«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

ORÇAMENTO DE ESTADO


Há dias que eu ando a ouvir falar do Orçamento de Estado!...
Depois de difíceis conversações do primeiro-ministro com os partidos, obviamente que chegaram a um consenso!..Quem estaria interessado em que o Governo caísse? Só se fosse o PS!?...
Nestas negociações a esquerda pôs-se logo de fora, o BE pela opção do Governo em aumentar a receita com o recurso a mais privatizações, em vez de tributar as mais-valias bolsistas, para financiar a política social e o PCP, pela opção de congelar salários e não existir projecto de aumento de protecção aos desempregados.
NÃO AO OE.
Quanto à direita o CDS, levou uma série de propostas, mas acabou por aceitar, o reforço na Saúde da contratualização com as misericórdias e a simplificação do PRODER na Agricultura. O PSD, seguindo as palavras de Cavaco, considerou que o importante era travar o endividamento do país, com esse objectivo conseguiu um sinal de correcção da trajectória da economia, no sentido do combate ao desequilíbrio das contas públicas. (Como?) ABSTENÇÃO (Manuela Ferreira Leite ficou como líder do PSD, até à discussão do orçamento e depois sai, outro líder surgirá para limpar a imagem do partido)
O orçamento foi entregue com todo o cerimonial à Assembleia da República e agora vão-se perder uns dias em debate na especialidade! (Para quê? Claro para seguir os trâmites constitucionais, embora já se saiba os resultados finais! Exercício de retórica.)
SINTETICAMENTE, O ESSENCIAL DO OE:

-CORTE RADICAL PARA CONTER DÉFICE HISTÓRICO 9,3% (RECORDE NAS CONTAS PÚBLICAS NA ERA DO EURO), POR UM AUMENTO ZERO QUE PERMITIRÁ POUPAR 400 MILHÕES
(TODOS SABEMOS QUE O GOVERNO GASTA MAIS DO QUE PODE E ABUSA DO CARTÃO DE CRÉDITO!?...)

FUNÇÃO PÚBLICA FICA COM OS SALÁRIOS CONGELADOS
(SERÁ QUE PRESIDENTES DE CÂMARA, DEPUTADOS, SUB-SECRETÁRIOS, SECRETÁRIOS, ASSESSORES, MINISTROS, ADMINISTRADORES E DIRECTORES DA FUNÇÃO PÚBLICA, ETC…ETC…VÃO TER UM CONGELAMENTO NOS SEUS SALÁRIOS E MORDOMIAS?)

PENSÕES ANTECIPADAS LEVAM O CORTE QUE ESTAVA PREVISTO PARA 2014
(A CORTAR É SEMPRE NAS PRESTAÇÕES SOCIAIS E VAMOS LÁ A VER COMO SERÁ COM OS IMPOSTOS!..)

AUMENTO DE PORTAGENS
(UMA BOA MANEIRA DE ENTRAR NO BOLSO!)

DESEMPREGO (9,5%), VAI AUMENTAR !...
(O GOVERNO QUE NO ANO PASSADO «DESPEDIU» CERCA DE 70.000, VAI CONTINUAR A MESMA POLÍTICA. HÁ PESSOAL A MAIS, SOMOS DOS PAÍSES COM MAIS PESO ORÇAMENTAL NESTE VECTOR E QUEM OS CONTRATOU?).
!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

2 comentários:

manuel afonso disse...

É uma desgraça de orçamento e é uma desgraça de políticos.
Só olham para amanhã, para o seu umbigo e dos amigos que o enchem. Quisessem eles e haveria tantos lugares para poupar nas despesas. Institutos, comissões, grupos de "trabalho", pareceres técnicos (o Estado tem tantos qualificados nos seus quadros), projectos e Estruturas e Projectos de Estruturas, fundações que só servem para desviar milhões sem necessidade de fiscalização, etc, etc.
Claro que também no que a Manuela bem diz.
Eu estou cada vez mais desiludido, porque se aproxima a altura em que o Estado não é confiável e só resta o despedimento colectivo ou a falência do sistema.
Sabemos que qualquer trabalhador por todo o dinheiro que receba, ainda que seja gratificação, tem de o declarar e pagar imposto, pois os jogadores simulam todos os contratos e fecham-se os olhos, e os admnistradores dos bancos berram para que as fortunas que recebem não sejam tributadas. Basta este desplante para se aferir da desigualdade tributável e da desigualdade na responsabilização pelos buracos financeiros (que, paradoxalmente, eles próprios criaram).
Tenho andado muito ocupado e, por isso, desleixei involuntariamente, um pouco as minhas amigas e amigos em blogs,

Maria disse...

Sabes o que me irrita, Manuela?
É que somos nós (povo) que votamos. Somos nós (povo) que os sustentamos. E depois de nos deixarmos enganar, mais uma vez, lamentamo-nos, mais uma vez...
Apetece-me perguntar até quando é que este povo se deixa enganar com um rebuçado ou continua de olhos fechados.

Um beijo.