«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




segunda-feira, 28 de março de 2011

A TERAPIA DA NATUREZA...

Tanto ruído vai por este país, todos falam, todos dão opiniões e pareceres, no entanto a sensação é de «cul-de-sac». Dou-me muito mal com o ruído, refugio-me no silêncio…
A Natureza, dá-me uma certa leveza, mergulho na essência, é uma forma de me distender, de erguer os braços e inspirar e expirar ruidosamente, como uma libertação! Costumo dizer: vou dar um passeio ao parque, vou fazer a minha terapia!..Esta é uma das terapias a outro é inquestionavelmente a música.








Fotos - Manuela Freitas
É evidente que a natureza se preocupa bem pouco com o que o homem tem ou não no espírito. O verdadeiro homem é o homem selvagem, que se relaciona com a natureza tal como ela é. Assim que o homem aguça a sua inteligência, desenvolve as suas ideias e a forma de as exprimir, ou adquire novas necessidades, a natureza opõe-se aos seus desígnios em toda a linha. Só lhe resta violentá-la, continuamente. Ela, pelo seu lado, também não fica quieta. Se ele suspende por momentos o trabalho que se impusera, ela torna-se de novo dominadora, invade-o, devora-o, destrói ou desfigura a sua obra; dir-se-ia que acolhe com impaciência as obras-primas da imaginação e da perícia do homem.

Que importam à ronda das estações, ao curso dos astros, dos rios e dos ventos, o Parténon, São Pedro de Roma e tantas outras maravilhas da arte? Um tremor de terra ou a lava de um vulcão reduzem-nos a nada; os pássaros farão os seus ninhos nas suas ruínas; os animais selvagens irão buscar os ossos dos construtores aos seus túmulos entreabertos. Mas o próprio homem, quando se entrega ao instinto selvagem que está no fundo da sua natureza, não se alia ele aos outros elementos para destruir as suas mais belas obras?

Eugène Delacroix, in 'Diário'

13 comentários:

Malu disse...

Manu, este teu MUNDO NATURAL é belo e a melodia da natureza é edificante e sábia.
Postei o mimo que me presenteou e ficou belo nas minhas páginas.
Abraços.

Valéria Sorohan disse...

Manu,

Eu também, na hora de um alívio procuro sempre pela natureza.
A respeito, cuido dela cultivando meu jardim e separando meu lixo.
Obrigada pela indicação do selinho, amei!

BeijooO*

Memória de Elefante disse...

Na natureza encontro o meu equilíbrio e a resposta para todas as minhas perguntas .

Um beijo

pensandoemfamilia disse...

Bela refle~xão. Na natureza encontramos a força, a essência da vida.
bjs

Lilá(s) disse...

Amiga estou como tu, pelo menos em contacto com a Natureza arejo as ideias...
Bem giro esse parque.
Bjs

manuel marques disse...

Depois de te ler ,inspirei e senti os cheiros do teu parque...

Beijo meu.

Fatima disse...

Então, temos mais uma coisa em comum!
Bjs.

Vieira Calado disse...

Felizes os que podem conviver com ELA,
todos os dias!

Bjs

Em@ disse...

Manú, são tuas as fotografias?
parabéns , estão lindas. a natureza tem o condão de nos ajudar a equilibrarmo-nos...pena as pessoas nem sempre a deixarem equilibrada.
beijo

Beth/Lilás disse...

Nossa, Manú, que coisas mais lindas estas imagens e palavras finais!
Também faço como tu, refugio-me na natureza, distancio-me o quanto posso do burburinho insensato dos humanos e volto de alma lavada, sempre.
beijinhos cariocas

Luís Coelho disse...

Um artigo para viajar por dentro dos segredos da natureza. Sempre bela e convidativa sem politicas nem leis para pobres ou ricos.

O silêncio que nos convida a ser reais nas nossas escolhas e decisões que não nos deixa ser guiados por ventos mornos de ilusões.

chica disse...

Adoro essa terapia.Faz realmente bem!Lindo post!beijos,chica

Bombom disse...

Esse Parque é muito lindo, um óptimo "calmante" para o stress do dia a dia fervilhante. Tal como tu, também era na Música que me refugiava e na Natureza, para lavar a alma. Infelizmente a Música foi-me vedada para sempre, mas resta-me a Natureza e ainda consigo ouvir o canto de alguns passarinhos! Graças a Deus.
Bjs. Bombom