«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sábado, 15 de outubro de 2011

OLHOS ENVIDRAÇADOS EM CISMAS…

de manhã preciso de um café forte
que me tire o peso da cabeça
que me empurra até ao chão,
atufada pelas cismas…
escuso-me a falar
nada me digam, não me façam perguntas
deixem-me acordar devagar…

lembro leituras e imagens
a galopada de palavras
melopeias de incertezas…
atenta ao mundo
solta-se em mim a crise
tudo se esgotou, ficaram os jardins
a desconfiança nas pessoas
o que mais me irrita são os jardins
aqueles espaços preservados
onde o lixo é perfumado
e nunca mais muda isto!..

baila em mim e atropela-me
um labirinto teogónico
Caos, Gaia e Tártaro
Érebo, Hemero e Nix…
assim fico na penumbra da persiana fechada
com frinchas impertinentes de luz intensa…

«toda a vida é uma metafísica às escuras,
com o rumor dos deuses e o desconhecimento
da rota como única via» (Bernardo Soares]

já a resvalar para Éter
sou e não sou e ainda assim sou
para encontrar o lugar e a forma
neste lado inteligível de resilência
traindo o meu torpor de desencanto
para esquecer a maldade, a doença e a fome
os corpos de pedra e excremento
vestidos de seda e crime
não ver, não ouvir, não falar
para também não chorar, não gritar
e enfrentar o novo dia…

preciso de aproveitar a paisagem
mordo um «carpe diem»
sinto-me cúmplice
da superioridade dos frágeis
quando tanto me revolta
e tão pouco eu posso fazer!...

ms