«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sábado, 24 de agosto de 2013

Jorge Francisco Isidoro Luis Borges Acevedo (Buenos Aires, 24 de Agosto de 1899 — Genebra, 14 de Junho de 1986) escritor, poeta, tradutor, crítico literário e ensaísta argentino.

SouSou o que sabe não ser menos vão 
Que o vão observador que frente ao mudo 
Vidro do espelho segue o mais agudo 
Reflexo ou o corpo do irmão. 
Sou, tácitos amigos, o que sabe 
Que a única vingança ou o perdão 
É o esquecimento. Um deus quis dar então 
Ao ódio humano essa curiosa chave. 
Sou o que, apesar de tão ilustres modos 
De errar, não decifrou o labirinto 
Singular e plural, árduo e distinto, 
Do tempo, que é de um só e é de todos. 
Sou o que é ninguém, o que não foi a espada 
Na guerra. Um esquecimento, um eco, um nada. 

Jorge Luis Borges, in "A Rosa Profunda"



Jorge Luis Borges 
A sua obra abrange o "caos que governa o mundo e o caráter de irrealidade em toda a literatura". Seus livros mais famosos, Ficciones (1944) e O Aleph (1949), são coletâneas de histórias curtas interligadas por temas comuns: sonhos, labirintos, bibliotecas, escritores fictícios e livros fictícios, religião, Deus. Seus trabalhos têm contribuído significativamente para o gênero da literatura fantástica. Estudiosos notaram que a progressiva cegueira de Borges ajudou-o a criar novos símbolos literários através da imaginação, já que "os poetas, como os cegos, podem ver no escuro". Os poemas de seu último período dialogam com vultos culturais como Spinoza, Luís de Camões e Virgílio.
Sua fama internacional foi consolidada na década de 1960. Para homenagear Borges, em O Nome da Rosa, romance de Umberto Eco, há o personagem Jorge de Burgos, que além da semelhança no nome é cego. Além da personagem, a biblioteca que serve como plano de fundo do livro é inspirada no conto de Borges A Biblioteca de Babel  (uma biblioteca universal e infinita que abrange todos os livros do mundo).

"A democracia é um erro estatístico, porque na democracia decide a maioria e a maioria é formada de imbecis"
"Sempre imaginei que o paraíso será uma espécie de biblioteca"
"Parece-me fácil viver sem ódio. Sem amor, acho impossível."
"De todos os instrumentos do homem, o mais surpreendente é, sem dúvida nenhuma, o livro."
"A única coisa sem mistério é a felicidade porque ela se justifica por si só."
"Não acumules ouro na Terra, porque o ouro é pai do ócio, e este, da tristeza e do tédio."
"Eu não sei se tem alguém do outro lado da linha, mas ser um agnóstico significa que todas as coisas são possíveis, mesmo Deus. Este mundo é tão estranho, tudo pode acontecer, ou não acontecer. Ser um agnóstico permite-me viver num mundo mais amplo, num tipo mais futurístico de mundo. Faz-me mais tolerante."

PESQUISA: INTERNET



1 comentário:

as-nunes disse...

Ando a ler vários livros. Também acabei de escrever uma biografia-monografia (Acácio de Paiva- 1863-1944).

Não é meia noite quem quer (estou todo baralhado...) e Obra Poética (Vol. 19) de Jorge Luis Borges. Um poeta de encantar...