«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 16 de julho de 2010

ESTA É A CIDADE



Esta é a Cidade, e é bela.

Pela ocular da janela

foco o sémen da rua.

Um formigueiro se agita,

se esgueira, freme, crepita,

ziguezagueia e flutua.

.

Freme como a sede bebe

numa avidez de garganta,

como um cavalo se espanta

ou como um ventre concebe.

.

Treme e freme, freme e treme,

friorento voo de libélula

sobre o charco imundo e estreme.

Barco de incógnito leme

cada homem, cada célula.

.

É como um tecido orgânico

que não seca nem coagula,

que a si mesmo se estimula

e vai, num medido pânico.

.

Aperfeiçoo a focagem.

Olho imagem por imagem

numa comoção crescente.

Enchem-se-me os olhos de água.

Tanto sonho! Tanta mágoa!

Tanta coisa! Tanta gente!

.

São automóveis, lambretas,

motos, vespas, bicicletas,

carros, carrinhos, carretas,

e gente, sempre mais gente,

gente, gente, gente, gente,

num tumulto permanente

que não cansa nem descansa,

um rio que no mar se lança

em caudalosa corrente.

Tanto sonho! Tanta esperança!

Tanta mágoa! Tanta gente!



ANTÓNIO GEDEÃO

9 comentários:

Maria disse...

E este é Gedeão... tão belo!
Obrigada.

Beijo, Manuela.

manuel marques disse...

"Os grandes poetas estão muitas vezes solitários. Mas essa solidão é parte da sua capacidade de criar. O carácter, assim como a poema, desenvolve-se no escuro ..."

Beijo.

Glorinha L de Lion disse...

Que beleza, que sensibilidade! Olhar como quem olha um por um na multidão de ninguéns...Gostei tb do novo visual do blog,Beijos minha amiga!

Eliana Pessoa disse...

ADORO OS GRANDES POETAS E SUAS LINDAS POESIAS!
BEIJO

Beth/Lilás disse...

Lindo poema! Retrata muito bem as cidades, sua gente, tanta confusão e tanta solidão.
bjs cariocas

Me disse...

Manú querida, estava com saudade!
Tudo muito lindo por aqui!
bjos, ótimo findi!

as-nunes disse...

Gedeão. Lê-se e fica-se a pensar. Na vida. No Mundo. Nas coisas, na sua origem, no que vai ser de tudo. Será que acabará em Nada?

A imagem da solidão no meio da multidão é uma imagem que perturba.
Mas com que nós temos de viver.
Inapelavelmente!

Um beijo
António

Renata disse...

Uma multidão misturada a poeira do caos de uma grande cidade…sempre juntos, pra que a solidão não os pegue de surpresa na próxima esquina! É a vida de todos nós retratada num belo poema!

Um bom sábado minha amiga,
Esteja bem!

Sandra Botelho disse...

Puxa, nem precisa imagem...agente le e já consegue visualizar tudo...
Belissimo poema e muito bem escrito.Querida muito obrigado pelo carinho em meu blog, saiba que neste tempo todo que trocamos comentarios, já me afeiçoei a vc, te adoro viu?
Bjos achocolatados