«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




segunda-feira, 10 de maio de 2010

BLOGAGEM COLECTIVA - VERDE (GLORINHA L de LION)

VERDE, MUITO VERDE, VERDES DE TODAS AS NUANCES
CHEIRO DO VERDE, QUE PENETRA E QUE REFRESCA…
VERDES RASTEIROS COMO O MUSGO, ALTOS VERDES QUE PARECEM TOCAR OS «CÉUS»…
UMA IMENSIDÃO DE VERDE
TANTO VERDE ASSIM,
PARA MIM TEM UM LOCAL QUE É FASCINANTE
-RESERVA DO PARQUE DO GERÊS –
POR LÁ JÁ PASSEI FÉRIAS,
FINS-DE-SEMANA,
DIAS…











(FOTOGRAFIAS: GOOGLE)


Podia contar muitas histórias, mas vou restringir-me a uma que me deixou saudades…Com os meus sobrinhos, treinei para ser mãe…e já casada privamos bastante…de vez enquanto metia-os no carro e lá íamos passear, eram 4 e nesta ida ao Gerês, já fazia parte do grupo o meu filho, Pedrocas.

Mário (com metade da cabeça), Ângela, Cristina, Sérgio e o mais pequenote o Pedrocas

A minha sobrinha mais velha, foi apanhada na adolescência pela Revolução de Abril, era assim uma hippy MRPP (Partido da Extrema Esquerda), uma ligação até pouco sintonizante! Era uma sonhadora activa e sabia muito bem o que queria fazer na vida, queria ser professora primária (Ensino Básico) em Trás-os-Montes, porque segundo as suas teorias, só aí podia mudar mentalidades. Uma romântica! (é professora, mas não foi para Trás-os-Montes, andou de terra em terra e perdeu todo o romantismo). Essa minha sobrinha sugeriu irmos ao Gerês, mais concretamente à aldeia de Santa Isabel, onde se vivia comunitariamente.
Preparamos um piquenique e lá fomos. Ao chegar tomamos banho naqueles lagos maravilhosos, estendemos a toalha e comemos. Só depois fomos descobrir a aldeia de Santa Isabel. Não foi fácil, os caminhos eram de terra, esburacados, sinalização inexistente e «comemos» umas doses valentes de pó! Chegamos a uma aldeia. Será, não será a de Santa Isabel? Não víamos ninguém, até que de uma janela uma senhora idosa nos disse adeus toda sorridente e nos chamou.


-Esta é aldeia de Santa Isabel?
-È, é, venham cá!...
Ficamos a olhar uns para os outros e lá fomos, entretanto ela já estava na porta.
-Entrem!
Lá entramos, para uma salinha-cozinha, com um fogão de lenha enorme e as panelas de ferro de três pés.
-Têm fome? Vou arranjar um lanche!
Em pouco tempo, a mesa estava cheia: pão caseiro, azeitonas, chouriço, queijo, vinho e água para as crianças.
A senhora estava feliz e então lá conversamos sobre a aldeia e sobre a sua vida.
Sim, de facto viviam comunitariamente, uns ajudavam os outros, se comprassem alguma máquina agrícola, todos davam um tanto e todos a utilizavam.
Esta situação era uma necessidade, numa aldeia esquecida no monte, onde os habitantes não eram muitos. Os que habitavam a aldeia eram crianças e idosos, principalmente mulheres. Aldeia de emigração, como tantas outras. Essa senhora vivia só, filhos emigrados e os netos mal os conhecia!..
-Tá a ver, tenho uma família e não tenho, cá ando por aqui, mas o melhor é saber que os filhos estão bem!..
Saímos felizes, claro! Onde é que na cidade alguém nos abria as portas e nos dava aquele fabuloso lanche! De certo modo também fizemos alguém feliz, num dia que lhe quebrou a rotina.
Quando saímos, já vimos mais gente, fotografei, passeamos pela aldeia com um grupo de crianças atrás de nós, algumas vestidas de preto, uma coisa que muito me impressionou.





(fotos pessoais, tiradas com uma máquina muito rudimentar)
FOI DE FACTO UM DIA MUITO VERDE, DIVERTIDO E MUITO FELIZ, TÃO FELIZ QUE SE TORNOU INESQUECÍVEL!...

26 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Bom dia Manuela! Manú! Vou começar a lhe chamar assim!
Lindo post verde!
Conheço a região do Parque do Gerês através de uma amiga portuguesa (virtual já há muitos anos) e que tem um blog de fotografias das belezas de Portugal!Ela vai passeando, viajando e clicando.
É lindo mesmo. E a sua história , hein??? Quem hoje em dia patrocina um lanche tão gostoso a pessoas desconhecidas?
Gostei de saber e conhecer um pouco mais da sua história e da sua gente.
Lindas imagens...lindas as fotos da sua família!
Um beijo grande
Astrid Annabelle
P.S.
O blog da Lucy você pode conhecer nos links do meu blog sob o título Portugal...a descobrir!

Chica disse...

Maravilhosa postagem e que lindo lugar esse!beijos, linda semana e tudo de bom!chica

Renata Boechat disse...

A vida é feita de boas recordações, já que as más temos que dar um jeito de jogá-las fora!

Boas fotos, de gente feliz,paisagens apaziguadoras,cheias de história!

Muito bom post, gostoso de ler, sentindo o verde de paz, de esperança que a vida seja sempre assim, repleta de boas lembranças!

Um abraço,
Boa semana pra ti!

Barbie Girl disse...

Manu querida!!!

Muito obrigada pelo carinho e por estar sempre pertinho lá no meu cantinho!!
Feliz dia das mães e que Deus nos dê muita luz para sermos mães, cada dia melhores!!

Quanto aos olhos verdes lindo do maridinho, pode dizer sim, porque é lindo mesmo e eu me perco em seu olhar!

E viu como meu filho tá grandão e é sapeca mesmo! hahahaha

E sua postagem verde ficou jóia! Adoro quando nos conta suas inesquecíveis histórias através das cores!!

e esse jardim, um espetáculo de lugar!!

beijos

Glorinha L de Lion disse...

Manu, que estória legal! Meu avô maTERNO era de Trás os Montes...até hoje, creio que é uma aldeia um tanto atrasada com relação ao resto do país...esse lugar que visitastes fica lá? realmente, um despreendimento o da tal senhora, oferecer a casa, lanche...aqui, no interior ainda se age assim tb...mas nas cidades grandes, nem pensar com tantos ladrões à solta...bonito de ver isso de hoje...
E, amiga, quem sabe já não brincamos juntas em outras vidas?
Beijo grande pra ti,

manuel marques disse...

Gerês uma das regiões mais lindas de Portugal,o teu post está fantástico,rendo-me á beleza do teu texto.

Beijo.

Beth/Lilás disse...

Olá Manuela!
Como gosto de viajar nestas segundas-feiras, já estive em Kopenhagen, Sardenha e agora neste lindo Gerês que não conhecia e nem sabia tinha tanto verde!
Que lindo lugar!
Portugal também tem maravilhosos recantos e estou louca para voltar e conhecer outros lugares.
beijos cariocas

Lidia Ferreira disse...

Lindo texto , a clorinha e maravilhosa e vc fez uma linda postagem com imagens maravilhosas
bjs
Voce e de +

Regina Coeli disse...

Olá Manu,
Que bom receber sua simpática visita!!
Seja muito bem-vinda ao grupo dos meus Amigos!
Meu AVÔ MATERNO era Português e veio para o Brasil ainda meninote.
Eu não tive o privilégio de conhecê-lo, mas me orgulho de saber sua origem pois amo essa País MARAVILHOSO - PORTUGAL!!!
GERÊS é realmente um paraíso ecológico!!!Encanta os olhos!!
Sua postagem é de uma ternura sem igual e nada melhor do que retratar as boas vivências!!! Parabéns!!!Muito bom!!!
Receba meu caloroso abraço,
Regina Coeli

Uma Brasileira disse...

Olá, Manuela.


Lindas fotos(as primeiras) no blog.

Sou um tanto novata por aqui e não consegui entender essa istória de homenagem ao "laranja" e agora ao " verde".


Abraços verdes do tamanho do oceano que nos separa.

Tetê disse...

Querida... que delícia o seu relato!!!! Obrigada pela visita ao Livre Pensamento! Fico sempre feliz de encontrar você por lá! Bjks Tetê

Eliana Pessoa disse...

LINDO POST HISTÓRIA MARAVILHOSA!
É UM PREVILEGIO ALGUEM CONHECER LUGARES TÃO LINDOS!
TENHO A IMPRESSÃO DE ESTAR NA PRESENÇA DE DEUS NUM LUGAR COMO ESSES QUE MOSTROU NO SEU POST!!!
ACEITO O BRINDE! TIM TIM A NOSSSA SAÚDE E FELICIDADE!!
BJIM

marcelo dalla disse...

Que lugar mais lindo!!!!! Metade da minha família é portuguesa, me identifico muito. Já estive em Portugal uma vez e quero voltar pra conhecer mais o interior... fazer uma viagem como esta que compartilhou conosco.

Essa blogagem coletiva está mesmo cheia de surpresas, é uma partilha maravilhosa.
grande bjo

elisabete disse...

Saudade! Desse tempo que não volta e foi tão bom.Os meus filhos crianças e a Cristina com as suas ideias românticas que me fizeram tão feliz. Não quero recordar mais faz doer o coração.
O Gerês é das coisas mais lindas de Portugal.
Um beijo.

Luma Rosa disse...

Manuela, se pudesse viveria muitos dias como este que você e sua família compartilharam. As fotos são para ficar para além da história de família, conserve-as! Me imaginei logo neste lugar, um paraíso certamente, mesmo que 'empoeirado'! (rs*) Beijus,

Fatima disse...

Que lindeza de postagem Manuela!
Bjs.

Yoyo Pizy disse...

Manú,
O Gerês parec memo ser um lugar super agradável.
Sbee, eu adorei a história do lanche na casa daqula senhora.
Beijos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Conhecia o Gerês, como a palma das minhas mãos. Muito palmilhei por lá!
Deixei descendência também encantada por essas paragens, pois tenho um sobrinho com uma casa lá que, tal como eu, não perde um fds a gozar aquele ar.

Cris França disse...

ah querida , adoro ler suas histórias. um beijo pra vc, levo pra casa uma energia boa que encontro sempre por aqui. bjs

Dani Etoile disse...

Lindo post, com cenas lindas e recordações cheias de emoção!
Beijinhos,
Dani

Tati Pastorello disse...

Que momento bom de vivenciar com você. Recordações são histórias muito doces, boas de ouvir. Ilustradas, então... delícia!
Adorei sua lembrança verde. O lugar parece mesmo mágico!
Beijos.

Rozani disse...

Oi Manuela!
Que história maravilhosa!Me transportei pra esse dia que deve ter sido maravilhoso.Eu fico pensando como é maravilhoso se deparar com uma pessoa de tão bom coração.Imagina abrir sua porta e fazer uma bela refeição à tarde.Quanta bondade no coração.Eu li o post de Jobim e Vinícius. Que maravilha! Eu amo os dois, suas músicas são divinas.
Me sinto muito honrada e orgulhosa com seu post.
Bjs,Rozani

Lu Souza Brito disse...

Ahhhhhh, não sei porque não quis abrir todas as imagens suas só as primeiras, mas deu pra perceber quão lindo é este lugar. E que experiencia e aventura né?Meter-se assim em uma comunidade, sair desbravando um caminho e ainda topar com tão simpatica senhorinha a oferecer um lanche. Coisa rara nos dias de hoje!
Ficou riqueíssimo seu post.
Um grande abraço

Bordados e Retalhos disse...

Manuela, que história linda.Que coisa boa essa blogagem coletiva nos proporciona. Amiga obrigada pelo comentário carinhoso no meu blog. Sinto-me mais fortalecida.Bjs

Marliborges disse...

Manuela! Boa Tarde.
É não é que eu não tinha visto mesmo o seu post? Verdade. Também é tanta gente... Desculpe, querida, me perdi. Mas não tem, problema, quando acontecer, me avise. Me afino com suas postagens e aqui é um prazer comentar.

Esse lugar é mesmo muito lindo!!!!! Eu já conheço, um pouquinho, claro, hehe. Quando fui à Portugal tive oportunidade de fazer um passeio. Nunca vou esquecer.

Querida, recordar é viver! Esse post verde, gostoso de ler, aguçou minhas lembranças. Obrigada. Bj grande.

Duarte disse...

Quanta humanidade nesta narração.
Por esses lares andei noutros tempos, quando tudo era verde nesse pedaço de Suíça portuguesa.
Algo parecido me passou à procura de Vieira do Minho e acabamos por abandonar a busca... sinuosas as estradas e de mau firme, que não convidam, mas pelo que deduzo, prometem. Sâ, a gente do Minho!

Abraços de vida