«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




terça-feira, 21 de junho de 2011

SOBRE OS PORTUGUESES...

Steve Lewis criou a empresa CEO da Living PlanIT, que é a promotora de um projecto para Paredes, que ocupará uma área de 17 kilómetros quadrados, criará entre vinte e trinta mil empregos, atrairá 12 mil empresas de todo o mundo e envolverá um investimento total de dez mil milhões de euros.

Lewis não está preocupado com a situação que atravessa Portugal. A crise económica não o deprime, acredita que os tempos difíceis podem ser prósperos em «oportunidades de negócio».
Nasceu em Londres, «muito pobre», começou a trabalhar com 17 anos. Dividia-se entre a escola e dois empregos «vendendo jornais e fazendo alguns trabalhos de limpeza». De emprego em emprego chegou à sua grande paixão a informática, até chegar à Microsoft.
Está a viver em Portugal há três anos, primeiro em Amarante e agora em Santo Tirso, é uma pessoa desprendida e diz: «Preocupa-me o que é realmente importante na vida, as pessoas».
Lewis considera os portugueses simpáticos, acolhedores e abertos a tudo. Como característica destaca a «humildade excessiva». Portugal não gosta de si próprio, não acredita nas suas capacidades, deixou de ser inovador, tornando-se governodependente.
Um povo que teve um passado glorioso e aventureiro, vive mergulhado num estado de incredulidade, de desconfiança aguçada perante uma ideia que pode ser exequível em qualquer país, menos em Portugal. A falta de auto-estima estende-se às camadas mais jovens.


Em Paredes, cidade na periferia do Porto, vai arrancar o Ubiquitous City, ou U-City, ou cidade ubíqua, é um conceito utilizado para definir cidades onde toda a tecnologia de informação está aplicada e todos os sistemas estão interligados. As chamadas smarcities como PlanIT Valley, em Paredes, Dongtan, na China, Songdo, na Coreia do Sul e Mascar em Abu Dhabi, serão cidades ubíquas.

Richard Zimler é um dos escritores que muito aprecio! Acabou de publicar «Ilha Teresa», uma história de uma rapariga de 15 anos, que vai viver com a família para Nova Iorque e sente-se uma «ilha», num mundo desconhecido.
Zimler fez o percurso ao contrário, veio de Nova Iorque e vive no Porto (já tem nacionalidade portuguesa) há vinte anos. Confessa que sofreu muitos choques culturais, em parte porque não reconhecia as regras «não-ditas» da sociedade.

Para ele o grande problema dos portugueses é a «passividade». «Os portugueses não têm dinamismo, ficam parados à espera que os problemas desapareçam». «Não pensem que é o dinheiro do FMI que vai resolver os problemas, há coisas que o dinheiro não resolve, a solução está no exercício da cidadania».

8 comentários:

ValeriaC disse...

Olá Manuela, fico muito feliz que tenha vindo me visitar e com sua companhia em meu recanto...adorei seu Blog...
Muito interessante saber sobre Steve Lewis, por ser tão empreendedor, por estar a desenvolver este projeto fantástico em Portugal.
E muito bom conhecer este autor,Zimler, também de uma riqueza impar. Com certeza seu livro deve ser muito bom.
Minha querida tenha uma feliz tarde...beijos...
Valéria

anamar disse...

Plenamente de acordo...

Vou tentar arranjar o livro...

Beijo

Laura disse...

Tanto um como o outro têm razão, Portugal está de rastos de tanto pessimismo e não lutam, pois, desde que tenham boates cinemas, bares, tá tudo bem, além de pessoal para curtir, tudo na maior, quero ver quando o eurito acabar para muitos, a dança será outra.

Beijitos.

laura

Fatima disse...

Bjs Manu!

Luís Coelho disse...

É a primeira vez que ouço falar deste Senhor e é mais um exemplo de vida e de força para lutar e empreender.
Os portugueses estão desesperados com a política governativa destes últimos anos. Desemprego e fome.

Luís Coelho disse...

É a primeira vez que ouço falar deste Senhor e é mais um exemplo de vida e de força para lutar e empreender.
Os portugueses estão desesperados com a política governativa destes últimos anos. Desemprego e fome.

www.amsk.org.br disse...

Amar pessoas e não países, fazer das diferenças um diferencial é muito importante sempre. Vou procurar o livro e vamos acompanhar de perto essa iniciativa. ficamos felizes, amamos muito Portugal e toda essa gente.

beijos - Cozinha dos Vurdóns

Ana Martins disse...

Boa noite Manuela,
Desconhecia completamente este projecto, Portugal precisa de pessoas assim!

O meu afastamento do blog, levou-me a atrasar as visitas nos blogs dos amigos mas isso não significa que os tenha esquecido, como é o seu caso.

Beijinho,
Ana Martins