«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

HAIKAI (HAIKU) DE EUGÉNIO DE ANDRADE

Eugénio de Andrade é dos meus poetas de cabeceira, ie tenho sempre permanentemente na mesinha de cabeceira, antologias de alguns poetas, além do livro que no momento ando a ler.
Num recital de poesia, Eugénio de Andrade, em jeito de dedicatória escreveu-me o que incluo mais abaixo num papel, porque me esqueci de levar os livros que tinha dele.

Eugénio de Andrade cultivou essa forma breve de poesia, influência do Haikai, do qual já me referi por aqui. Gosto desta forma breve e sintética, assim como gosto da pintura, que acompanhava os mesmos, mas os haikais são de Eugénio.


Tu já tinhas um nome, e eu não sei
se eras fonte ou brisa ou mar ou flor.
Nos meus versos chamar-te-ei amor.
Conselho
Sê paciente; espera
que a palavra amadureça
e se desprenda como um fruto
ao passar o vento que a mereça.
Tenho o nome de uma flor
quando me chamas.
Quando me tocas,
nem eu sei
se sou água, rapariga,
ou algum pomar que atravessei.


É um pássaro, é uma rosa,
é o mar que me acorda?
Pássaro ou rosa ou mar,
tudo é ardor, tudo é amor.
Acordar é ser rosa na rosa,
canto na ave, água no mar.

3 comentários:

Maria disse...

É Eugénio...

Beijo

Sandra Botelho disse...

Como é maravilhoso saber dizer tudo em pouquissimas palavras.
bjos e um final de semana maravilhoso para vc.

Glorinha Leão disse...

Belo, belíssimo...emocionante!
Não conhecia esse autor e poeta...já vai pra minha lista...vou procurar algum livro dele por aqui...
Beijos