«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 16 de outubro de 2013

MUITO ME APRAZ HOMENAGEAR HOJE, NA DATA DA SUA MORTE, HÁ 31 ANOS, (COMO O TEMPO PASSA) O ADRIANO CORREIA DE OLIVEIRA.

Adriano Maria Correia Gomes de Oliveira (Porto, 9 de Abril de 1942 — Avintes, 16 de Outubro de 1982), referência incontornável de cantor de intervenção.

Adriano foi um intérprete do fado de Coimbra e cantor de intervenção. A sua família era marcadamente católica, crescendo num ambiente que descreveu como «marcadamente rural, entre videiras, cães domésticos e belas alamedas arborizadas com vista para o rio». Depois de frequentar o Liceu Alexandre Herculano, no Porto, matriculou-se na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, em 1959. Viveu na Real República Ras-Teparta, foi solista no Orfeon Académico, membro do Grupo Universitário de Danças e Cantares, actor no CITAC, guitarrista no Conjunto Ligeiro da Tuna Académica e jogador de voleibol na Briosa. Na década de 1960 adere ao Partido Comunista Português, envolvendo-se nas greves académicas de 62, contra o salazarismo. Nesse ano foi candidato à Associação Académica de Coimbra, numa lista apoiada pelo MUD.
Dedicou a sua curta vida à música e musicou vários dos poemas de Manuel Alegre.
A título póstumo em 1983 foi feito Comendador da Ordem da Liberdade e a 24 de Abril de 1994 foi feito Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.








7 comentários:

✿ chica disse...

Que linda homenagem fizeste à ele!! Que bom te ver!!Fazia tempo!! beijos,chica

Marli Borges disse...

Linda homenagem a grande figura humana que foi o Adriano Correia de Oliveira. Gostei de saber alguns detalhes de sua vida. Parabéns pelo post. Bjs Marli

Mary Brown disse...

Manuela só nos apercebemos como ele passa quando fazemos contas. Cantores de intervenção que marcaram um período da história portuguesa. Gente que dava voz a um povo. Beijinhos

Bombom disse...

Olá Manú, já tinha saudades de passar por aqui. As canções do Adriano Correia de Oliveira, fazem parte das minhas memórias da juventude. Recordo-o como cantor, mas essencialmente com um Poeta da liberdade. Um dia soube da sua morte e sempre me perguntei, como, se era tão jovem? Nunca o descobri. Obrigada por teres trazido aqui a sua história de vida, que gostei de acompanhar. um abraço da Bombom

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Um homenagem justa e que é sempre bom recordar. Hoje faltam homens com a força e o carisma deste Senhor.
Adriano Correia de Oliveira

Manuela Freitas disse...

Agradeço muito os vossos comentários, Adriano foi um homem e cantor que merece sempre ser lembrado, incontornável nos cantores que fizeram das canções uma arma.
Grande abraço.

Pedrasnuas disse...

Concordo com tudo o que foi dito! Uma boa homenagem a um homem que fica para a história da Liberdade!

Beijinhos