«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 27 de julho de 2011

FEIRA DE ARTESANATO DE VILA DO CONDE…

Passando pela Feira de Artesanato de Vila do Conde, que acontece anualmente e é uma das melhores feiras de artesanato do Norte. As variações não são muitas… mas a ida passou a ser um ritual, para petiscar os produtos regionais de todo o país…o queijo da Serra, o presunto, os vinhos, a ginjinha, e os doces…ai os doces…os conventuais…isso é de perder a cabeça…depois de comer os doces, alguém se lembrou que um caldo verde é muito digestivo…mas depois voltamos à ginjinha…bem a miscelânea foi total!

 Este ano o país convidado é a Tailândia…artes…massagens…danças!
OS VINHOS PORTUGUESES: São o resultado de uma sucessão de tradições introduzidas em Portugal pelas diversas civilizações que se sucederam, como os fenícios, cartagineses, gregos e, acima de tudo os romanos.
A exportação dos vinhos portugueses iniciou-se para Roma durante o Império Romano. As exportações modernas desenvolveram-se com o comércio para o Reino Unido, após a assinatura do Tratado de Methuen, também referido como Tratado dos Panos e Vinhos, assinado entre a Grã-Bretanha e Portugal, em 1703.
Portugal possui duas regiões produtoras de vinho protegidas pela UNESCO como património Mundial: a Região Vinhateira do Alto Douro, onde se produz o conhecido generoso Vinho do Porto e a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico.
A vastíssima quantidade de castas nativas, cerca de 285 permite produzir uma grande diversidade de vinhos com personalidades muito distintas. O guia The Oxford Companion to Wine descreve o país como um verdadeiro "tesouro de castas locais".
 A qualidade e carácter único dos seus vinhos fazem de Portugal uma referência entre os principais países produtores, com um lugar destacado e em crescimento, entre os 10 principais produtores, com 4% do mercado mundial (2003). Considerado um produtor tradicional do Velho Mundo, 8% do continente é dedicado à cultura da vinha. Os vinhos Portugueses incluem vinho do Porto, vinho da Madeira, vinhos tintos, vinhos brancos, vinho verde e vinho moscatel de Setubal. 
Fonte: Internet
E tudo isto bem a propósito de umas esculturas em barro, que mostram uma vindima e a «borracheira final»…
  



Segundo Pessoa na voz de Ricardo Reis «Não só vinho, mas nele o olvido», eu considero que o olvido é muito perigoso…um brinde num ambiente festivo…é salutar…beber para matar a dor…tem muito que se lhe diga!....

 Não só Vinho, mas nele o Olvido



Não só vinho, mas nele o olvido, deito 
Na taça: serei ledo, porque a dita 
É ignara. Quem, lembrando 
Ou prevendo, sorrira? 
Dos brutos, não a vida, senão a alma, 
Consigamos, pensando; recolhidos 
No impalpável destino 
Que não 'spera nem lembra. 
Com mão mortal elevo à mortal boca 
Em frágil taça o passageiro vinho, 
Baços os olhos feitos 
Para deixar de ver. 

Ricardo Reis, in "Odes" 
Heterónimo de Fernando Pessoa


"O vinho e a música sempre foram para mim um magnífico saca-rolhas."  Tchekhov

"O bom vinho é um camarada bondoso e de confiança, quando tomado com sabedoria." Shakespeare 

"Para conhecer a colheita e a qualidade de um vinho não é necessário beber toda a pipa." Oscar Wilde

Fonte: Citador

15 comentários:

Maria disse...

Os bonecos de barro são uma delícia!!!
E a melhor ginja daqui da região é a MSR, de Alcobaça...
:)))

Beijo e bons petiscos.

Luís Coelho disse...

O vinho e o cultivo da vinha fez parte da nossa cultura popular que se foi perdendo com a entrada na CEE.

Hoje apenas resistem as grandes herdades e ou as cooperativas vinícolas.

O vinho com moderação é uma bebida espirituosa e ajuda o nosso metabolismo. Porem em demasia e sem regra é muito perigoso.

Lídia Borges disse...

Que maravilha!. Já há alguns anos que não a visito, mas ainda tenho presente os sabores e os odores de visitas passadas.

Belas imagens.

Um beijo

Maria Teresa disse...

Manuela:
A cultura portuguesa me enche os olhos (e a boca também!); que saudade dessa terra abençoada!
Beijos

www.amsk.org.br disse...

Pena que não podemos ir a essas feiras maravilhosas... quanto ao vinho, mais pena ainda.

bjs e aproveite por nós 5 - esse é um pedido.

acácia rubra disse...

Durante anos, fui passar férias a Vila do Conde e era um prazer visitar a Feira. Agora, ao ler esta postagem tive a vontade de dizer à minha gente " Amanhã, Vila do Conde!"

Já tenho saudades. Obrigada por este pedaço que, apesar das ditas saudades, me fez bem!

Beijo

♕Miss Cíntia Arruda Leite ღ disse...

Olá querida Manu!!
Amei o post, especialmente porque sou fã de um bom vinho! Inclusive estou lendo uma coleção sobre vinhos para depois fazer o curso de sommelier... não vejo a hora!
E essas esculturas, que delicado e original... só fiquei na curiosidade, o que é ginginha?

beijos

Manuela Freitas disse...

Querida Cintia,
Vou então explicar-te o que é uma ginjinha.

Ginjinha, ou simplesmente ginja, é um licor obtido a partir da fermentação da fruta da ginja (nome científico Prunus cerasus), similar à cereja, muito popular em Portugal, especialmente em Lisboa, em Óbidos, em Alcobaça e no Algarve.
É costume servi-la com uma fruta curtida no fundo do copo, popularmente dito "com elas", ou, quando pura, "sem elas".
Na cidade de Alcobaça, produz-se desde 1930 o licor de Ginja M.S.R., segundo um processo artesanal, usando ginjas frescas, colhidas na região, que outrora se encontrava intimamente ligada à Ordem de Cister.
A receita actual do licor inspira-se em receitas antigas dos monges de Cister, usando apenas produtos naturais, sem quaisquer conservantes artificais.
Possui uma cor rubi, com um sabor intenso a ginja, podendo ser consumido a qualquer momento ou no fim de uma refeição, como digestivo.
A ginjinha pode ser servida num copo de chocolate, bebe-se o licor e depois come-se o copo!

Beijinhos querida amiga,
Manú

Bia Jubiart disse...

biene... Apesar de estar numa parte bem quente do Brasil, não abrimos a mão do vinho do Porto, mesmo porque ele para mim tem um valor muito simbólico, o maridão me seduziu com vinho do Porto e rosas vermelhas, aqui nos trópicos já viste o fogo rsrsrsrs.

Manú, golpe baixo o deste seu patrício rsrsrsrssr

Um bom fim de noite p/ vc!

Adoraria visitar esta feira...

Beijooooooooooooo

mfc disse...

É uma feira magnífica muito bem organizada pelo meu amigo desde a adolescência... o Zé Moreira!

Laura disse...

Lindo, temos belas peças de artesanato, adoro,se tivesse espaço comprava meia bonecada como essas que mostras, mas, de preferência para por numa cozinha regional.

Um beijito.

laura

Laura disse...

ah, o senhor vinho não engraça com todos ou antes; desgraça a todos os que lhe caem nas malhas, digo; nos copos...má figura faz o homem quando deixa o seu estado natural e se transforma numa ave de mau agouro.

beijinhos.

laura

pioio disse...

Também para nós é um ritual visitar a feira de artesanato de Vila do Conde. Esta entre outras faz parte do nosso roteiro de verão. A Feira Medieval de Sta Maria da Feira é outro exemplo delicioso!!!

Sabe bem aproveitar os gostinhos deste cantinho que é Portugal.

Arte e petiscos, o que pode existir de melhor?!

ValeriaC disse...

Que maravilha...também adoro estas feiras, ver a cultura popular e especialmente as comidas típicas...
Beijinhos...
Valéria

Brown Eyes disse...

Corria as feiras de artesanato todas, da zona e não só. O artesanato é uma paixão e a minha casa está decorada com ele. Beijinhos