A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

LENDO!

ENSAIOS DE MONTAIGNE:
«NÃO JULGAR OUVIR OS OUTROS, ENTENDER OS OUTROS».

Montaigne sobre uma amigo que morreu e com quem trocavam ideias, conversavam sobre tudo.
«Porque ele era eu e eu era ele, depois da sua morte, só me resta definhar».
O QUE ERA A AMIZADE! E O QUE HOJE É? OS SENTIMENTOS PARECEM TODOS TÃO SUPERFICIAIS!

O TEMPO NÃO É MAIS NADA QUE UM RIO CORRENDO PELA NOSSA VIDA.


segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

O PORTO DO OUTRO LADO!



A ESTRADA QUE NÃO FOI SEGUIDA

A estrada que não foi seguida

Duas estradas separavam-se num bosque amarelo,
Que pena não poder seguir por ambas
Numa só viagem: muito tempo fiquei
Mirando uma até onde enxergava,
Quando se perdia entre os arbustos;
Depois tomei a outra, igualmente bela
E que teria talvez maior apelo,
Pois era relvada e fora de uso;
Embora na verdade, o trânsito
As tivesse gasto quase o mesmo,
E nessa manhã nas duas houvesse
Folhas que os passos não enegreceram.
Oh, reservei a primeira para outro dia!
Mas sabia como caminhos sucedem a caminhos
E duvidava se alguma vez lá voltaria.
É com um suspiro que agora conto isto,
Tanto, tanto tempo já passado:
Duas estradas separavam-se num bosque e eu —
Eu segui pela menos viajada
E isso fez a diferença toda
Tradução do poeta José Alberto Oliveira, in Rosa do Mundo, 2001 poemas para o futuro.

domingo, 28 de janeiro de 2018

VILA D'ESTE




A Villa d'Este é um palácio situado em Tivoli, próximo de Roma, na Itália. Classificada pela UNESCO, desde 2001, como Património Mundial da Humanidade, é uma obra-prima da arquitectura e, especialmente, do desenho de jardim.
A Villa d'Este foi encomendada pelo Cardeal Ippolito II d'Este (1509-1572), filho de Afonso I d'Este e de Lucrécia Bórgia, e neto do Papa Alexandre VI. Ippolito havia sido nomeado Governador de Tivoli pelo Papa Júlio III, com oferta da villa, a qual ele reconstruiu inteiramente segundo planos de Pirro Ligorio, sob a direcção do arquitecto-engenheiro de Ferrara, Alberto Galvani, arquitecto da Corte dos Este. O pintor chefe da ambiciosa decoração interior foi Livio Agresti, de Forlì. A partir de 1550 até à sua morte, em 1572, quando a villa estava quase completa, Ippolito criou um cenário palaciano rodeado por um fabuloso jardim em terraços ao Estilo renascentista tardio maneirista, o qual tirou total vantagem da dramática encosta mas requereu inovações para trazer um caudal suficiente de água, a qual foi empregue em cascatas, tanques de água, canais, lagos, jactos de água, fontes e giochi d'acqua (jogos de água).
Usando a inspiração no desenho, o Cardeal criou um elaborado jardim de fantasia, o qual mistura elementos arquitectónicos com elementos aquáticos.
No século XVIII, a villa e os seus jardins passaram para a posse da Casa de Habsburgo e foram negligenciados.

Franz Liszt


Durante a posse do Cardeal Gustav von Hohenlohe, houve uma reabilitação o Cardeal hospedou Franz Liszt, o qual evocou os jardins na sua Les Jeux d'Eaux à la Villa d'Este (Os Jogos de Água na Villa d'Este) e deu um dos seus últimos concertos na villa. Os poemas de Jean Garrigue Um passeio de água por Villa d'Este (1959) continuam uma longa tradição de poesia inspirada pelos jardins. A Villa d'Este tem sido celebrada na poesia, pintura e música.



VILA ADRIANA



Vila Adriana é um antigo complexo palaciano construído, no século II, para o Imperador Adriano. Situado na cidade de Tivoli, a uma trintena de quilómetros de Roma, figura entre os mais ricos conjuntos monumentais da Antiguidade. A vila, está repartida sobre uma superfície de 120 hectares, dos quais 40 estão visíveis.

Amante de arte, Adriano era um apaixonado pela arquitectura, tendo desenhado, ele próprio, edifícios. Também deu prova de um cuidado particular para escolher o lugar da nova residência imperial que decidiu construir desviada de Roma: selecionou um planalto situado sobre os declives dos montes Tiburtinos. A zona compreendia numerosas pedreiras, para alimentar os trabalhos; era provida de água por quatro aquedutos, elemento crucial para as termas romanas e para as fontes. O planalto já estava ocupado por uma vila da época republicana, construída no tempo de Sula e ampliada sob Júlio César, a qual pertencia à família da esposa de Adriano, Sabina, e seria integrada no Palácio Imperial.
Depois da morte de Adriano, os seus sucessores continuaram, sem dúvida, a deslocar-se a Tivoli, como testemunham os planeamentos do século III, embora de seguida a vila tenha sido progressivamente abandonada e caído no esquecimento durante a Idade Média.
A partir do Renascimento, o humanista Flavio Biondo foi o primeiro a pôr um nome sobre as ruínas. A vila passou a ser frequentada por artistas como Piranesi, arquitectos como Sangalo ou Borromini e amantes de antiguidades que a pilharam das suas obras artísticas e dos seus elementos arquitectónicos. Entre o século XVI e o século XIX, a vila foi explorada e as centenas de obras descobertas partiram para enriquecer as colecções privadas e os grandes museus da Europa.
Em 1870, o domínio regressou à posse do governo italiano que procedeu a escavações e restauros: estes revelaram a espantosa arquitectura dos seus edifícios, e por vezes mesmo estuques e mosaicos. No entanto a maior parte do lugar permanece por explorar.
A Vila Adriana foi incluída, em 1999, na Lista do Património Mundial da UNESCO.
Com uma dimensão de 1.200 metros no eixo Norte/Sul e 600 m. no eixo Este/Oeste, o perímetro atual da vila estende-se por uma superfície de 40 hectares e compreende uma trintena de edifícios de naturezas diferentes: três complexos termais, edifícios administrativos, edifícios de lazer (teatro, passeios, etc.).
À parte certos locais com características facilmente reconhecíveis como as termas, a interpretação de numerosas construções é problemática e incerta.







CASTEL GANDOLFO - URBANO VIII

Castel Gandolfo, por vezes conhecido como Castelgandolfo é uma comuna italiana da região do Lácio, província de Roma. É muito conhecida por ser o local da residência de Verão do Papa. A residência do Papa é um edifício do século XVII do arquitecto Carlo Maderno, mandada construir pelo Papa Urbano VIII.
 Castel Gandolfo situa-se nas margens do Lago Albano, um lago vulcânico.
 Pertence à rede das Aldeias mais bonitas de Itália.



Urbano VIII, nascido Maffeo Barberini (Florença, 1568 — Roma, 1644) foi Papa de 1623 até à data da sua morte.
 Nasceu numa família florentina de grande influência. 
O seu longo pontificado cobriu vinte e um anos da Guerra dos Trinta Anos. Foi marcado por numerosos eventos, sendo reconhecido mais pelo equilíbrio e jogo político do que por reformas no âmbito do Cristianismo. Foi o último Papa a estender o território papal. Fortificou diversas construções, entre as quais se encontra o Castelo de Sant'Angelo, junto ao Vaticano, onde mandou retirar, para fundir em canhões, as grandes vigas de bronze que tinham sobrevivido dos tempos do Império Romano, levando ao dito popular quod non fecerunt barbari, fecerunt Barberini (o que os bárbaros não fizeram, o Barberini fez). Estabeleceu também um arsenal no Vaticano e uma fábrica de armas em Tivoli e fortificou o porto de Civitavecchia.
Foi durante o pontificado de Urbano VIII que Galileu Galilei foi chamado a Roma para se retratar das afirmações científicas que havia produzido, em 1633 . Empregou Bernini para a construção de diversas obras na cidade. Foi o último a praticar em grande escala o nepotismo: vários membros da sua família foram amplamente enriquecidos graças a si, no que se assemelhava a uma dinastia Barberini de influência e poder. Procedeu a numerosas canonizações, entre as quais as da Rainha Santa Isabel de Portugal, São Francisco Xavier, São Luís de Gonzaga e São Filipe de Neri.




sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Não procures atravessar o espelho
Não há nada atrás dele e nada nele.
….


Alexei Nuevo

...
 Ser fragmento, ser caco, ser a corda
Que não se amarra em nada
O elo partido
O escorrer puro
O rio sem sentido


Des Aparições - Alexei Bueno

...
O instante, o glorioso instante,
O instante eterno
Em que fossemos,
E sendo nos cravássemos na eternidade
Do ser

Na hora do ser, no ser agora!
...

DES APARIÇÕES - Alexei Bueno

DES APARIÇÕES


Ouve,
E entende: tudo é veste.
Sem as máscaras e os mantos somos nós ainda, intactos.
Sem as auroras e os vidros o que não tem nome permanece,
Sem as amadas e os cachorros, o labirinto e as folhagens, ele é
O instante
Que nos limita, nossa cadeia eterna,
Nosso brasão glorioso.
Tudo é veste
O nosso rosto, o nosso nome
Tudo é veste
A mão materna nas manhãs, o elevador parado
Tudo é veste (…)


DES APARIÇÕES - Alexei Bueno 



Alexei Bueno é um poeta que nem em registo satírico se compraz com a expressão de sentimentos ou emoções à flor da pele. Poeta invulgarmente culto, poeta que gosta de pensar e em que não raro encontramos formulações densas e sapienciais, para ele "Só os desesperados e os ascetas / São dignos de respeito", e só é possível sobreviver pela cultura e pela arte. Isso o levou a homenagear escritores como Fernando Pessoa (Álvaro de Campos), Ariano Suassuna, Herberto Helder e Ivan Junqueira, cineastas como Glauber Rocha, pintores como Goya, e músicos como Brahms, Beethoven, que nos restitui a alegria de estarmos vivos, e Schubert, que nos dá "um sol maior do que o que engendra o mundo".

PORTA DO INFERNO - AUGUSTE RODIN

A Porta do Inferno é sem dúvida uma das obras mais importantes e mais conhecidas de Auguste Rodin. O escultor francês dedicou anos de sua carreira (37) e a obra ficou inacabada.
Foi a primeira encomenda oficial feita pelo Estado à Rodin, em 1880. A obra seria exposta no Musée des Arts Décoratifs de Paris e foi o próprio Rodin quem escolheu o tema: O Inferno de Dante Alighieri. 


Ao esculpir a Porta do Inferno, Rodin não ilustra os episódios descritos por Dante, faz uma reflexão sobre a condição humana. Rodin coloca em cena os excessos humanos, os homens que perderam o próprio controle. Em vez de representar os personagens com roupas medievais, Rodin esculpe seus personagens nus e isso dá à obra um carácter intemporal e universal.



Diversas figuras criadas por Rodin para a Porta do Inferno foram, mais tarde, reproduzidas individualmente e num tamanho maior. Entre elas O Pensador e O Beijo.


O Beijo, foi originalmente esculpido para A porta do Inferno, mas o casal foi posteriormente removido e substituído por outro casal de namorados. O Beijo foi inspirado nas personagens da Divina Comédia:  Paolo e Francesca. Os amantes foram mortos pelo marido de Francesca, que os surpreendeu na troca de um beijo. O casal, por ter cometido o crime da luxúria, foi condenado a vagar eternamente pelo inferno.

A Porta do Inferno, apesar de inacabada, é uma obra decisiva para a história da Escultura Moderna. Mais que uma porta, Rodin queria mostrar uma versão espectacular do inferno. 

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018




VIRGINIA WOOLF, UMA DAS MINHAS ESCRITORAS PREFERIDAS

Adeline Virginia Woolf, nascida Adeline Virginia Stephen (Kensington, Middlesex, 25 de janeiro de 1882 — Lewes, Sussex, 28 de março de 1941), escritora, ensaísta e editora, conhecida como uma das mais proeminentes figuras do modernismo
Woolf foi membro do Grupo de Bloomsbury e desempenhou um papel de grande relevo dentro da sociedade literária londrina durante o período entre guerras. 


quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

ANTÓNIO FRAGOSO

António de Lima Fragoso (Pocariça, Cantanhede, 1897 —  1918).


Cedo se revelou a sua extraordinária vocação, para a música. Depois da sua formação, aos 16 anos publicou e deu a primeira audição da sua primeira composição "Toadas da minha aldeia", a que a crítica musical deu os maiores aplausos. Aos 17 anos, entrou no Conservatório Nacional de Música, em Lisboa, estudou harmonia, e piano, concluindo o curso de piano com a classificação máxima.


Em 1918 morreu, na Pocariça, vitima da gripe pneumónica. Deixou mais de cem composições musicais, de reconhecido valor, já nesse tempo apreciadas nos centros musicais da Europa.

CASTELO DE DUÍNO EM TRIESTE.


A construção do Castelo de Duíno, em Trieste, someçou em 1389 sobre ruinas de um posto romano, e desde 2003 ele está aberto para visitas, tendo sido consagrado pelo poeta Rainer Maria Rilke, que passou dez anos (entre idas e vindas) no castelo escrevendo o que viria a ser conhecido com “Elegias de Duíno”:
“Se eu gritar, quem poderá ouvir-me, nas hierarquias dos Anjos? E, se até algum Anjo de súbito me levasse para junto do seu coração: eu sucumbiria perante a sua natureza mais potente. Pois o belo apenas é o começo do terrível, que só a custo podemos suportar, e se tanto o admiramos é porque ele, impassível, desdenha destruir-nos. Todo o anjo é terrível.” (trecho da primeira das dez elegias que compõe o livro).

O castelo está em excelentes condições, e impressiona como a família Della Torre, dona da edificação há 420 anos, era extremamente musical, com dezenas de violinos, violoncelos e pianos expostos pela casa (um deles de Franz Listz), que recebeu, entre outros, o arquiduque Franz Ferdinand, Johann Strauss, Paul Valery e Gabriele d’Annunzio. A vista do Adriático e os jardins do palácio são impressionantes. 

QUAL O MELHOR LIVRO?


Se ocasionalmente me perguntassem qual era o livro mais importante que existe, eu diria sem hesitações que era a Bíblia, seja porque prisma possa ser analisada, eu que até estou no rol dos agnósticos.

Não tenho lido grande coisa da Bíblia, aqui uma coisa, ali outra, na íntegra li o Apocalipse, para trabalhos de faculdade, mais concretamente as esculturas da era românica. Gostava de estar num sítio, onde não houvesse mais nada para ler a não ser a Bíblia, para que me pudesse só concentrar nessa leitura. Não que eu tivesse como objectivo compreender o divino, ser possuída pelo transcendente, isso seria muito difícil. Gostava mais de ler numa perspetiva  histórica, sociológica, antropológica. Como se lê a Odisseis e Ulisses de Homero  ou a Ilíada de Vergílio.

A Bíblia (do grego βιβλία, "rolo" ou "livro", diminutivo de "byblos", “papiro egípcio”, provavelmente do nome da cidade de onde esse material era exportado para a Grécia, Biblos, actual Jbeil, no Líbano) é uma colecção de textos religiosos, em que se narram interpretações religiosas do motivo da existência do homem na Terra.

Segundo a tradição aceite, a Bíblia foi escrita por 40 autores, entre 1 500 a.C. e 450 a.C. (livros do Antigo Testamento) e entre 45 d.C. e 90 d.C. (livros do Novo Testamento), totalizando um período de quase 1600 anos. A maioria dos historiadores considera que a data dos primeiros escritos acreditados como sagrados é bem mais recente: por exemplo, enquanto a tradição cristã coloca Moisés como o autor dos primeiros cinco livros da Bíblia (Pentateuco), muitos estudiosos aceitam que foram compilados pela primeira vez apenas após o exílio babilónico, a partir de outros textos datados entre o décimo e o quarto século antes de Cristo. Muitos estudiosos também afirmam que foi escrita por dezenas de pessoas oriundas de diferentes regiões e nações.
A Bíblia de Gutenberg é o primeiro livro impresso no Ocidente usando a técnica conhecida como “de caracteres móveis”. Elaborada por Lutero em Magonza, por volta do ano 1455, a obra em alemão foi um dos alicerces da Reforma Protestante, que originou o movimento evangélico.

A Biblía é um livro denso, complexo, pode ter variadas leituras, por isso é perene, porque está sempre actualizada, o mistério existe e existirá. Lê-se e não se percebe e é preciso voltar a ler uma vez mais, e continua a não se perceber, a resilência é necessária.

Não perceber é o mais importante porque desperta emoção e questionamento, é como a poesia, cheia de metáforas impenetráveis.

Gosto das coisas herméticas, do que não consigo perceber, da opacidade do incompreensível, tudo é mais belo e gera ideias, espaços, procuras, meditações.

Há sempre o que fica por compreender, o que nunca poderá ser compreendido o que poderá sempre ser posto em causa


ZONAS MENOS CONHECIDAS DA ITÁLIA: Friuli-Veneza Júlia


Friul-Veneza Júlia é uma região da Itália dividida em quatro províncias: Údine, Pordenone, Gorizia e Trieste.

TERRAS DE: ARTE-HISTÓRIA-NATUREZA

A região tem 7 845 km² e 1 milhão e 200 mil habitantes. A antiga capital do Friul é Údine, cidade que já foi sede do patriarca de Aquileia; a actual capital é Trieste. Centros importantes, além de Údine, são: Pordenone, Cividale del Friuli, Codroipo, Latisana, Cervignano del Friuli e Sacile.
A região é limitada a norte pela Áustria, a sul e a este pela Eslovénia e a oeste pela região italiana do Veneto. No extremo norte da região fica a fronteira tripla Itália-Áustria-Eslovénia.
UDINE
TRIESTE
PORDENONE
CIVIDADE DE FRIULI


CADROIPO
GORIZIA
SACILE