«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

MANUEL DE OLIVEIRA

Na Fundação de Serralves foi exibida a curta-metragem «Painéis de São Vicente de Fora, visão poética». Tem a duração de 15 minutos e é uma reflexão pessoal do realizador sobre uma das obras-primas da pintura portuguesa do século XVI, um políptico da autoria de Nuno Gonçalves. Além de ter filmado os painéis, Oliveira deu-lhes vida, com actores representando algumas das figuras retratadas.













PAINÉIS DE S.VICENTE



Esta curta-metragem já passou pelos festivais de Veneza, São Paulo, Faial Film Fest e DocLisboa.


De referenciar também que estão passar nos cinemas, dois dos primeiros filmes do realizador, essenciais na sua filmografia e que foram restaurados e remasterizados, a curta metragem «Douro, faina fluvial« (1931) e a longa metragem «Aniki-Bobó» (1942), que também vão estar disponíveis em DVD.

ANIKI-BOBÓ (excerto)


Manuel de Oliveira, amanhã dia 11, completará 102 anos em plena actividade, tem em mãos duas longas metragens em fase de financiamento. É o mais velho realizador do mundo.

«Eu não tenho medo à morte, tenho ainda muitos projectos a concretizar»

9 comentários:

Lu disse...

Olá, Manuela!

Muito interessante um cineasta chegar aos 102 em plena atividade. Penso até que trabalhar com prazer é um dos segredos da boa saúde e da longevidade.
Beijo!

Isadora disse...

Oi Manu que intressante o vídeo que você compartilhou. É impressionante vermos como sabemos tão pouco!!!
Um beijo

Zélia Guardiano disse...

Excelente post, querida Manuela!
Grata, amiga, por este serviço tão importante que gentilmente nos presta...
Enorme abraço!

Nilce disse...

Lindos os painéis Manu e muito bem descritos.
Gosto muito de tudo que conta ou mostra a História de um povo.

Bjs no coração!

Nilce

Anónimo disse...

Olá Manuela! Excelente escolha. Manuel de Oliveira é um caso raro de longvidade, amor à vida e inconformismo. Tudo de bom. José Marinho

manuela baptista disse...

grande Manuel!

é do Nom(e)

não tenho a mínima dúvida...

um abraço

manuela

manuel marques disse...

Cineasta de um estilo único.

Beijinho e bom fim de semana.

José Sousa disse...

Olá amiga!
Gostei da sua postagem. É a primeira vez que cá venho, vou seguir o seu blogue. Siga os meus também!

www.congulolundo.blogspot.com
www.queriaserselvagem.blogspot.com
www.minhaalmaempoemas.blogspot.com
www.angolaeseusfilhos.blogspot.com
www.inforvideo.blogspot.com

Um abração

ADiniz disse...

“abre-se o portão da escola sai o pardal da gaiola”

Esta frase tem um teor político, e como mostra bem na película, que o próprio professor não se faz em exemplo de respeito às diferenças que existem entre as criança, uma educação retrograda articulada de forma piramidal impossibilitando o exercício do pensamento, senso critico e criativo.
Muito interessante este vídeo como da mesma forma o de São Vicente, o que me chamou muito a atenção no painel dos pescadores um homem de cócoras a frente de dois outros atrás quase em uma atitude de submissão o me fez pensar por qual razão ele teria pintado aquele pescador se arrastando ao chão seria um jeito de falar sobre a exploração da mão de obra, pois ali tem um conjunto de poderes.
Sempre bom passar por aqui e reparei que vc tbm é historiadora. Faz juz a riqueza dos detalhes.
Bjinhos