«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




domingo, 27 de junho de 2010

DESCANSA A SACOLA - VIAJAR NA HISTÓRIA COM CANTIGAS E POESIAS DE VERA COSTA

Teatro Sá de Miranda, uma bonita sala de espectáculos, que felizmente teve uma boa reabilitação.

Fui a Viana do Castelo por convite irrecusável, de uma amiga. Tratava-se de mais um espectáculo, concebido por Vera Costa, o tema era: VIAJAR NA HISTÓRIA COM CANTIGAS E POESIAS (Manuel Alegre, José Jorge Letria, Luís de Camões, Eugénio de Andrade, Pedro Homem de Melo, José Afonso, D. Dinis, Ferrando Pessoa, Miguel Torga, Fausto, António Gedeão, Vitorino, Canções Populares, Carlos Paredes, Sophia Mello Breiner, Manuel Freire, Adriano Correia de Oliveira, José Carlos de Vasconcelos…)
O espectáculo em si incentivava ao conhecimento das crianças e não aquela postura inócua de, «que gracinha, é tão giro, tão pequenino…» Isso aborrece-me!..
UM CALOROSO ABRAÇO PARA VERA COSTA, PELO EMPENHO, PELO MUITO TRABALHO, PELA ENERGIA DEDICADA ÀS CRIANÇAS E À CONCEPÇÃO DE TÃO INTERESSANTE ESPECTÁCULO.


PORTUGAL, PORQUE SIM

Podia chamar-te pai, asa de fogo, planta agreste,
alpendre aberto ao feitiço das estrelas.
Podia aninhar-me no casulo do teu abraço
e adormecer com o mistério que alimenta as tuas lendas.
Podia recordar os nomes dos rios e das serras
e das linhas secundárias que cruzam vales e montanhas.
Podia perguntar pelos teus filhos
esquecidos há muito nas errâncias deste mundo.
Podia querer interpretar a tua melancolia
como um sinal de saudade da grandeza perdida.
Podia reabrir, em página incerta, os teus livros raros,
os dos poetas que engrandeceram a título póstumo,
como os heróis, em pátria de carpideiras
e de oficiantes da mais daninha e entranhada inveja.
Podia entrar nas tuas casinhas baixas,
as de granito e as pintadas com a mansa alvura da cal.
Podia afagar-te as barbas brancas
que se tornaram salgadas no fragor das batalhas.
Podia desenterrar os teus mortos
só para saber que sonhos traídos os levaram à cova.
Podia desmascarar os vendilhões que falam em teu nome
como se falassem de negócios reles numa banca de feira,
Podia perguntar-te porque atravessas cabisbaixo
os largos das aldeias desertas e queres saber
o paradeiro dos teus filhos silenciosos e distantes,
daqueles que tomaram outros rumos
com a dor da tua ausência a ferir-lhes o peito.
Podia deitar-me ao teu colo
como se me deitasse na cama de urze
à beira dos promontórios que vigiam as fúrias do mar.
Podia chorar no teu ombro cansado todas as desditas
que foste obrigado a consentir e a calar.
Podia contar aos meus netos os feitos
do Gama, de Magalhães e de Cabral
e desenhar um mapa de glórias navegantes
só para eles saberem que um dia
usaste a efémera coroa de algas dos reinos do mar.
Podia pedir-te e dar-te contas
de tudo aquilo que sonhámos e não alcançámos.
Podia fazer tudo isso e muito mais,
mas prefiro vislumbrar na tristeza dos teus olhos
a ternura com que segues o rasto das aves e das estrelas
e depois abraçar-te e dizer-te: meu querido Portugal,
serás, até ao fim, a luz que não se apaga nem se rende
quando sonhamos com tudo aquilo que ainda te falta ser.
José Jorge Letria

4 comentários:

Fabrício Santiago disse...

Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através Zambeziana. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



Narroterapia:

Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


Abraços

http://narroterapia.blogspot.com/

manuel marques disse...

Programa lindíssimo ,teatro Sá de Miranda lindo,poema de José Jorge Letria fabuloso, em suma: Post *****

Beijo.

Pelos caminhos da vida. disse...

Fica aqui o convite meu e da Marcia para conhecer o mais novo blog, esse será direcionado para nós mulheres, o link é esse aqui;

http;//meninaspoderosasdoblog.blogspot.com/

Será um prazer te ver por lá.

Obrigada.

beijooo.

Glorinha L de Lion disse...

Que beleza, me deu até arrepios! Que poema sentido e como descreve bem o amor à sua terra e ao mesmo tempo crivado de tristezas e esperanças...amei esse poema, Manu, lindo presente numa segunda feira pela manhã. Beijos.