«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




segunda-feira, 21 de junho de 2010

AS INQUIETAÇÕES, QUE AS INQUIETAÇÕES DO MEU FILHO, ME DÃO!...


Desde sempre foi inquieto, sonhador, teimoso e determinado.
Em miúdo, era um estudante mediano, interessava-se por tudo, mas pela matéria escolar nem por isso. Um amigo nosso, psicólogo, fez-lhe um teste vocacional e o leque de opções era grande. Com 15 anos chumbou e eu como castigo, disse ao pai, para lhe arranjar um emprego. Foi trabalhar nas férias e eu ganhei enxaquecas atrás de enxaquecas, porque o trabalho dele era andar nos bancos a levantar e a depositar grandes somas de dinheiro. As férias acabaram e voltou às aulas, mas o castigo, que ele encarou na maior, caiu sobre mim, pela preocupação que me motivou. Com isso habituou-se a ganhar dinheiro…O menino, deixava-nos ir para a cama dormir e ia para a discoteca do primo, recolher copos, só soube através da minha irmã, tirei-lhe a chave e foi uma cena!..
Às tantas novas ideias lhe ocorreram à cabeça, fazer um curso de marketing e publicidade, correu-lhe bem, teve excelentes notas. Como as aulas eram nocturnas, nesse tempo esteve como gerente de uma esplanada na Foz, onde «pintava a manta»! Depois foi trabalhar para uma empresa de designer de escritório, só que cedo se cansou de rotina. Nova ideia, aliciado por um amigo, montar uma empresa, já anteriormente quis montar outra de franchising de bicicletas, agora era de peixinhos e aquários!..Todos lhe dissemos que não ia dar nada, mas ele andou quase um ano a preparar algo que nunca aconteceu, até a uma feira na Alemanha foi. Pelo meio fez não sei quantos cursos pagos com fundos europeus o que o tornou um «expert» em computadores e simultâneamente com outros jovens fundaram uma associação de voluntariado, esteve um tempo a organizar a biblioteca numa escola, brincava com os miúdos no recreio e também ia levar refeições a casa de pessoas idosas, que não podiam sair de casa.
A empresa não deu nada e a ideia então foi ir para a Faculdade, mas a escolha foi bastante complicada, escolheu Antropologia em Miranda do Douro e, para lá se mudou de armas e bagagens. Quando íamos lá, o caminho melhor era sair de Portugal, entrar em Espanha e depois entrar novamente em Portugal, por outro sítio! Tinha acabado com uma namorada de anos, namoro sempre muito conflituoso! Em pouco tempo, em Miranda do Douro, arranjou outra companheira e alugaram uma casa. A despesa lá era difícil, arranjar emprego, num meio tão limitado não dava, então como tinha um amigo fabricante de roupas para jovens, andou a convencermos para o ajudar a montar uma loja. Acabou por acontecer, mas ao fim de um ano encerrou portas.
Era um entusiasta pela antropologia, com as aulas práticas que tinha nas aldeias, mas as saídas profissionais do curso eram muito limitadas. Voltou à empresa de designer, comprou um apartamento, que só deu chatices! A escritura ficou bloqueada, porque o terreno tinha sido vendido a duas empresas e o pagamento no banco todos os meses a cair! Ficou cheio do apartamento e lá conseguiu alugá-lo a um amigo, que mais tarde, resolvido o problema, comprou o andar.
Obviamente que depressa se cansou da rotina da empresa, mudou de emprego não sei quantas vezes, mesmo com dificuldades de se arranjar um emprego, ele sempre conseguia. Saiu de casa e foi viver com estudantes, a maior parte de Belas-Artes.
A história começa a ficar longa…Há três anos teve uma paixão assolapada e deixou tudo para ir viver com uma moça em Leiria, de imediato arranjou lá emprego, aliás até agora foram não sei quantos, mas por acaso sempre subindo em renumeração. Ele não pára, nós dizemos tens que acalmar, mas não adianta, a resposta dele é: «hoje é diferente, não se está num emprego toda a vida»!..
Recentemente telefonou-me a dizer que tinha ido a umas entrevistas a Lisboa e que ia trabalhar para outra empresa !..
Eu admiro o meu filho, pela sua forma despachada, obviamente que nestas andanças, certas coisas correram menos bem, mas isso também é uma aprendizagem de vida!..

8 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Manu,filhos nos dão trabalho...e como! Quanto mais crescem mais preocupações nos dão!o teu está à procura do sonho e pra isso é preciso ser muito corajoso! Que consiga o que almeja e deixe a mamãe um pouco mais descansada! beijos querida, hj estou num buraco sem fundo....

Ana Paula Sena disse...

Os filhos, Manuela, são sempre uma grande fonte de preocupação, de uma ou de outra forma. O seu é irrequieto, mas entusiasmado, o que também é uma qualidade.

Não adiante muito remarmos contra a maré, neste caso, eles precisam de viver de acordo com a sua própria busca. Pelo menos, assim tento mentalizar-me. A nossa parte é estarmos "lá" para o que der e vier...

Um abraço :)

Isadora disse...

Manuela, as inquietações deles serão sempre nossas, as alegrias deles também sempre serão nossas, não tem jeito mesmo nós preocuparemos com o bem estar deles para sempre.
Parabéns pelo seu rapza e que ele seja muito feliz.
Um beijo

Regina Coeli disse...

Olá minha Querida Manuela,
Estava sentindo sua falta e por várias vezes tentei acessar seu BLOG sem conseguir,
mas pelo que pude ler parece que depois dessas férias você está voltando ao convívio e iso é muito bom!!! Fico feliz!
Para nós MÃES nossos filhos nunca crecem, sempre achamos que eles precisam de nossa presença em suas vidas...
Mas eles crescem e alçam seus vôos, é a vida!!!
Preocupamos mas eles precisam tomar seus rumos, as vezes longe de nós!!!!
Abração carinhoso,
Regina Coeli

Sandra Botelho disse...

Admiro teu filho tbem...
Pois não tem medo de arriscar.
E é esse medo que nos priva de correr atrás de nossos sonhos.
Parabens pleo filhote guerreiro.
Bjos achocolatados

manuel marques disse...

Os filhos são para as mães as âncoras da sua vida .

Beijo.

Albano Soares Ferreira disse...

Por vezes, é com o coração nas mãos, que se vê o trajeto de um filho, mas há que os deixar criar e robustecer as asas...
Um abraço.

Beth/Lilás disse...

Manuela querida,
Este teu post parece ser escrito por mim e para o meu filho, pois agora o danadinho está largando a faculdade de Engenharia depois de 3 anos e quer experimentar outra coisa. Sua grande paixão é música e como não demos muita força há anos atrás, agora decidiu por conta própria, mas como o teu, já deitou pra lá de muitos reais nesta brincadeira toda.
Mas, fazer o quê com estes espíritos inquietos? No máximo, agora, só dar força para que se realizem.
um grande beijo carioca