALI/GALA




Em 1912, Gala foi enviada para um sanatório em Clavadel, Suíça, para tratamento da tuberculose. Conheceu Paul Éluard e apaixonaram-se. Ambos tinham 17 anos. Em 1916, durante a I Guerra Mundial, ela viajou da Rússia para Paris para se reunir com ele, casaram um ano depois. A sua filha, Cécile, nasceu em 1918. Gala detestava a maternidade, maltratando e ignorando a sua filha. Com Éluard, Gala envolveu-se com o movimento surrealista, que foi uma inspiração para muitos artistas, incluindo Éluard, Louis Aragon, Max Ernst e André Breton. Breton depois a desprezou, alegando que ela era uma influência destrutiva sobre os artistas com quem fez amizade. Ela, Éluard e Ernst passaram três anos num relacionamento. Em 1929, Éluard e Gala visitaram um jovem pintor surrealista em Espanha, Salvador Dalí. Um caso rapidamente se desenvolveu entre Gala e Dalí, que era cerca de 10 anos mais jovem do que ela. No entanto, mesmo após a separação do seu casamento, Éluard e Gala continuaram a estar perto.
Depois de viverem juntos desde 1929, Dalí e Gala casaram-se  Devido à sua fobia suposta da genitália feminina, Dalí teria dito que era virgem quando se encontraram na Costa Brava, em 1929. Por essa época ela teve miomas uterinos, para os quais se submeteu a uma histerectomia em 1936.
No início dos anos 1930, Dalí começou a assinar seus quadros assim: "É principalmente com o sangue, Gala, que eu pinto minhas imagens". Ele afirmou que Gala agiu como seu agente. Segundo a maioria dos relatos, Gala teve um forte impulso sexual e ao longo da sua vida teve vários casos extraconjugais (entre eles, com seu ex-marido Paul Éluard), que Dalí incentivava. Gala tinha uma predilecção por jovens artistas, e na sua velhice, muitas vezes deu presentes caros para os seus amantes.
Com setenta anos, teve um relacionamento com o cantor de rock Jeff Fenholt. Ela supostamente cumulou-o de presentes, incluindo pinturas de Dalí e uma casa de milhões de dólares em Long Island. Gala morreu em Port Lligat em 1982, aos 87 anos, e foi enterrada no Castelo de Púbol em Girona, propriedade que Dalí tinha comprado para ela.
Gala é um modelo frequente na obra de Dalí, as suas pinturas mostram seu grande amor por ela, e algumas são, talvez, as representações mais carinhosas e sensuais de uma mulher de meia-idade na arte ocidental.

domingo, 17 de junho de 2018

SÍRIA, O PAÍS DESTRUÍDO ONDE AS SUPERPOTÊNCIAS BRINCAM À GUERRA!



Sete anos em guerra e não parece ter fim à vista, com consequências devastadoras. Por essa razão muitos deixam o seu país, a sua família, a sua casa, os amigos e rumam a outro país onde tudo são incógnitas, sem muito pouco levar consigo ou nada.


Estima-se que já terão morrido mais de 250 mil pessoas e que mais de cinco milhões tenham sido obrigadas a sair do seu país.

Este conflito, onde foram destruídas cidades inteiras, começou com uma guerra civil, motivada pela chamada Primavera Árabe e que passou a ser palco para as potências mundiais, como os Estados Unidos e a Rússia mostrarem quem pode mais.



A Primavera Árabe, foi uma série de revoltas, que aconteceram nos países árabes, contra as condições sociais em que as pessoas viviam e contra os seus ditadores. O primeiro país em que o ditador caiu foi na Tunísia, Zine El Abidine Bn Ali estava a governar há 23 anos. Os outros países ficaram com esperanças, como o Egipto e a Líbia. Na Líbia resultou, com a caída de Muammar Kadhafi, no poder há 40 anos. Chegou ainda a Marrocos, ao Iémen, etc. Mas na Síria os protestos foram duramente reprimidos por Bashar al- Assad, cuja família está no poder há décadas.


O que começou com protestos das populações, passou a palco de guerra. Bashar foi apoiado pelo Irão e pela Rússia, para evitar a sua destituição, reprimindo o Exército Síria Livre, formado a partir do Partido da União Democrática, constituído por curdos, que têm o apoio  da Turquia, da Arábia Saudita, dos Estados Unidos e da União Europeia. Pelo meio a população foi submetida ao terror e violência do Estado Islâmico.

Milhões saíram confrontando-se com a resistência que alguns países têm contra os refugiados. Outros permanecem na Síria, onde qualquer coisa pode acontecer.

Recentemente os Estados Unidos, Reino Unido e França bombardearam alvos militares, aumentando a tensão com a Rússia.

A tragédia continua….