«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quinta-feira, 8 de julho de 2010

OCTÁVIO PAZ


Octávio Paz nasceu na Cidade do México em 1914. Cursou estudos de Direito na Universidade Nacional Autónoma do México e estudos especializados de literatura, no México, Estados Unidos, Paris e Japão.
Antes do começo
Ruídos confusos, claridade incerta.
Outro dia começa.
Um quarto em penumbra
e dois corpos estendidos.
Em minha fronte me perco
numa planície vazia.
E as horas afiam suas navalhas.
Mas a meu lado tu respiras;
íntima e longínqua
fluis e não te moves.
Inacessível se te penso,
com os olhos te apalpo,
te vejo com as mãos.
Os sonhos nos separam
e o sangue nos reúne:
Somos um rio que pulsa.
Sob tuas pálpebras amadurece
a semente do sol.
O mundo
No entanto, não é real,
o tempo duvida:
Só uma coisa é certa,
o calor da tua pele.
Em tua respiração escuto
as marés do ser,
a sílaba esquecida do
Começo.
Teus Olhos

Teus olhos são a pátria do relâmpago e da lágrima,
silêncio que fala, tempestades sem vento,
mar sem ondas,
pássaros presos,
douradas feras adormecidas,
topázios ímpios como a verdade,
Outono numa clareira de bosque
onde a luz canta no ombro
duma árvore e são pássaros todas as folhas,
praia que a manhã encontra constelada de olhos,
cesta de frutos de fogo, mentira que alimenta,
espelhos deste mundo, portas do além,
pulsação tranquila do mar ao meio-dia,
universo que estremece, paisagem solitária.
Octavio Paz, in "Liberdade sob Palavra
FRASES

O homem é um ser que se criou a si próprio ao criar uma linguagem. Pela palavra, o homem é uma metáfora de si próprio

A palavra quando é criação desnuda. A primeira virtude da poesia tanto para o poeta como para o leitor é a revelação do ser. A consciência das palavras leva à consciência de si: a conhecer-se e a reconhecer-se

A solidão é o fundo último da condição humana. O homem é o único ser que se sente só e que procura um outro

O amor é uma tentativa de penetrar no íntimo de outro ser humano, mas só pode ter sucesso se a rendição for mútua

Não é poeta aquele que não tenha sentido a tentação de destruir ou criar outra linguagem

Nenhum povo acredita no seu Governo. Em resumo, os povos estão resignados

As massas humanas mais perigosas são aquelas em cujas veias foi injectado o veneno do medo... do medo da mudança

O homem é uma criatura moral que envelhece, que morre e que não sabe para o que veio aqui

"não nascemos livres: a liberdade é uma conquista - e mais: uma invenção."

"a palavra é a amante e o amigo do poeta, seu pai e sua mãe, seu deus e seu diabo, seu martelo e sua almofada. Também é seu inimigo: seu espelho".

"Cada poema é único. Em cada obra lateja, com maior ou menor intensidade, toda a poesia. Portanto, a leitura de um só poema nos revelará, com maior certeza do que qualquer investigação histórica ou filológica, o que é a poesia ".

"A palavra é o próprio homem. Somos feitos de palavras. Elas são nossa única realidade ou, pelo menos, o único testemunho de nossa realidade".

5 comentários:

manuel marques disse...

Octavio Paz considerava-se antes de tudo um poeta.


óptimo texto.

Beijinho.

Cris França disse...

ah esses poetas pensadores, como sabem de nós...

bjs minha doce amiga

Tetê disse...

Oi, querida... Belos poemas, muita sensibilidade. E, quanta sabedoria em suas frases... Obrigada pela visita ao Livre Pensamento! Fico feliz de encontrá-la no meu cantinho! Bjks Tetê

Maria disse...

Manuela

A Angela fechou o blogue no dia 3 de Junho, tendo deixado um post a explicar que era por motivos profissionaos e pessoais.
Esperemos que um dia o tempo lhe permita voltar a brindar-nos com boa poesia.

Beijo.

Fatima disse...

Ah!!!!!!!
Eu amo Octávio Paz!
Estou sempre lendo Labirinto da solidão.
bjs.