«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 30 de julho de 2010

PRONTO EU TENHO MEDO, NÃO HÁ NADA A FAZER! HÁ MEDOS GRANDES E PEQUENOS QUE ME ACOMPANHAM!...

TENHO MEDO DO MISTÉRIO!..
COMO GAUGUIN QUESTIONO-ME:

De onde viemos? Quem somos? Para onde vamos?
É O MEDO PRIMORDIAL!

TENHO MEDO DO IMPREVISÍVEL, DE TUDO QUE É POSSÍVEL ACONTECER SEM AVISO!..DA DOENÇA, DAS CATÁSTROFES…DE TUDO QUE ACONTECE AOS OUTROS E PODE ACONTECER A MIM E AOS MEUS!

PRESTO A MINHA HOMENAGEM A TODAS AS PESSOAS QUE VIVERAM NUM CLIMA DE EXTREMA PERSEGUIÇÃO E VIOLÊNCIA!

OS MEUS MEDOS, O QUE SÃO? OS MEDOS DE ESTAR AQUI E DE ME CONFRONTAR COM A VULNERABILIDADE!..

TODOS TÊM OS SEUS MEDOS, OS SEUS PEQUENOS MEDOS PESSOAIS, QUE PARA OUTROS ATÉ PODEM SER IDIOTAS!
Medo!?...Mas de que é que eu não tenho medo?
Eu tenho medo dos insectos! Baratas e centopeias, deixam-me os cabelinhos em pé, pior fico absolutamente electrizada, nem sou capaz de me aproximar para os matar. De ratos, sou mesmo do género de subir para cima da cadeira!..
Adoro cães, mas há certas raças que me atemorizam, por exemplo um pastor alemão, se for no meu passeio, atravesso para o outro. Uma ocasião entrei por um campo, com a minha filha pequenina, para tirar uma fotografia junto a um espigueiro e às tantas aparece-me um cão a rosnar e a ladrar, fiquei tão nervosa que a minha reacção foi ladrar e tanto ladrei que o animal se foi embora com o rabo entre as pernas! O que uma pessoa não faz quando se vê aflita!


Cavalos acho o máximo, mas a uma distancia conveniente e felizmente que com outros animais não privei, mas nem quero pensar em cobras, tigres, tubarões e crocodilos!...
Tenho medo das pessoas, sinto um mal-estar nas costas, quando alguém vem muito próximo, sempre paro a fazer alguma coisa, para a pessoa passar, isso começou quando uma mota numa rua de pouco movimento subiu o passeio e um dos homens me arrancou a carteira! Também tenho medo de bêbados e de loucos furiosos.

Medo de andar de automóvel nem se fala, na véspera de cada viagem, só vejo acidentes à minha frente, no primeiro dia da viagem não sou chata, sou chatérrima, sempre, «vai mais devagar», «cuidado», depois vou acalmando. O medo, no entanto não me impede de fazer seja o que for, até é o medo que me desafia, mas por esta cabeça passam muitas coisas! Depois de um acidente, em fim de lua-de-mel, num carro de estimação que o meu sogro nos emprestou e que logo foi vendido, fiquei bastante traumatizada por uns tempos! Até no autocarro, o meu pé fazia a pressão de travar!


Mais tarde decidi tirar a carta de condução, tudo por causa do medo! Tirei a carta, mas ao fim de poucos meses deixei de conduzir, não precisava do carro para me deslocar para o trabalho, não podia abandonar os meus conhecidos do autocarro, além disso o estacionamento era muito difícil e caro. Como só conduzia ao fim-de-semana, com o companheiro ao lado, aquilo dava sempre zanga e como eu gosto muito de paz, desisti! Verdade, verdadinha, é que eu também racionalizei: muito distraída, muito cismática, sempre a pensar o que podia acontecer, da subida que podia aparecer, em que tinha que parar e depois arrancar, nessas situações o carro em vez de ir para a frente deslizava para trás! Não nem me queria matar, nem matar ninguém e muito menos andar tensa e nervosa!..
Já tive outros medos, como do escuro, das conversas de espiritismo e de mortos, que sempre proliferavam quando eu era miúda e, dos medos que provocava certas brincadeiras.


Quantas vezes ia para o meu quarto, que ficava no primeiro andar e vinha de roldão pelas escadas abaixo, por encontrar alguém deitado na minha cama! A minha irmã ria-se, ela gostava muito de fazer essas cenas, bonecos, que pareciam gente. Mas pior que tudo e me fez transpirar, porque nem tinha coragem de falar e só me tapava cada vez mais, foi uma ocasião em que olhei para a porta da varanda e vi a sombra de um homem. A cama da minha irmã não estava longe e depois de muito me tapar e destapar, baixinho acabei por a chamar:

Bety está ali um homem!
-Olha vê se dormes, que aquilo é o meu casaco, que eu dependurei no fecho da porta!....



E DE QUE TENHO EU MAIS MEDO? DOS MEDOS QUE VÃO SURGINDO NA MINHA CABEÇA E ME PERSEGUEM SEM FORMA DEFINIDA…


Blogagem Coletiva: Sentimentos e Emoções - 30.07-MEDO, promotora Glorinha de Lion, do blogue: http://cafecomglorinha.blogspot.com/

28 comentários:

Cris França disse...

nossa que retrato de mim..kkkkkk

menina eu tenho muitos medos também....

tenho medo de barata e insetos que voam, isso até ja foi motivo de piada, tive um amigo de trabalho que vivia jogando bichinhos em mim.

já tive muito medo de cachorro, desses de mudar de rua ou de calçada quando via um sozinho, esse hoje em dia esta mais controlado.

tenho medo de cavalo, acho lindo, mas eles são sei lá, enormes....rs

quando tirei meu primeiro carro zero, nunca me esqueço o medo debater foi tanto e justo na primeira volta com ele eu peguei um transito infernal, foi uma novela, depois tive um ataque enorme de dor no peito, meu marido ria e dia , pronto compro um carro e perco a mulher....rs

quando minha mãe ficou no hospital por quase um ano, eu não tinha medo dela, mas chegavam aquelas velhinhas moribundas e eu morria de medo de ver elas morrem comigo ali sozinha de noite.

medo é medo

a gente vive para poder superá-los.

amei Manu de verdade e me identifiquei muuuuuuitooooo com o teu texto

bjs querida

Alexandre Mauj Imamura Gonzalez disse...

que bacana seu texto sobre o medo.
Tb estou na blogagem coletiva proposta pela Glorinha.

como o medo em nossa mente ocupa um espaço enorme. E nos bloqueia tanto... em vez de uma força protetora, se torna força opressora.

bom dia

Michelle Crístal disse...

Lindo post, medo eis que a população anda em medo pela atual patologia que se encontra, vou apropriar das palavras de Lispector:- Eu tenho medo de tudo que é novo!
Eu mesma...
Beijos

Meru Sâmi disse...

Menina, coloquei o pé no freio até terminar a leitura! Quando terminei estava tensa. Você dá uma ótima roteirista de filme de suspense.
Ufa!!!!!Valeu!

Beijos...

Barbie Girl disse...

Eu também tenho medo, muitos medos, medo até dos meus pensamentos, alguns momentos penso em se tratar de pânico! rs
Mas é bom confessar isso, colocar para fora, faz bem!
Afinal sentir medo é normal!!

beijos

Isadora disse...

Minha amiga de certo todos nós temos muitos medos, mas na medida do possível vamos tentando enfrentá-los. No início do seu post você falou sobre o medo do imprevisível, das doenças e das catástrofes. Eu não coloquei isso no meu post, mas isso me dá muito medo. Rezo muito para que coisas assim, passem longe!
Um beijinho

Nilce disse...

Oi, Manuela

Fiquei assustada com tantos medos que te assustaram na infância e outros que continuam te amedrontando.
O medo é normal, mas há a necessidade de se trabalhar isso e vencer a si própria.
Tive que rir, desculpe-me, de alguns, mas gostei muito do seu texto.
Parabéns!

Bjs no coração!

Nilce

pensandoemfamilia disse...

São tantos os nossos medos que se nos deixarmos levar por eles, paralisamos.
O mundo atual nos aciona mais e mais medos. Enfrentá-los, buscarmso forças para confrontálos nos ajuda a crescer. Foi este o meu foco da blogagem .
bjs

Tati Pastorello disse...

Manú, penso como você. Muitos de nossos medos somos nós imaginando coisas... Mas tenho tantos e tão fortes. Alguns me levam a agir, outros me paralisam por completo.
Beijos.

Crica Viegas disse...

Meus medos são tantos que nem sei...rs...achei mutio boa sua abordagem.

Astrid Annabelle disse...

Olá Manú!
Ah! quantos medos eu tive na vida! Todos os que citou e mais um pouco...ficava apavorada...
Com a maturidade e o auto conhecimento encarei de frente todos os fantasmas que reinavam no meu imaginário.
Hoje sou bem tranqüila...outra pessoa...embora ainda tenha medos... mas administro bem meu convívio com eles!
Achei excelente sua participação...de tirar o fôlego mesmo!!!
Um beijo querida.
Astrid Ananbelle

Glorinha L de Lion disse...

Manu, minha amada! vc me fez rir dos teus medos! A de ladrar pro cão que ladrou pra ti...hehe foi uma ótima saída...e o medo do homem que era um casaco...tens muito bom humor Manu, como disse alguém aí, davas uma ótima roteirista! mas sou como tu, enfrento-os. Tenho pavor de avião: já voei muitas vezes. Fico tensa e nem olho a janela, pois tenho medo de altura, mas se não o enfrentamos, o que será de nossa vida? Não damos um passo sem algo nos ameace...então há que enfrentá-los! Com coragem e bom humor, como tu! Grande participação, minha amiga! Adorei! Bjs.

Yoyo disse...

Manú,
Você falou do medo que sente ao viajar de automóvel.Eu fico assim, quando viajo de avião.Tenho um medo enorme de voar, mas assim como você, não deixo de viajar por conta do medo, não.
Beijinhos, querida

Lúcia Soares disse...

Manu, bom saber que todos nós temos mais ou menos os mesmos medos. O ser humano vive em constante alerta, sempre "prevendo" alguma coisa que os deixe amedrontados.
Seu texto foi engraçado é sério ao mesmo tempo.
A melhor maneira de vencer o medo é enfrentando-o.
Só não me peça pra enfrentar uma cobra, por exemplo. Esse medo nunca vencerei!
Beijo!

Socorro Melo disse...

Olá, Manuela!

É bom estar aqui. É minha primeira visita, e graças a blogagem coletiva.
Muito interessante o seu relato de medos, e quantos, hein?
Também sou medrosa, e tenho alguns medos semelhantes aos seus.
O medo nos petrifica na hora, mas, depois, é sempre cômico recordar. Adorei o relato do cão, e o do casaco, kkk.

Um grande beijo.
Socorro Melo

Manuela Freitas disse...

Meru Sâmi, obrigada pelo seu comentário, foi ao seu blogue e gostei muito da temática escolhida para escrever sobre o medo. Estranhei não estar aberto a comentários ou então não consegui encontrar o sítio!...
Bjs,
Manú

manuel marques disse...

Todos nós temos medo. Quem não tem medo não é normal; isso nada tem a ver com a coragem .
Muito bom este texto, humor e medo á mistura.Gostei.

Beijinho.

Bordados e Retalhos disse...

Manu, sabe o que estou descobrindo? Nossos medos são muito parecidos. Acho que por isso todas nós estamos aqui nessa blogagem e interagindo com nossas emoções. Acho que tenho uma imaginação muito fértil, por isso vejo acidentes antes da viagem e toda vez que vou de avião parece que algum resolve cair. Mas fazer o que? Enfrento, não há outro jeito. Acredito que voc~e faça o mesmo. Bjs amiga

Maria Izabel Viégas disse...

Manú,
estou aqui a morrer de rir imaginando a cena: Tu corendo e ladrando com o animal. Ele ficou traumatizado!
Nossa, ter medo é tão normal, cada um a seu jeito.
E de acordo com o que nos aconteceu na vida.
certa vez, falei com minha mãe de um mdo meu. já tinha eu meus 3 filhos, adulta, e ela riu e me disse: Ora, falas como teu pai? Ele falava desse medo. Vi que o medo não era meu. Eu ouvira o meu herói dizer de um medo e apoderei-me dele.
Eu pequena tinha medo dessas visões. Só que as vezes, eram visões mesmo rsss
Era uma medrosa muito corajosa. ouvia barulho fora de casa, quase saia o coração do peito, mas num repente, abria a janela e olhva.
E té hoje sou assim: duas metades em mim! A corajosa é maior!
A-d-o-r-e-i teu post. Esse tema é bommmmmm demais ;)))
beijinhos, querida Manú, obrigada por ir ao Memórias.

Desculpa minha crise "saramaguega"(nem se compara rs), mas para falar de medo é preciso , se esconder das entrelinhas.

Beth/Lilás disse...

Ah, Manú, em alguns trechos tive que rir, pois fiquei a imaginar quando ladravas para o cão, a fim de intimidá-lo. Gostei da idéia!
Quanto aos outros medos, tenho-os também, acho que nossa geração tem mais medos do que as pessoas de hoje, talvez nossos pais, sem querer, nos passaram isto, não é!
Muito bom seu texto, abrangente e as imagens inclusive, adorei!
beijinhos cariocas

Françoise disse...

Ehhh, que saudade de vc Manu!!!
Legal nos encontrarmos novamente na blogagem. Adorei seu texto.
Acho que também "sofro"dos muitos medos que vc descreveu tão sinceramente. Aqui eles nos mostram que temos muitos medos daquilos que vivemos um dia mesmo que sejam apenas com os pequenos insetos ou até com acidentes....roubos ou outras situações.....
Adorei o jeito que finalizou dizendo que tem medo dos medos que perseguem nossos pensamentos, rs.... acho que eu também!!!!!

Beijos
Bom final de semana

Macá disse...

Manu
Vim através da Blogagem Coletiva e amei o seu texto.
É muito bom quando podemos fazer dos nossos medos um pouco de humor.
Ri imaginando a cena de você ladrando para o cão. Acho que ele ficou mais medo.
Mas muitos medos são bastante comuns entre as pessoas. Todo mundo tem pelo menos um pouco de cada um.
um beijo

Luma Rosa disse...

Dizem que é o medo que nos protege e os nossos fantasmas vão sendo substituídos com o passar dos anos. O medo da morte pode ser o maior dos medos e deste desconhecido, canalizamos para outros medos. Mas dizem também que o medo de morrer é o medo de viver!
Bom fim de semana! Sem medos! Beijus,

ELIANA-Coisas Boas da Vida disse...

KKKKKKKKKK MUITO ENGRAÇADO MEDO DE UM CASACO PENDURADO !
SÓ MESMO CRIANÇA NÉ?!?
TAMBÉM TENHO ALGUNS MEDOS QUE PARECEM FANTASMAS QUE NUNCA VÃO EMBORA DE NOSSAS VIDAS!
BEIJO

HSLO disse...

Maravilha o seu blog...gostei muito de conhecer. É a primeira vez que passo por aqui e confesso que gostei...voltarei outras vezes.

abraços
de luz e paz

Hugo

Barbara disse...

E nisso, concluo que medo é o medo do medo.
Conheço de perto...

Marliborges disse...

Olá Manú!
Verdade, a gente tem muitos medos pela vida afora! Eu ficava apavorada... Mas mudei. Hoje sou outra. Parabéns pelo post, muito bem escrito. Demais!!! De tirar o fôlego!!
Bjssssssss

Lianara **Lia** disse...

Oi Manú!

Só hoje consegui passar por aqui para ver sua postagem sobre o MEDO!

Adorei!! Tantos medos, tantos sentimentos e emoções tão bem retratados por você. Parabéns pela criatividade!

Beijos
Lia

Blog Reticências...