«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quinta-feira, 25 de novembro de 2010

FRIDA KAHLO («MINHA IDEIA É O MEU PINCEL»)


Self-Portrait (1940)

Tanto a dizer sobre Frida! Há anos que conheço Frida! E que dizer de uma figura emblemática das Artes Plásticas e do Movimento Revolucionário mexicano? Frida Kahlo deixou a sua marca profunda na arte, foi uma pintora «sui-generis», pintou a dor que sempre a acompanhou e complementou com as raízes tradicionais e características mexicanas.


«Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui. Nunca pintei sonhos, só pintei a minha própria realidade.»


Consultar a sua biografia aqui

Frida em criança viveu a Revolução mexicana de 1910, dizia-se filha dessa revolução e sempre foi uma mulher politicamente engajada.


“Recuerdo tener cuatro años cuando tuvo lugar la decena trágica. Con mis propios ojos vi la batalla entre los campesinos de Zapata y los carrancistas. Mi ubicación era muy buena. Mi madre abrió las ventanas que daban a la calle Allende para dar entrada a los zapatistas y se encargó de que los heridos y los hambrientos saltaran de las ventanas de la casa a la sala de estar. Ahí los curó y les dio gorditas de maíz, lo único que se podía conseguir de comer durante esos días en Coyoacán”.


Aos 6 anos de idade, vítima de poliomielite, tornou-se coxa como sequela da doença.


''Origem das duas Fridas. Recordação. Devia ter 6 anos quando vivi intensamente a amizade imaginária com uma menina de minha idade. (...) Não me lembro de sua imagem, nem da sua cor. Porém sei que era alegre e ria muito. Sem sons. Era ágil e dançava como se não tivesse nenhum peso. Eu a seguia em todos os seus movimentos e contava para ela, enquanto ela dançava, meus problemas secretos. Quais? Não me lembro. Porém ela sabia, por minha voz, de todas as minhas coisas...''


Por volta dos 18 anos, o autocarro em que viajava chocou violentamente. Sofreu inúmeras fracturas e uma barra de ferro atravessou-a pela bacia e saiu pela vagina. A partir daí, a vida transformou-se numa vivência de dor e de sofrimentos. Ao longo de sua existência foi submetida a muitas cirurgias.



“E a sensação nunca mais me deixou, de que meu corpo carrega em si todas as chagas do mundo''.


''(E o que mais dói) é viver num corpo que é um sepulcro que nos aprisiona do mesmo modo como a concha aprisiona a ostra”.


''Algum tempo atrás, talvez uns dias, eu era uma moça caminhando por um mundo de cores, com formas claras e tangíveis. Tudo era misterioso e havia algo oculto; adivinhar-lhe a natureza era um jogo para mim. Se soubessem como é terrível obter o conhecimento de repente - como um relâmpago iluminando a Terra! Agora, vivo num planeta dolorido, transparente como gelo. É como se houvesse aprendido tudo de uma vez, numa questão de segundos. Minhas amigas e colegas tornaram-se mulheres lentamente. Eu envelheci em instantes e agora tudo está gasto e plano. Sei que não há nada escondido; se houvesse, eu veria.''


"Eu sou a desintegração."


''Pinto-me a mim mesmo porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor''.



''Não estou doente. Estou partida. Mas sinto-me feliz por continuar viva enquanto puder pintar''.


"Sinto-me mal, e ficarei pior, mas vou aprendendo a estar sozinha e isso já é uma vantagem e um pequeno triunfo."

Outro aspecto marcante na sua vida foi a tempestuosa relação com Diego Rivera, (artista plástico e revolucionário).


''Diego está na minha urina, na minha boca, no meu coração, na minha loucura, no meu sono, nas paisagens, na comida, no metal, na doença, na imaginação”. ''Ele leva uma vida plena, sem o vazio da minha. Não tenho nada porque não o tenho.''


Poema do diário de Frida


Diego. princípio
Diego. construtor
Diego. meu bebé
Diego. meu noivo
Diego. pintor
Diego. meu amante
Diego. meu marido
Diego. meu amigo
Diego. meu pai
Diego. minha mãe
Diego. meu filho
Diego. eu
Diego. universo
Diversidade na unidade.
Porque é que lhe chamo Meu Diego?
Ele nunca foi e nem será meu.
Ele pertence a si próprio.


''Pintar completou a minha vida. Perdi três filhos e uma série de outras coisas, que teriam preenchido a minha vida pavorosa. Minha pintura tomou o lugar de tudo isso. Creio que trabalhar é o melhor''.


Um ano antes de morrer, foi-lhe amputada uma perna.


''Amputaram-me a perna há 6 meses, deram-me séculos de tortura e há momentos em que quase perco a razão. Continuo a querer matar-me. O Diego é que me impede de o fazer, pois a minha vaidade faz-me pensar que sentiria a minha falta. Ele disse-me isso e eu acreditei. Mas nunca sofri tanto em toda a minha vida. Vou esperar mais um pouco...''


«Bebo para afogar as mágoas. Mas as danadas aprenderam a nadar.»

"Creio que o melhor é partir, ir-me e não fugir. Que tudo acabe num instante. Oxalá"


"Espero alegre a saída e espero nunca voltar."


Blogagem Coletiva proposta pela amiga Glorinha de Leon do Blog Café com Bolo, intitulada "Minha idéia é meu pincel".

25 comentários:

Valéria Sorohan disse...

Que linda foi a vida de Frida.
Obrigada por compartilhar.

BeijooO'

Barbie Girl disse...

Oi flor!!
Saudades de você, saudades daqui! Andei sumida da blogosfera por muitos motivos, mas estou me reorganizando e colocando as visitas que tanto amo, em dia!
Como foi a greve? Tudo já voltou ao normal?

Quanto ao seu post, a Frida me deixa um pouco melancólica ao lembrar de todo sofrimento dessa mulher!

Beijos

Isadora disse...

Manu, talvez essa tenha sido para mim a tela mais difícil, justamente, por conhecer um poquinho de sua história tão difícil.
De qualquer forma foi bom acopanhar por aqui a história e conhecer mais um pouco.
Um beijo

Beth/Lilás disse...

Bo dia amiga Manú!
Pois é, a vida de Frida não foi fácil, sofrida e não poderia deixar de retratar isto em seus quadros, mas o importante foi a garra e dedicação que teve à sua arte até o final de sua vida.
Boa biografia deixaste para todos.
beijinhos cariocas

Glorinha L de Lion disse...

Manu, minha amiga, construístes através das frases e pensamentos desta mulher única um resumo da sua vida. às vezes a vida imita a arte com tantas pinceladas trágicas que acaba por fazer de uma vida uma obra dantesca. A vida de Frida foi tudo isso e muito mais. Uma mulher única cuja arte salvou-a DE SI MESMA. Grande beijo amada amiga, linda sua participação. Eu tb amo Frida!

ADiniz disse...

“Eu sou como o verde do Chile,
Picante mas gostoso”

Como bem diz Chavela Vargas, que teve um amor, romance, com Frida, entre ida e vindas com seu "pansudo".Chavela acompanhou muitos momentos de sofrimento e dor.
Gosto muito de Frida e gosto mais de sua pintura por compreender sua historia, isto tudo deu a mim a percepcção melhor da alma na pintura da artista.
Bela homenagem Manu.
Bjinhos

Astrid Annabelle disse...

Manú querida!
Seu post contém tudo que aprendi pesquisando sobre Frida Kahlo.
Confesso porém que esta energia pesada não é muito a minha praia.
Sei que nado contra a maré, mas não gostei não da energia que emana de toda a sua obra.
Foi um grande desafio para mim este tema de hoje!
Beijos
Astrid Annabelle

Lúcia Soares disse...

Manu, um post completo, pois é impossível falar de uma obra sem falar do seu autor.
O que ele (o autor) é, reflete-se em sua obra, naturalmente.
Agora vou assistir ao filme sobre Frida, pois despertou-me a curiosidade para a vida tão sofrida dessa mulher.
Beijo!

António Rosa disse...

Manuela,

A sua participação é intensa e muito especial. Uma narrativa completa e com um olhar de pássaro a sobrevoar a vida de Frida.

Grato pela experiência.

António

orvalho do ceu disse...

Olá, amiga Manu
Também me detive na história dela... interesante que vc pegou dados preciosos por demais e até os recortei para guardar. Obrigada.
Bjs de paz e tenha excelente fim de semana com paz inteior.

Lu Souza Brito disse...

Manu,

Triste demaaaaaaiiss tanto a tela como a vida de Frida. Deus me livre. Ela teve muita garra, mas Deus me livre de algo assim.

Socorro Melo disse...

Olá, Manu!

Eu li algumas informações na Internet sobre a vida de Frida, sua obra, etc., mas, confesso que fiquei emocionada com estes depoimentos pessoais dela, pois, estes, eu não tinha visto. A tela do seu auto retrato me transmitiu tristeza e solidão, e foi essa impressão que me fez produzir o texto da blogagem, mas, fiquei estarrecida ao ler tudo que li aqui, e sensibilizada, com uma vida tão marcada pelo sofrimento, e pelos transtornos emocionais.

Adorei!

Beijos ;)
Socorro Melo

Siala disse...

Frida é uma das Mulheres da minha vida! Porque marcou-me muito a primeira vez que entrei em contacto com a sua arte! Mais que a Dor, ela para mim é a força e a coragem de superar as grandes contrariedades, sem falsos lirismos, enfrentado, expondo e desconstruindo sua própria escuridão. Ela mergulhou nela mesma e não teve medo de trazer á luz do seu pincel tudo o que existia nela mesma...quantos de nós têm a mesma coragem?
Namasté

pensandoemfamilia disse...

Oi querida

Vi o filme que nos revela esta história, vc foi bem minuciosa nos momentos cruciais da vida deste grandeee mulher e artista.
É uma tela dificil de abstrair pelo tanto que conhecemos,mas foi um bom desafio.

bjs

Chica disse...

Trouxeste bastante da vida dela.
Linda tua participação e adorei teu comentário...Mas pra mim, obra de arte, não tem valor se eu não gostar e achar bonito. Não valorizo sem isso. Podem me chamar e louca varrida,rssr, mas ainda que seja um Picasso, Monet, se não fecjar comigo, fica foooooooora de meu olhar...rsrs

E por outro lado, pra mim tudo isso é relativo.Valorizo muito mais um desenho dos filhos ou netos do que o restante.Incrível.Sempre fui assim!

beijos,tudo de bom,chica

manuel marques disse...

A ferida da "Frida" ainda hoje não sarou.

Beijinho e parabéns pelo post fantástico.

Marli Borges disse...

Oi Manu,
Triste vida essa da Frida, que carma hein!!! Mas com talento ela escreveu seu nome na história! Bjsssssss

Lilá(s) disse...

Frida teve uma vida difícil mas o amor e dedicação á sua arte superaram todos os percalços, também a aprecio muito.
Bjs

elisabete disse...

É sempre agradável recordar FRIDA KAHLO, como pintora e como Mulher
Beijinho.

Susana Vitorino disse...

Manu, belíssima pesquisa e contributo para todos nós sabermos um pouco mais da Vida e das Dores e dos Amores desta força da natureza!

Obrigada*

“E a sensação nunca mais me deixou, de que meu corpo carrega em si todas as chagas do mundo''.

Abraço grande*

Nilce disse...

Quanto sofrimento Manu.
Não é à toa que este quadro sugerido transmite tanto sofrimento.

Bjs no coração!

Nilce

Filoxera disse...

Brutal, o conteúdo deste post tão didático.
Gostei.

Duarte disse...

Quanto estive em Guadalajara pude apreciar de perto os morais de Diego, e a obra de Frida... impressionaram-me.

Um belo post! Parabéns.

Beijinhos

Bombom disse...

Eu já conhecia a história de Frida Kahlo, mas tu completaste-a muito bem. Magnífico post! Tenho aprendido imenso com esta Blogagem Colectiva da Glorinha de Lion. Cada post é uma pedra de um Puzzle que se vai assim completando e mostrando as diversas facetas de cada quadro! Que pena que esteja quase a terminar! Obrigada, Manú pelo teu contributo! Bjs. Bombom

Pedrasnuas disse...

FRIDA SOFRIDA QUE ENCONTROU NO PINCEL UMA TERAPIA E UMA SAÍDA...

HÁ QUEM PINTE COM A BOCA, HÁ QUEM PINTE COM OS PÉS...TODOS HERÓIS...
HÁ UNS ANOS ATRÁS VI NA TV UMA BAILARINA QUE PASSOU A DAR AULAS DEPOIS DE TER FICADO NUMA CADEIRA DE RODAS,NÃO RESPIRAVA SOZINHA, NÃO MEXIA O CORPO,NADA,MAS QUERIA MUITO VIVER E TODOS OS DIAS TINHA DE SER SUBMETIDA A UM TRATAMENTO PARA ENCHER OS PULMÕES DE OXIGÉNIO...
HÁ IMENSA GENTE SOFRIDA...E QUE LUTA PELA VIDA COM AMBAS AS MÃOS...

BEIJINHOS MANÚ