«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




terça-feira, 29 de junho de 2010

110ª. ANIVERSÁRIO DE SAINT-EXUPERY




Antoine de Saint-Exupéry

(1900-1944)

Aviador e escritor. Participou na 2ª Guerra Mundial, unindo-se à aviação aliada e foi derrubado por um piloto alemão, o seu corpo nunca foi encontrado. As experiências que viveu nas suas missões, inspiraram vários livros, escritos de
uma maneira muito profunda.

O seu livro mais conhecido, é O PRINCIPEZINHO.

É um convite à reflexão e uma motivação para que as pessoas se humanizem, se cativem e se percebam. Este livro tem desenhos do próprio escritor. Esta obra foi escrita, quando Exupéry se restabelecia de um acidente aéreo e foi publicada em 1943. É uma obra intemporal.
A história começa, quando um piloto, com avarias no seu avião, tem que aterrar no deserto do Sara. Está preocupado com a situação e com a maior das surpresas aparece-lhe um pequeno príncipe, que lhe pede para desenhar uma ovelha. O piloto obedeceu e assim é iniciado um diálogo fascinante, sobre afectos, tristeza e solidão. O livro transmite-nos uma filosofia poética e muitas reflexões sobre os valores da vida. Um livro que parece para crianças, mas que faz muito bem aos adultos.





EXCERTO:

E foi então que apareceu a raposa:

__Bom dia, disse a raposa.
__Bom dia, respondeu polidamente o principezinho, que se voltou, mas não viu nada.
Eu estou aqui, disse a voz, debaixo da macieira...
__Quem és tu? Perguntou o principezinho. Tu és bem bonita...
__Sou uma raposa, disse a raposa.
__Vem brincar comigo, propôs o principezinho. Estou tão triste...
__Eu não posso brincar contigo, disse a raposa. Não me cativaram ainda.
__Ah! desculpa, disse o principezinho. Após uma reflexão,acrescentou:__Que quer dizer "cativar"?
__Tu não és daqui, disse a raposa. Que procuras?
__Procuro os homens, disse o principezinho. Que quer dizer
"cativar"?

__Os homens, disse a raposa, têm fuzis e caçam. É bem incómodo!
Criam galinhas também.É a única coisa interessante que eles fazem. Tu procuras galinhas?

__Não, disse o principezinho. Eu procuro amigos. Que quer dizer
"cativar"?

__É uma coisa muito esquecida, disse a raposa. Significa "criar
laços..."

__Criar laços?
__Exactamente, disse a raposa. Tu não és ainda para mim senão um
garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens necessidade de mim. Não passo a teus olhos de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...

__Começo a compreender, disse o principezinho...Existe uma flor...eu creio que ela me cativou...
__É possível, disse a raposa. Vê-se tanta coisa na Terra...
__Oh! não foi na Terra, disse o principezinho.
A raposa pareceu intrigada:
__Num outro planeta?
__Sim.
__Há caçadores nesse planeta?
__Não.
__Que bom.
E galinhas?
__Também não.
__Nada é perfeito, suspirou a raposa.
Mas a raposa voltou à sua ideia:
__Minha vida é monótona. Eu caço galinhas e os homens me caçam.
Todas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso me aborreço um pouco. Mas se tu me cativas, minha vida será como que cheia de sol.
Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o
barulho do vento no trigo...

A raposa calou-se e considerou por muito tempo o príncipe:
__Por favor...cativa-me! disse ela.
__Bem quisera, disse o principezinho, mas eu não tenho muito tempo.
Tenho amigos a descobrir e muitas coisas a conhecer.

__A gente só conhece bem as coisas que cativou, disse a raposa. Os
homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me!

__Que é preciso fazer? perguntou o principezinho.
__É preciso ser paciente, respondeu a raposa. Tu te sentarás
primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei para o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas, cada dia, te sentarás mais perto...

No dia seguinte o principezinho voltou.
__Teria sido melhor voltares à mesma hora, disse a raposa. Se tu
vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde às três eu começarei a ser feliz.
Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. Às quatro horas então, estarei inquieta e agitada:
descobrirei o preço da felicidade!

ANTOINE DE SAINT-EXUPÉRY )

12 comentários:

Mari disse...

Que linda e bela homenagem! O Pequeno Príncipe -como conhecemos no Brasil- é uma obra que pra sempre vai cativar a todas gerações.
Eu amo esse livro!!!

Misturação - Ana Karla disse...

Grande nome pra vida inteira: Exupery.

Xeros Manu!

Maria disse...

E um livro lindo!!!

Um beijo, Manuela.

pensandoemfamilia disse...

Este é o livro para todas as idades. Bela homenagem.

manuel marques disse...

Lindíssima homenagem ao Saint-Exupery.
O Principezinho é fantástico" Um livro que parece para crianças" como dizes, mas que todos os adultos deveriam ler.

Beijinho.

Isadora disse...

Este livro é maravilhoso e todos sem exceção deveriam lê-lo.
Um beijo

Bordados e Retalhos disse...

Quem não se enconatou com O Pequeno Príncipe? Vc reparou que a gente vai interpretando o livro de acordo com as feses da vida da gente? Era um gênio esse Exupery. Bjs amiga

Maria Ribeiro disse...

MANUELA FREITAS:não podia esquecer esta data; muito menos os valores que, por interm´dio das personagens principais , eternamente estarão à disposição dos homens de bem, para o entendimento entre os seres.
Beijos de
Lusibero

Sandra Botelho disse...

Um sucesso sem igual...Maravilhosos ensinamentos.
Bjos minha linda portuguesinha.
Fica bem viu?
Te doluuuuu!!!

orvalho do ceu disse...

Oi,
Como deixar de comentar post tão interessante!
Alguém se lembrou de postar sobre nosso amado príncipe...
Iniciativa bela demais!
Abraços fraternais

Beth/Lilás disse...

Li O Pequeno Príncipe nos meus 19 anos e depois disso já reli por muitas vezes, inclusive há poucas semanas quando quis induzir meu filho a ler o livro também, mas foi mais uma tentativa inglória, pois o rapaz não se interessa por este tipo de leituras, aliás poucos jovens hoje em dia.
Uma pena! Tão lindo e cheio de simbologia!
Parabéns pela lembrança!
beijos cariocas

Luma Rosa disse...

Ainda vou ler! Fui na Fnac e comprei o traduzido e o original em francês que vou dar de presente para uma pessoa muito especial (rs*), um pequeno principesco!! Beijus,