«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Um Método Perigoso (A Dangerous Method) - David Cronenberg

Cronenberg sonda a natureza humana, a claustrofobia de um colete de forças social que serve de pano de fundo à libertação dos desejos e das pulsões das suas personagens. Filme de superfícies plácidas e de inquietações subterrâneas, de extraordinária e meticulosa atenção aos pormenores - e, de facto, é só nos pormenores de um olhar, de uma palavra, de uma pausa, que se compreende tudo o que se joga.
Jung liberta-se do estigma de Freud, contradição entre dois homens que procuram desfazer as grilhetas de uma sociedade rígida sem realmente se libertarem delas, de duas maneiras de ver o mundo que se opõem e, ao fazê-lo, funcionam um pouco como uma antecipação das grandes questões que sacudiram a sociedade europeia durante o século XX (o sexo, a religião, a raça, a ciência, a diferença).