«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

MARIA VELHA DA COSTA

O romance Myra, da escritora Maria Velho da Costa, ganhou o prémio literário Correntes D' Escritas/Casino da Póvoa. O anúncio foi feito, na sessão de abertura da 11.ª edição do encontro de escritores de expressão ibérica, que até ao próximo sábado vai reunir na Póvoa de Varzim alguns dos melhores autores da actualidade.




Maria Velho da Costa situa-se numa linha de experimentalismo linguístico que renovou a literatura portuguesa na década de 60, destacando-se na sua geração de novelistas pelo virtuosismo com que escreve, associando à transgressão formal um forte diálogo com obras da tradição literária portuguesa desde a Idade Média até à contemporaneidade.
Nos seus livros, o ludismo desse diálogo é transmitido de várias maneiras, desde as citações até ao pastiche paródico de alguns dos seus autores de referência.
A esta extrema riqueza vocabular e estilística, associa temas como o da intimidade infantil, o da linguagem-afectividade e o da condição feminina.
Embora internacionalmente seja mais conhecida como co-autora das NOVAS CARTAS PORTUGUESAS, Maria Velho da Costa é responsável por alguns dos romances mais importantes do actual panorama literário em Portugal, como Maina Mendes, Casas Pardas, ou Missa in Albis.
Prémio Camões 2002 – Prémio Vergílio Ferreira 1997

[NOVAS CARTAS PORTUGUESAS, merece um destaque]

2 comentários:

manuel marques disse...

Grato pela dica.

Beijos.

Regina disse...

Querida Manú, desculpe minha ignorância, mas eu, realmente, nunca ouvi falar desta escritora...

Agora, conheci-a, por meio do teu blog, sempre muito cultural e edificante...

Beijo!!