«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




quarta-feira, 26 de maio de 2010

BULLYING- ESTAR ATENTO É FUNDAMENTAL!...

SEGUNDO SUGESTÃO DA ANA KARLA, DO BLOGUE, MISTURAÇÃO, http://misturao.blogspot.com/2010/05/chamada.html. HOJE É O DIA DE UMA BLOGAGEM COLECTIVA SOBRE O BULLYING. NÃO SOU NENHUMA ESPECIALISTA SOBRE ESTA SITUAÇÃO E APENAS VOU FORMULAR O QUE PENSO.

Um dos casos mais chocantes de bullying em Portugal, ocorreu há meses. Leandro que tinha 12 anos matou-se, atirando-se ao rio Tua, porque sofria de violência física e psicológica dos colegas na escola.
Há seres frágeis e pacíficos, que não conseguem reagir, quando são perseguidos pela piada e pela agressão, cujo fito é sempre a humilhação, o vexame e a crueldade.
Os ditos fortes e espertos, exibem a sua superioridade, que é equivalente à rudeza e à barbaridade de seres não polidos e, que vêm a vida com uma dicotomia: os fortes e os fracos, os espertos e os palermas, os vencedores e os vencidos. Esta forma de ver a vida, infelizmente às vezes até é incentivada pela própria família. (Não esteja sempre a dizer que o seu filho é muito esperto, que tem muito boas notas, que é o melhor da turma!...)
Estes meninos, depois juntam-se em grupos e dominam o recreio da escola, a rua onde vivem, mais tarde o bairro e por aí adiante, porque têm as características ideias para eventualmente entrarem na marginalidade.
Considero, que deve existir uma ligação forte entre a escola e a família. Parece inadmissível que os pais não conheçam os filhos, que não notem o estado de espírito dos mesmos, se uma criança é demasiado introvertida e fechada, é obrigação dos pais, parar um bocado para a apreciar e fazer perguntas, conhecer os seus amigos. O mesmo se passa quando uma criança é super-activa e fanfarrona. Um pouco de psicologia é sempre o ideal e no caso de dúvidas é sempre útil trocar opiniões com os professores. Poderá argumentar-se, que há pais que não perdem tempo com isso, neste caso o alerta deve ser da professora, também ela deve conhece as crianças.
Penso que se houver de facto um grande empenhamento de parte a parte poderá, não se acabar com o bullying, mas atenuar-se bastante este fenómeno.
O mais importante de tudo é estar atento, dar força de ânimo aos mais fracos e dissuadir os violentos. Em todo o caso nunca deve ser posta de parte a ajuda de um psicólogo.


ESTE É UM PROBLEMA SOCIAL DE TODOS. ESTAR ATENTO É FUNDAMENTAL!

14 comentários:

Chica disse...

Esse é um problema grave que deve ser domado!beijos,chica

Misturação - Ana Karla disse...

Os pais devem ficar atentos, pois o comportamento é notável.

Bom dia Manu!
Xeros

orvalho do ceu disse...

Olá,
Também estou participando e olhando todos os que postaram sobre o Tema. Cada qual no seu estilo e muito bom tudo o que li, aprendi muito.
Muita serenidade em seu coração e em seu ambiente.
Abraços

Lata de Luxo disse...

Ola,Manuela.
Que bonito ver essa campanha da querida Ana Karla atravessando os mares e fazendo uma grande corrente do bem.E importante que estejamos sempre alertas contra essa violencia.Grande beijo.zenaide storino.

manuel marques disse...

Uma bela iniciactiva do blog Misturação.Todos, Escola,pais sociedade em geral, devem estar atentos a este fenómeno cada vez mais activo, que provoca mazelas irreversíveis, tanto para o agredido com para o agressor.

Beijo.

pensandoemfamilia disse...

Olá Manuela

Fico feliz em ver que a blogagem atingiu também à Portugal. Também estou participando e, como você, refiro-me as corresponsabilidades neste comportamento. Família é fundamental.
bjs

Uma Brasileira disse...

Manuela...

Como professora, digo que seu texto deveria ser estudado em reunião de pais e mestres.
É muito sábio.
Parabéns.



Abraços de alguém que vive no Brasil, que também sofre desse mal.

Eliana Pessoa disse...

OI MANÚ TRABALHO NUMA ESCOLA PUBLICA ISSO ACONTECE DEMAIS POR AQUI TENTO FAZER O QUE POSSO PARA DEFENDER OS FRACOS E DISSUADIR OS VIOLENTOS MAS É MUITO DIFICIL VOCÊ ACUDIR TANTOS AO MESMO TEMPO!
SOU UMA GRANDE OBSERVADORA DE RECREIOS!
POR AQUI É MUITO DIFICIL UM VIOLENTO ESCAPAR DE UMAS BRONCAS MINHAS E CONSELHOS TAMBÉM!
SABE PORQUE DURMO TRANQUILA ??PORQUE SEI QUE FIZ MINHA PARTE BEM FEITINHA!
BJIM

Elaine Barnes disse...

É um tema bastante comentado agora que sempre existiu. Acredito sim que para algumas pessoas é insuportável a ponto de crianças se matarem. Um absurdo!Realmente creio que com processos e sendo lei agora,tudo vai melhorar e as pessoas punidas. Montão de bjs e abraços

Memória de Elefante disse...

Este teu texto serve de alerta aos pais e educadores.Aqui também diariamente ouvimos notícias sobre esta violência e está havendo campanha nas escolas e reuniões para orientação e prevenção!

Um beijo

Nivaldete disse...

Olá,Manuela, cheguei aqui pelo blog de Maria Teresa, que sempre visita o meu.
Gostei muito do que li aqui, embora se trate de algo tenebroso. O assunto "bulling" é muito sério. Parece um estágio sinistro para... sabe Deus o quê.
Sei é que fazes uma prática analítica social muito importante. Parabéns!

Lúcia Soares disse...

Manuela, também participei da blogagem, convidada pela Ana Karla.
Acho fundamental o cuidado dos pais e da escola.
Mas não acho que seja solucionável a curto prazo. Há anos é uma prática, principalmente nos EUA.
Nem sabia que havia em tão grande proporção aqui no Brasil.
Lamentável, porque criei 3 filhos sem vivenciar um violência assim.
bj

Glorinha L de Lion disse...

Muito bom teu texto Manu! que coisa isso levar alguém a se matar...pobrezinho...devia ser muito inseguro e muito carente...e os pais nem deviam saber o que se passava....estória triste! Beijos querida!

Duarte disse...

Está a converter-se em algo frequente, lamentavelmente, mas que pode ter solução se adoptam medidas drásticas, já!

No Infante também levávamos os caloiros à pia baptismal, mas não ia além duma molhadela na cabeça... não dava opção a traumas, não sendo correcto.

Gostei desta exposição.

Abraços