«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




terça-feira, 30 de março de 2010

AS DESCULPAS DE BENTO XVI

Este assunto, tem estado sistematicamente a ser aflorado na comunicação social, é difícil contorná-lo, tem muito de desagradável e incómodo, mas não deixa de ser uma triste realidade.
Fui educada dentro dos princípios da Igreja Católica. A minha mãe era muito crente, enquanto o meu pai nem por isso. Ia à missa com a minha mãe, embora contrariada, até que um dia desmaiei na igreja e ganhei o privilégio de deixar de ir à missa, porque não me sentia lá bem e assim pude ir passear com o meu pai.
Foi chocante para mim a frequência no Colégio Liverpool, que era explorado por freiras, as «tipas» eram mesmo mazinhas em todos os aspectos, ao ponto de usarem como castigo meterem uma criança num alpendre sem luz. Essa experiência marcou-me, mas ainda fiz a comunhão solene, ie fiz porque a minha mãe quis.
A partir daí com os estudos e com a leitura fiquei completamente avessa à Instituição Católica e cheia de cepticismos. Não sou praticante, vou à missa principalmente em funerais, mas gosto de visitar igrejas, pelo silêncio e pela penumbra e também pela arquitectura. Não tenho qualquer tipo de hostilidade relativamente à fé das pessoas, mas que não me venham «fazer a cabeça». Tive «discussões» deliciosas há uns anos com um padre beneditino. Deliciosas porque eram muito pacíficas e resumindo e concluindo, tudo não passa de uma questão de fé, já que não há comprovação plausível.

Relativamente à Instituição, a história da Igreja Católica é pródiga em polémicas, crises e escândalos. Muitos crimes hediondos se acobertaram sob o manto denso de uma moralidade de duplo padrão, num passado não tão longínquo. A permissão da escravatura durante séculos, a Inquisição que permitiu todas as arbitrariedades, a postura da igreja perante as guerras que se foram sucedendo e a pedofilia, que nem era considerada, nem pecado, nem crime!...
Perante uma moral rígida, que não se moderniza e não muda relativamente a novas formas de vida da sociedade: divórcio, aborto, preservativo, homossexualidade…a igreja teve agora, perante os escândalos pedófilos cometidos por padres em vários países, que vir pedir desculpa, pela voz de Bento XVI, tendo até aqui encoberto muitos e muitos casos, desse flagelo que é a pedofilia.
Torne-se urgente que a Instituição Católica se humanize, acabe com a lei do celibato, seja transparente e neste caso em especial, aplique sobre si essa sua moral rígida, para evitar ter que pedir desculpas!..

14 comentários:

manuel marques disse...

Completamente de acordo com o seu excelente texto.
As desculpas não se pedem,evitam-se.

Beijinhos.

Lata de Luxo disse...

Ola.
Ninguem precisa ter religiao ou frequentar cultos para ter uma ligacao com Deus.O Nosso Pai nao tem religiao,Ele e Uno em Sua presenca para aqueles que creem e querem ser abencoados.Eu sou Catolica e respeito todas as religioes e ate aqueles que nao professam sua crenca em nenhuma delas.Nao creio que TODOS os padres sejam pecadores e pedofilos,assim como nao creio que todo muculmano seja terrorista.A gente tem sempre de tomar cuidados com as ideias que disseminamos a fim de nao trazer mais preconceitos para as ja super abaladas relacoes humanas.Grande abraco.zenaide storino.

Lata de luxo disse...

Ola.
Deixei um comentario aqui,mas ainda nao apareceu, espero que vc nao tome isso como pessoal.So estou me posicionando de acordo com a Fe que eu professo.Grande abaraco.zenaide storino.

Glorinha L de Lion disse...

Manu, estou totalmente de acordo com o que escreveste...é uma ignonímia o que é feito pelos padres ao longo dos séculos e pela igreja católica que a cada ano perde adeptos ou para o ateísmo, como euzinha, ou para as evangélicas, outro flagelo...mas cada um sabe de si...não vou entrar em polêmicas com ninguém, mas para começar o atraso da igreja católica com relação ao celibato, uma coisa totalmente contra a natureza humana, essa coisa de que se tem que sofrer e penar para redimir os pecados...essa culpa que nos incutem desde criancinhas...ora, façam me o favor! a cada dia que passa fico mais atéia e com mais raiva desse papa e dessa instituição falida e retrógrada, que acoberta e acobertou tantos abusos...até de crianças surdas aquele infame padre irlandês abusou! E ainda vem outro me falar de exorcizar o demo que mora no Vaticano e é o culpado por esses crimes! O demo é que é o culpado! Oras! Deve ser pra isso que o inventaram, pra colocar-lhe a culpa de tudo o que fazem de criminoso e abjeto!
beijos e perdoe minha indignação, mas é que certas coisas me deixam P da vida!

Maria disse...

Deixa-me acrescentar, para que não restem dúvidas: fui catequista até aos 12 anos - se é que isto é idade para se ser catequista...
Depois acordei!!!

Maria disse...

O fim do celibato não acaba com a pedofilia. Mas estou de acordo que os padres possam casar. E também estou de acordo em castigar a sério qualquer pedófilo, seja padre ou aproximado...

Um beijo, Manuela
(eu fiz mt mais que tu. até fui catequista...)

Bordados e Retalhos disse...

Amiga, a Igreja, qualquer Igreja, é santa e pecadora. Feita de homens, então ope]cado está por perto. Claro que acho muito pouco Bento XVI perdir desculpas. Os pedófilos devem se excluídos da Igreja. Sou católica, praticante, frequento a missa,participo de reuniões e encontros, sempre foi assim a minha vida toda. Estudei em colégio de freiras (e tb não guardo boas recordações). Mas a Igreja (pelo menos no Brasil e mais pertucularmente no Estado do Espírito Santo) e hoje conheço muitos padres que são pessoas maravilhosas, éticos e que voltam suas vidas ao povo de Deus. Freiras também que até doam sua vida em favor do povo (um exemplo disso á e Irmã Doroty assassinada porque defendia o povo da florestas. Mas de qualquer forma a Igreja precisa repensar muita coisa. Bjs amiga

lua prateada disse...

Feliz Páscoa...
Olá...............passei apenas para te convidar para minha festa!passa lá e te diverte...Obrigada pela presença...Beijo de prata

SOL

Memória de Elefante disse...

Excelente texto, Manuela!
Está na hora,talvez seja o momento de haver uma revisão,revaliar e dar um chega prá lá em tanta hipocrisia.


Um beijo

Bordados e Retalhos disse...

Manuela será um prazer recebê-la aqui na minha simples casinha. O pão de ló que vc fala é o mesmo que rocambole? Pra te falar a verdade pouco conheço da culinária de vocês. Cabrito? Nunca comi. É bom? Bjs

Me disse...

penso que a fé não precisa ter necessariamente nada a ver com rituais religiosos.
bjos querida amiga!

efeitoseconceitos disse...

Concordo plenamente com tudo que vc falou.
Que conhece um pouco de História sabe que a Igreja tem um passado manchado com o sangue de inocentes e injustiçados e até hoje as coisas não mudaram muito, não. Muda um pouco o discurso mas a atitude se mantém inalterada.
Deixo claro porém, que não entro na questão da fé das pessoas pois, isso é outro assunto. O que questiono é a Igeja enquanto Instituição.
Outro dia, assiti um filme chamado "Dúvida" que me fez refletir bastante sobre esa questão da pedofilia dentro da igreja.
bjokas
Yoyo
Yoyo

Nes disse...

Hola Manuela, eu son creente, pero a miña maneira, acostumo ir a igrexa acompañado o corpo de un veciño, amigo ou coñecido.

O tema da relixión en este caso a católica non o comparto en casi nada.

De sempre a igrexa se arrimou o poder, non me gusta nada as cousas como prohibir o preservativo, cando o papa foi a Africa o minimo que debía levar era un avión cheo de preservativos, non esquezamos que en Africa a xente que morre polo sida son infetados por via sexual.
O da pedofilia da noxo e non e de agora, e de hay moito tempo, salen casos, pero cantos haberá silenciados.

Termino co que acostumo a decir sempre, a igresa e un gran NEGOCIO, non quero imaxinar si XESUS de NAZARET levantase a cabeza, un biko.

Nes

Manuela Freitas disse...

Obrigada a todos pelas vossas opiniões. Evidentemente que eu fiz a distinção entre Instituição e religião. Escrevi sobre o meu posionamento face aos mesmos, mas respeito a fé das pessoas. Para mim a Instituição em si é que arrasta muitos «pôdres».
Relativamente à pedofilia, este é um problema muito complexo, já que o mesmo pode começar na casa da família!?...Mas a Instituição Católica que tem como seu esteio a moral (dita), estes factos são escabrosos e penalizadores para a mesma.
Beijinhos para todos,
Manuela