«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 8 de abril de 2011

ATÉGINA OU ATAEGINA - DEUSA LUSITANA DA PRIMAVERA

Deusa do renascimento (Primavera), fertilidade, natureza e cura na mitologia lusitana. Viam-na como a deusa lusitana da Lua. O nome Ataegina é originário do celta Ate + Gena, que significaria "renascimento".

O animal consagrado a Atégina era o bode ou a cabra. Ela tinha um culto de devotio, era invocada para curar alguém, ou até mesmo para lançar uma maldição que poderia ir de pequenas pragas à morte.


Atégina era venerada na Lusitânia e na Bética, existem santuários dedicados a esta deusa em Elvas (Portugal), Mérida e Cáceres na Estremadura espanhola, além de outros locais, especialmente perto do Rio Guadiana. Ela era também uma das principais deusas veneradas em locais como Myrtilis (Mértola), Pax Julia (Beja), cidades portuguesas, e especialmente venerada na cidade de Turobriga, cuja localização é desconhecida. A região era conhecida como a Baeturia celta.


Existem diversas inscrições que relacionam esta deusa com Proserpina: ATAEGINA TURIBRIGENSIS PROSERPINA, esta relação aconteceu durante o período romano. Muitas vezes é representada com um ramo de cipreste.

Herdeira de um caldeirão de povos e culturas, com mitologias bastante diversas entre si, que deixaram um fértil legado imaginário, a mitologia portuguesa engloba um conjunto de narrativas e lendas sobre personagens e seus feitos, fenómenos naturais e objectos extraordinários ou regiões fantásticas, com características sobrenaturais, transmitidas de geração em geração, no decorrer dos séculos, tanto no campo literário como no da tradição oral.



Tem como base a mitologia dos povos autóctones da Lusitânia pré-romana, legado este que não sobreviveu à conversão para o cristianismo, no entanto é possível que alguns elementos tenham sido preservados, nos contos e tradições populares. Há testemunhos esculpidos em pedra, que revelam a existência de várias divindades das quais se destacam Atégina, Bandua e Endovélico.

Atégina. Mármore, 210x93x72 cm, do artista Pedro Roque Hidalgo. Museu do Mármore, Vila Viçosa, Portugal, 2008.

 

CONSULTA AQUI
 
UM ENCONTRO COM A PRIMAVERA, MAS TAMBÉM UMA PROCURA NOSTÁLGICA, TENDO POR FUNDO A MÚSICA DE SATIE
 

7 comentários:

Malu disse...

Um show de aula.
Eu não conhecia e adorei saber.
Os jardins são maravilhosos.
Aqui estamos em OUTONO, esta estação que amo por demais, mas as flores para mim são imensuráveis.
Primavera, esta estação de cheiros e cores e texturas.
Ah! O MUNDO ainda carrega mistérios e experiências de TEMPO que jamais serão reveladas, Manu!
Um grande abraço

manuel marques disse...

Texto *****,passeei na tua Primavera,tranquilizei-me.

Beijo e bom fim de semana.

Em@ disse...

Amei este post, Manu. teve todos os ingredientes que me atraem.
beijo com abraço enlaçado.

Memória de Elefante disse...

Um texto informativo e como sempre o "complemento musical" de grande beleza.Que a Primavera renove a Esperança em cada olhar.

Um beijo

Bombom disse...

Esses jardins são dignos de um Templo a Atégina! Não conhecia essa Deusa Lusitana, mas sei que houve diversas e tinham festivais anuais em que as veneravam. Gostei muito deste tema e de passear pelo "teu" jardim! Bjs. Bombom

ana disse...

Venho do Falcão de Jade,
Li o seu comentário sobre o filme Casablanca que também é um dos "filmes da minha vida". Cheguei e vi luz porque desconhecia esta deusa lusitana. Muito obrigada por esta mais-valia. Quando for a Vila Viçosa irei visitar esta peça.
Um Abraço!

Socorro Melo disse...

Manu,

Gosto de História, e sou fascinada por Mitologia. Adorei conhecer a história da deusa lusitana.

Beijo grande
Socorro Melo