«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

MARIA JOÃO SEIXAS NA CINEMATECA


Maria João Seixas, é o nome avançado para a direcção da Cinemateca Portuguesa - instituição órfã de director desde que João Bénard da Costa a deixou, em Janeiro, por motivos de saúde. Gosto de Maria João Seixas, é uma pessoa culta e simpática, é uma pessoa que conheço através da televisão e dos bons programas que foi fazendo, obviamente que outros nomes podiam ser avançados e que vão sempre dizer que é uma pessoa muito próxima do PS, já que Seixas foi assessora para a cultura do primeiro governo de António Guterres, foi também mandatária das candidaturas de Jorge Sampaio e Mário Soares e de Manuel Maria Carrilho à Câmara de Lisboa. A relação entre a jornalista de 64 anos e o cinema é muito próxima - ou familiar. Maria João Seixas foi casada com o realizador Fernando Lopes, com quem assinou parte do argumento de "O Delfim" e "Cinema". Esteve também envolvida no documentário "Lissabon Wuppertal Lisboa", sobre a coreógrafa Pina Bausch e conta com prestações breves em filmes como "Adriana" ou "Um dia na Vida". É de destacar ainda o seu trabalho na divulgação do cinema português fora de portas com a distribuidora Uniportugal. Pedro Mexia, subdirector da Cinemateca, estava assumir o cargo de director interino, conduzindo sozinho um cargo de dois lugares.

SEGUNDO DECLARAÇÕES DA MINISTRA DA CULTURA, ESPERA-SE PARA BREVE UM PÓLO DA CINEMATECA NO PORTO.

1 comentário:

analima disse...

Apesar de algumas vozes discordantes que, provavelmente, devem a sua opinião a questões que não estão relacionadas com a competência de Maria João Seixas, acho que foi uma óptima escolha.
Um abraço