«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




segunda-feira, 13 de setembro de 2010

ABRIU A TEMPORADA - JOPLIN E ZEMLINSKY


Na abertura da nova temporada cultural, JANIS E A TARTARUGA, um monólogo da actriz, Carla Galvão e que foi inspirado nos anos 60 e em Janis Joplin. Uma geração que fazia a revolução sexual e lutava contra a guerra e o racismo e as tartarugas lentas, que impediam uma mudança social.
MAIS SOBRE JANIS JOPLIN: AQUI








CASA DA MÚSICA
ORQUESTRA SINFÓNICA DO PORTO
DIRECÇÃO PETER RUNDEL
Na Casa da Música, integralmente pela primeira vez em Portugal, foi tocado o poema sinfónico, A PEQUENA SEREIA (Die Seejungfrau) , (baseada no conto de H.C. Andersen) do compositor Alexander von Zemlinsky.

Sonoridades aquáticas, deslizantes e misteriosas, dão início a uma das mais comoventes partituras de Zemlinski que retrata a história da pequena sereia que sacrificou a sua própria vida em nome do amor, transformando-se em espuma do mar. Poema sinfónico complementado com sugestões visuais.

Alexander von Zemlinsky (1871 —, 1942) compositor, maestro e professor austríaco.
BIOGRAFIA



PARA CONTINUAR A OUVIR ESTA OBRA:
http://www.youtube.com/watch?v=O0snAu0HWLo&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=-K-34IvkpoI&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=jZze_2uawNk&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=jZze_2uawNk&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=tpjNMn7cTgc&feature=related

9 comentários:

Cantinho da Cê disse...

Manu, que delícia ouvir Zemlinsky, eu não o conhecia...adorei...

Boa semana, beijos,

Rosane Marega disse...

Oieee Manu, e que os seus dias sejam assim...Maravilhosos!
Beijosssssssssss

Luma Rosa disse...

Wow!! Grandes eventos!! Adoraria assistir o monólogo de Carla Galvão. Além de gostar das músicas da época, uma bela reflexão, até mesmo para adentrar a noite após a apresentação; essas tais mudanças que todos pleiteavam que deram certo e outras apenas no "sonho", mas foi um momento histórico de liberdade, algo que as gerações atuais pouco saberão, pois não viveram e mesmo com toda a falação em torno da época, difícil falar de algo ou dar pitacos sobre o que não se viveu! Boa semana! Beijus,

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

MANU VIM AGRADECER O CARINHO!
BEIJO

Memória de Elefante disse...

Manú!
Agradeço a carinhosa visita. Teu blog sempre acrescenta. Adorei ouvir Zemlinsky e relembrar Janis.

Obrigada!

Um beijo

Cris França disse...

Manu,

mas essa mulher cantava muito não? lindo, adorei. bjs

Cris França disse...

Manu,

mas essa mulher cantava muito não? lindo, adorei. bjs

Beth/Lilás disse...

Oi, Manú!
Você, sempre nos brindando com arte e história e eu tô adorando conhecer através de sua página virtual tanta coisa interessante.
um beijo carioca

Pedrasnuas disse...

CONHEÇO A JANIS JOPLIN PORQUE O MEU IRMÃO HÁ MUITOS ANOS DEU-ME A CONHECER TODO O PESSOAL ROCK DA ALTURA...O ZEMLINSKY ...FRANCAMENTE NÃO CONHECIA...

BEIJINHOS

PN