«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




domingo, 25 de setembro de 2011

SÉRGIO GODINHO – 40 ANOS DE CARREIRA

Vim ao mundo por acaso em Portugal, não tenho pátria, sou sozinho e sou da cama dos meus pais. 
Poeta e músico, com uma marca muito «sui-generis». A sua marca, para quem o tem acompanhado, não engana!

Das suas cantigas: são arquitectadas, acoplando a forma poética à foram musical, produzindo algo que se tem que sentir, de forma consistente, mas também fluída.
Sérgio diz:  
Eu que estive quase morto no deserto e o Porto aqui tão perto…cá se vai andando com a cabeça entre as orelhas…pode alguém ser quem não é…com um golpe de asa…. com um brilhozinho nos olhos... cada dia que passa é o primeiro dia do resto da nossa vida… que força é essa amigo, que só te serve para obedecer…aprende a nadar companheiro, que a Liberdade está a passar por aqui…o fascismo é uma minhoca que se infiltra na maça…

Último trabalho: MÚTUO CONSENTIMENTO.


Não carregando tanto na tecla interventiva, dos seus primeiros trabalhos, porque também é um homem de afectos, sempre revela a sua visão política. 
Em entrevista diz:
«Há tantas pessoas que andam por aí sem perceber muito bem o que está a acontecer, a tentar pensar de outra maneira ou, simplesmente, a tentar não pensar».


«Acho que se tem que responder com riqueza e diversidade ao momento presente, que está a ser muito empobrecedor. Nós temos a nossa função de comunicação, que deve ser cultural e não pode empobrecer os nossos meios de expressão. Temos que lutar, temos que dar às pessoas, meios de se enriquecerem e de se interrogarem. Devem ter uma atitude actuante. O Acesso Bloqueado fala explicitamente do momento presente, quando canto o «défice descontrolado» ou o «crédito mal aparado» ou o «desgoverno planeado» - e sobretudo quando digo «Adivinhar o presente/, isso é que é mais complicado/, tem o acesso bloqueado».


EM MÚTUO CONSENTIMENTO TAMBÉM:

«Dias úteis/às vezes pretextos fúteis/para encontrar felicidades/no percurso de um só dia//Dias úteis/são tão frágeis as verdades/que se rompem com a aurora/quem as não recomendaria/ […]//mesmo por pretextos fúteis/a alegria é que nos torna/os dias úteis […]

Acompanhei o Sérgio desde o seu apogeu como cantor de intervenção:


E Sérgio é um gaijo do Puerto!