«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




segunda-feira, 14 de março de 2011

BARCELONA

Impossível ver a cidade de Barcelona em três ou quatro dias, só a conhecia de passagem! Barcelona é um museu ao ar livre, uma cidade de uma arquitectura diversificada! Um deleite percorrer as ruas, com os olhos espantados, com tantos sofisticados pormenores. Barcelona é uma cidade plana e oferece ao visitante a possibilidade de percorrer a pé as ruínas romanas, a cidade medieval, o «Bairro Gótico» com as suas ruelas tão características, destacando-se especialmente as obras góticas que proliferam no seu centro histórico, como a Catedral de Barcelona e a Igreja de Santa Maria do Mar [Há poucos anos li o romance histórico «A Catedral do Mar» de Ildefonso Falcones, que narra a construção pelo povo e para o povo de um grande templo] e também percorrer os bairros do modernismo catalão, caminhando devagar pelas suas ruas arborizadas e as suas largas avenidas.



Barcelona «à priori» lembra logo Antonio Gaudi e o Templo da Sagrada Família, seu «ex-libris» e outras obras que deixou na cidade, Parque Güell, a Casa Milà, também chamada de "La Pedrera", a Casa Batlló e até outras obras de menor volume mas com a sua marca peculiar, portões, candeeiros, pequenas casas. O Templo da Sagrada Família, é uma obra megalómana e inacabada. O seu término está previsto para c. de 2020. Outros arquitectos, não tão conhecidos, mas com obras excepcionais são: Lluís Domènech i Montaner e Josep Puig i Cadafalch. A art-noveaux domina de forma espectacular a cidade.


Também possui obras relevantes de arquitectura contemporânea, de Ludwig Mies van der Rohe, Josep Lluís Sert, Arata Isozaki, Norman Foster e Santiago Calatrava. Ricardo Bofill. Richard Meier, Jean Nouvel, Frank Gehry (projecto),Jacques Herzog e Pierre de Meuron.


Foi pouco o tempo que estive em Barcelona para tanto que havia para ver, mas do excelente panorama para o porto e o mediterrâneo, do Monte Montjuic, onde se encontra as instalações dos Jogos Olímpicos de 1992, à descoberta de Gaudi, ao Bairro Gótico, a Barcelona à noite, às ramblas, ao Passeio Garcia…das tantas da manhã às tantas da noite….foi de facto uma maratona!..


Interessante é a história de Barcelona e de uma forma sumária, os primeiros vestígios de povoamento em Barcelona remontam ao final do período Neolítico (2000 a 1500 a.C.). Mais tarde teria existido uma colónia grega (Kallipolis) e depois chegaram os romanos no final do século I a.C., onde estabeleceram uma fortificação militar, chamada de Iulia Augusta Paterna Faventia Barcino.
No século V, Barcelona foi ocupada pelos visigodos. No século VIII a cidade foi conquistada pelo vizir árabe al-Hurr e iniciou-se um período de quase um século de domínio muçulmano que terminou em 801 quando foi ocupada pelos carolíngios, que a converteram em capital do Condado de Barcelona. A potência económica da cidade e a sua localização estratégica fizeram com que os muçulmanos voltassem em 985, comandados por Almansor, ocupando-a durante algum tempo.
A partir do século XIV a cidade iniciou uma era de decadência que se estendeu durante os séculos seguintes. A união dos reinos de Aragão e Castela, oficializada com o casamento entre os reis católicos Fernando de Aragão e Isabel de Castela, gerou um ambiente tenso entre catalães e castelhanos e posteriormente surgiu a Guerra da Sucessão Espanhola (de 1702 a 1714).
Até o fim do século XVIII, Barcelona iniciou uma recuperação económica que lhe favoreceu uma industrialização progressiva. No século XX era um dos centros urbanos mais avançados de Espanha. Foi sede de duas Exposições Universais nos anos de 1888 e de 1929.


A escalada da Guerra Civil Espanhola e a derrota das forças republicanas tornaram o panorama desfavorável novamente, uma vez que Barcelona esteve ao lado da República e no final de 1939, as tropas franquistas ocuparam a cidade. Restaurada a democracia após a morte do ditador Franco, um novo desenvolvimento cultural e urbanístico aconteceu.

5 comentários:

Laura disse...

Olá. Um tio, irmão do meu pai que nunca conheci, perdeu a vida na guerra civil espanhola...

Conheço espanha relativamente, de passar aqui e ali, mas há muitos anos, já lá ia em menina com os pais e os amigos, passavamos lá dias e dias, a última vez que lá fui, viajamos daqui de autocarro, percorremos tudo até França, mais tarde até Paris e voltar, o autocarro era só para o nosso grupo,assim, passeamos para ver, comer..É enorme lá isso é...

Que bom que gostaste e aprendeste, fotografaste..a neide esteve lá há meses e adorou.
um beijinho

laura

Yoyo disse...

Ano passado minha filha esteve em Barcelona e adorou.Eu também fiquei encantada com as fotos que ela tirou de lá.
bjos no core

Beth/Lilás disse...

Manú, querida!
Então voltastes, e fostes a este belo sítio que ainda não conheço, mas todos dizem ser espetacular.
Tenho vontade de ver de perto estas obras significativas e comer as tais tapas deliciosas.
Bom retorno!
bjs cariocas

Elisabete disse...

Adorei vêr Barcelona. Espetacular.

Socorro Melo disse...

Oi, Manu!

Adorei sua descrição, e viajei, por cada pormenor que você citou.
A Europa me fascina, apesar de conhecer só a história,e Barcelona, é encantadora.

Obrigada pela partilha.

Beijos ;o)
Socorro Melo