«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




domingo, 20 de fevereiro de 2011

A IMPORTÂNCIA DOS PROFS XXXXXXXXX… .... QUANDO OS PAIS (QUASE) SE DEMITEM…

A Fundação Cupertino de Miranda, juntamente com a Câmara Municipal e a Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, são os principais mentores de um projecto inovador. O Projecto é «No Poupar é que está o Ganho» e foi apresentado aos professores. É um projecto de educação financeira para crianças dos 6 aos 14 anos, no sentido que as mesmas aprendam a gerir os seus recursos.

O projecto tem como ponto de partida uma visita ao Museu do Papel Moeda, existente na Fundação, onde terão algumas noções que envolvem o dinheiro e depois realizarão actividades com os professores para chegar ao produto final, que será um trabalho que integrará uma exposição.

Uma boa iniciativa…no entanto também o que se constata é que os pais…estão numa demissão gradual do seu papel de educadores…pelos problemas que vão surgindo socialmente! Neste caso específico a orientação deve começar em casa seguindo o corrente exemplo da mesada ou semanada, o X que se considera estar no termo ideal, para que o dinheiro nem seja demais, nem de menos e que deve atender às despesas necessárias. Quando tudo se gasta num instante é muito aconselhável ficar a «penar» até ao próximo recebimento, esse castigo é que útil.


E o «porquinho» mealheiro ainda existe?

Não esqueço, que se passa por cima de muita coisa, para comprar afectos e sanar culpas, como se isso fosse possível!?...

2 comentários:

Bombom disse...

Achei este Projecto interessante e todas as considerações que fazes são muito pertinentes. É muito importante que as crianças saibam lidar com o dinheiro. Já não concor do com as ditas mesadas que estão tão em voga. Antes de mais, o dinheiro não cai do céu. Cá em casa, só quando os filhos foram para o Liceu é que iniciámos o "sistema financeiro". Não havia mesada para ninguém: nós temos de trabalhar para podermos receber o dinheiro. O trabalho deles era o Estudo, que se reflete nas notas (dos pontos e nas finais). Fizémos com eles uma tabela com o "preço" de cada nota. Um 5 valia 20 escudos; um 4 valia 15 escudos; um 3 valia 10 escudos. Por cada negativa (1 ou 2) tinham de nos pagar 10 escudos.
Era como um contrato colectivo de trabalho que se renovava no começo de cada ano (à medida que iam crescendo em responsabilidade).
Este foi um método que sempre resultou. Eles nunca tiveram de nos pagar! Isso foi sempre o melhor de tudo. E aprenderam que na vida "Ninguém dá nada"! As coisas só valem se nos esforçarmos por elas.
Bom Domingo. Bjs.Bombom

manuel marques disse...

Excelente iniciativa.

Beijos meus.