«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 29 de junho de 2011

O SUCESSO DE GONÇALO M. TAVARES, QUE TEM ESTADO NA MINHA MESA DE CABECEIRA...


Gonçalo M. Tavares, ganhou o Grande prémio de Romance e Novela da APE, pela obra «Uma Viagem à Índia«, este livro já tinha obtido o prémio de Melhor Narrativa Ficcional 2010, da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) e Prémio Especial de Imprensa, Melhor Livro 2010 LER/Booktailors. 
«Uma Viagem à Índia, afasta-se da estrutura dos livros anteriores, «na forma, é uma espécie de epopeia ou antiepopeia, tem um herói, mas também um anti-herói. Trata-se de uma narrativa de alguém que parte, que foge de Lisboa, à procura de um mestre indiano e também é enganado. É um diálogo entre o Ocidente e o Oriente.

Gonçalo M. Tavares, nasceu em Luanda, Angola em 1970, em 2001 publicou a sua primeira obra e tem tido uma carreira de muito sucesso. Já recebeu o Prémio José Saramago 2005 e o Prémio LER/Millennium BCP 2004, ambos pelo seu romance «Jerusalém». Pelo seu livro «Água, cão, cavalo, cabeça», recebeu o Grande Prémio de Conto da Associação Portuguesa de Escritores Camilo Castelo Branco 2007.
Outros prémios podem ser referenciados:
-Prémio Branquinha da Fonseca da Fundação Calouste Gulbenkian e do Jornal Expresso
-Prémio Portugal Telecom (2007)
-Prémio Internazionale Trieste (2008) – Itália
-Prémio Belgrado de Poesia (2009) – Sérvia
-Prix du Meilleur Livre Étranger (2010) – França

Os seus livros deram origem a peças de teatro, objectos artísticos, vídeos de arte, ópera, etc. Estão em curso cerca de 160 traduções distribuídas por trinta e dois países.
O romance "Jerusalém" foi incluído na edição europeia de "1001 livros para ler antes de morrer – um guia cronológico dos mais importantes romances de todos os tempos".


José Saramago, no discurso de atribuição do Prémio ao romance "Jerusalém", disse:«'Jerusalém' é um grande livro, que pertence à grande literatura ocidental. Gonçalo M. Tavares não tem o direito de escrever tão bem apenas aos 35 anos: dá vontade de lhe bater!».



7 comentários:

Glorinha L de Lion disse...

Eu li Manu! Fiz até dois posts sobre ele de tal maneira me impressionou! Achei estupendo! Realmente um jovem genial!Beijinhos,

www.amsk.org.br disse...

É Manuela, somos todas suspeitas, adoravamos José Saramago. Vou a livraria Cultura essa semana e compro um pras 5. Agora você pôs fogo na mulherada. Realmente parece bom.

bjs - 5 e valeu a dica.

Cozinha dos Vurdóns

manuel marques disse...

Já está na lista,grato pela dica .

Beijinho meu.

Maria disse...

Ainda não li. Mas estou cheia de curiosidade...

Beijo, Manuela.

✿ chica disse...

Dica maravilhosa.Sempre oportuna é uma boa leitura!beijos,chica

Ana disse...

Não ando em marés de leituras... este ano tem sido uma desgraça daquelas... (atiro os livros pela janela e deixo ficar a balança:))
Mas fica a sugestão
Bj

P.S.: Esta foto (a nova foto do perfil) está bué da gira!!

Memória de Elefante disse...

Manú!
Que sintonia, ainda há alguns dias li uma matéria publicada na revista Época em 18 de junho passado ( Danilo Venticinque e Luís Antônio Giron) que falava justamente sobre os escritores contemporâneos portugueses e o nome de Tavares em destaque.
Ainda não li Jerusalém ,mas já anotei!

Ótimo texto como sempre!

Um beijo