«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




terça-feira, 14 de dezembro de 2010

«NATAL É QUANDO UM HOMEM QUISER...» ARY DOS SANTOS

Este Natal vai ser, dizem muitos, um Natal de contenção, pensando na situação em que se vive e que para o ano as coisas vão ficar ainda mais pretas, para corroborar esta ideia, a Sr.ª. Dr. Maria Cavaco Silva, disse que não ia dar prenda ao marido, o Sr. Prof. Cavaco Silva, nosso ilustríssimo Presidente da República. Fiquei a pensar que o valor dessa prenda dá para dar muitas prendas a crianças carentes, porque essas é que merecem no Natal muitas prendas, já que a dita não estará numa situação atrofiante de ter que poupar, como está tanta gente!

Frio…neve…NATAL!
Apreciando a iconografia «imaginária», há aspectos consensuais: noite fria, o estábulo, José e Maria cheios de roupa e o menino nu ou quase, deitado na palha, com os animais a aquecê-lo com o seu bafo e a adoração de pobres e poderosos. Custa-me imaginar um Natal com calor!..

Há imprecisão na data, aliás há imprecisão em tudo!

A comemoração do Natal, já vem do século IV e derivou de uma festa pagã, que os povos celebravam por altura do solstício de Inverno.

As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adoptaram a festa que era celebrada pelos romanos, o "nascimento do deus sol invencível" (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer "cristã". Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em Junho.

A tradição católica diz que o presépio surgiu em 1223, quando São Francisco de Assis quis celebrar o Natal de um modo o mais realista possível e, com a permissão do Papa, montou um presépio de palha, com uma imagem do Menino Jesus, da Virgem Maria e de José, juntamente com um boi e um jumento vivos e vários outros animais.

Sou sensível ao espírito de solidariedade e fraternidade, não num dia específico, mas durante todos os dias do ano. Como dizia o poeta Ary dos Santos: Natal é quando o homem quiser


O Natal, é muito uma festa do «faz-de-conta», como na guerra em que se faz a trégua do Natal e no dia seguinte a «chumbada» continua!
No Natal há muito alvoroço, é excessivo a mais, comida a mais, prendas a mais…não gosto do Natal actual! Em criança gostava muito, do simples Natal que viviamos, mas agora já muitas pessoas me faltam! O encantamento do Natal só é plenamente sentido pelas crianças e claro temos que fazer para que isso aconteça! Não é fácil!..Não tenho netos, mas lembra-me o que eu passava com os meus filhos com as prendas de Natal! Sempre fui contida e eles pela publicidade queriam este mundo e o outro! Eu notava nos seus rostos, que gostavam, mas queriam mais e nessa altura socorria-me dos lugares comuns habituais! Cresceram e o assunto ficou resolvido porque começaram a compreender melhor a vida!



A reunião familiar é muito agradável, mas durante alguns anos, era um problema, quando as pessoas se incendiavam falando de política, não dava para zanga, mas os debates eram um bocado inconvenientes, era preciso ter em atenção as sensibilidades! A não pode ficar à beira de C, nem X à beira Y! Todos iam com espírito de boa vontade e tolerância, mas às duas por três, lá vinha a política, até aprendermos a ser um pouquinho mais democratas! Hoje as sensibilidades estão mais consentâneas, no vale de queixumes, que todos têm para desabafar, mas nesse dia também não é bom para isso!


Quantas pessoas não ouço dizer: o meu desejo era dormir e só acordar no ano que vem! Não é que eu penso exactamente o mesmo!?..


Penso, mas de forma alguma iria decepcionar as pessoas que me são queridas! Vou fazer a árvore de Natal, os enfeites, que não são muitos, vou também fazer o bacalhau/polvo cozido com os legumes e a doçaria habitual… Claro que é muito bom reunir a família e como não pode ser toda, irei desejar pessoalmente um bom Natal aos mais chegados, com quem não estarei. E depois também haverá prendas, mas nada de supérfluo. É bom pensar no desperdício e poder levar o Natal aos mais próximos que fazem das ruas a sua casa ou vivem em casas muito degradadas! A miséria está ao nosso lado!


Espero que este espírito se sobreponha ao consumismo exagerado, mas claro também é preciso comprar alguma coisa e aqui vem o outro lado da questão, o comércio precisa de vender e há postos de trabalho a defender!..


BOAS FESTAS PARA TODOS

17 comentários:

AC disse...

Manuela,
A essência do Natal é única, mas adulterámo-la de tal forma que já poucos lhe vêem o rasto.
Não é meu costume fazer isto, mas permita-me hoje uma excepção: espreite um conto de natal que postei no Interioridades e dê-me a sua opinião sincera.

Beijo :)

Astrid Annabelle disse...

AH! Eu adorei este seu post Manú querida!
Simplesmente por concordar com tudo!
Muito bom mesmo!
Receba um beijo grande amiga!
Astrid Annabelle

Carlos Albuquerque disse...

Cara Manuela,
A Dona Maria deveria dizer ao Sr. Silva: este ano não tens prenda, vais tu dá-la - abdicas de uma das reformas, porque apenas com uma e o teu ordenado de presidente, bem nos amanhamos. Mas,tá bem, tá!
Quanto ao resto do seu post, estou de acordo, só mudaria o "quando" do nosso querido Ary, e diria: Natal é sempre que o homem quer.
No que respeita à culinária, tudo bem, excepto o polvo cozido que não faz parte dos nossos hábitos.
Boas festas, também para si.
--
PS - Num blogue amigo foi aberto um concurso de contos. Também lá está um trabalho meu. Quer dar uma espreitadela e votar, se lhe aprouver? Se sim, pode ir por aqui:
http://licas-ontemehoje.blogspot.com/

Tati Pastorello disse...

Oi Manú, algum lapso aconteceu com meu blog e ele não estava mais atualizando suas postagens, aliás, o Light não estava mais entre os blogs que sigo. Fiquei pasma quando percebi! Que raiva!!! Mas agora o problema já está resolvido. Devo ter perdido outros assim, vou tentando me lembrar e localizar.
Olha, eu AMO Natal, mas sempre tento simplificar, lembrar a origem da data. O Bê ainda acredita em Papai Noel, não sei se gosto, mas não tenho coragem de "estragar a brincadeira". Aqui a família se reúne na casa dos meus pais, que são super acolhedores. É bom! E com muitas crianças, ficou mais gostoso. Você me deixou inspirada para contar uma coisa sobre o Natal da minha família. Farei isto esta semana.
Beijos.

Manuela Freitas disse...

AC,
De facto hoje em dia o Natal é uma sombra dos natais que vivi há uns anos atrás, o espírito era completamente diferente, como aliás em muitas outras coisas.
Não sou de modo nenhum saudosista, mas algumas coisas deixaram saudades!
O seu conto diz muito!
Beijos,
Manuela

manuel marques disse...

Passei depressinha e deixo um beijo.

Lilá(s) disse...

Um post com tanta verdade! que saudades eu tenho dos meus natais de infãncia, onde tão pouco tinha tanto valor.
Bjs

Manuela Freitas disse...

Olá Astrid,
De facto o Natal é complicado! É difícil agradar a todos e todos estarem bem, quanda há uma diversidade de problemas!...
Beijos,
Manú

Manuela Freitas disse...

OLá Carlos,
Essa Maria, ganhava mais se não falásse tanto! Sendo um casal perfeito, estão os dois ao mesmo nível!...
Quanto ao «quer» estou de acordo.
Relativamente ao aspecto culinário, o polvo só foi introduzido em minha casa, porque os meus filhos não gostam de bacalhau!..
Obviamente que vou ler o seu conto, gosto muito da forma como escreve.
Um grande abraço,
Manuela

Manuela Freitas disse...

Olá querida Tati,
Senti a tua falta, mas pensei que não terias tempo para chegar a todos, porque infelizmente também me acontece!
Relativamente aos meus filhos, porque na altura uns optavam por aí, eu não lhes menti, mas fazia-se a «cena» do Pai Natal. Outros diziam que se tirava a expectativa, a magia às crianças. Os pais tomam a sua opção, mas depois no Jardim Infantil, entre eles havia as duas versões: há Pai Natal, não há Pai Natal, por isso mesmo é que optei por lhes dizer a verdade!
Compreendo que gostes do Natal, tens os teus pais, um filho pequeno, outras crianças...por aqui é diferente, eu estou desejosa de ter um neto, mas ainda não aconteceu!
Vou ler o que é que te inspirou!...
Beijinhos,
Manú

Pedrasnuas disse...

OLHA MANUELA O AC TEM RAZÃO...EU NÃO O LI AINDA...MAS O NATAL PARA MIM É TUDO MENOS COMES,BEBES,PRENDAS...MAS TAMBÉM PRENDAS... NATAL SIMBOLIZA A UNIÃO DA FAMÍLIA. O NASCIMENTO DE CRISTO. E ESTE FACTO ESTÁ CADA VEZ MAIS ESQUECIDO!!!
MAS DE TODAS AS QUADRAS FESTIVAS ASSEGURO-TE QUE PARA MIM A MAIS BELA É SEM DÚVIDA O NATAL!!!
MAS O TEU TEXTO TEM MUITA RAZÃO DE SER...COMPREENDO-TE PERFEITAMENTE

BEIJINHOS MEUS

Maria disse...

Ouvi vezes sem conta o video...
Natal é, de facto, quando e sempre que o homem quiser.
Deste Natal que se vive hoje em dia eu não gosto. Só vejo hipocrisia e consumismo. Fazem-se tréguas durante dois dias para no dia a seguir voltar tudo ao mesmo.
Tenho saudades do Natal de quando era miúda...

Beijo, Manuela.

Julia disse...

Oi Manuela
Realmente, "Natal é quando o homem quiser". Não apenas um só dia do ano, mas deveria ter sua essência em muitos dele.
Em relação ao seu comentário, adoro também as músicas de Ana Carolina, em especial, "É isso aí".
Um abraço

Maria de Fátima disse...

Olá querida Manú, no Natal o mais importante é a reunião da família e o adorar o Menino Jesus.Também prefiro o polvo ao bacalhau.Como não sou mãe e não há crianças na minha família mais chegada e na do meu marido só damos prendas às nossas queridas Mães.Este ano vai ser um Natal menos alegre, porque o meu marido está no hospital para ser operado ao braço esquerdo, devido a uma queda de bicicleta.Espero bem que no dia 24/12 ele já possa estar em casa a recuperar da cirurgia.Festas felizes para ti e para os teus.Beijocas.

Glorinha L de Lion disse...

Manu minha querida, acho que este foi o post de Natal mais lúcido e mais condizente com o que penso de tudo quanto já li por aí...Penso igualzinho, sem tirar nem pôr! Natal, atualmente me cansa! Queria dormir e só acordar em 2011 e com muito boas notícias pra todos! É tudo tão falso, tão mentiroso! A começar com a tal estória de Jesus, Maria e José que me desculpem os crentes, mas já é mais que sabido que foi tudo inventado...mas, fazer o que? as pessoas precisam de crenças e quem sou eu para desfazê-las? Comércio cheio, ruas lotadas, por aí, frio, por cá, um calor infernal...ai, queria realmente dormir e acordar depois do carnaval...que é quando o ano realmente começa deste lado de baixo do Equador...beijinhos mil!

Bordados e Retalhos disse...

Manu, vc mora no meu coração independente de sua crença. Amo as pessoas sinceras e creio que Deus as ama muito mais. Se todas as pessoas fossem verdadeiras, inclusive com sua fé, teríamos um mundo muito melhor. Também não conhecia o pintor. Mas a net nos proporciona essas viagens,ne´? Bjs

Inaie disse...

Esse ano me deu preguica, nao montei arvore de Natal, ainda nao comprei os presentes...

mas adoro a festa, adoro as celebracoes, adoro NATAL!