«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




segunda-feira, 19 de abril de 2010

COLORINDO A VIDA - VERMELHO

O MEU VESTIDO VERMELHO

A minha mãe gostava de me vestir bem, mas eu era bastante esquisita…chorava porque não queria ir à modista, vira daqui, vira de acolá, anda para a frente, anda para trás, põe alfinete, tira alfinete…eu a chorar que me queria ir embora e a minha mãe a enervar-se!...O pior ainda foi o vestido vermelho escuro de veludo, com a golinha rendada. Eu não gostava do vestido, sei lá por quê? Não me lembro, mas lembro-me que ao Domingo, o meu pai considerava ser o dia de descanso da minha mãe e íamos almoçar sempre ao restaurante. Lembro-me de estar sentada numa cadeira, com esse vestido, esperando que os outros acabassem de se arranjar e chorava como uma desalmada, dei um grande espirro e uma grande ranheta caiu por mim abaixo. A minha mãe, possivelmente já cheia de me ouvir passou-se, pus a família toda a discutir, até que a minha mãe foi para o quarto, dizendo que já não queria sair e o meu pai foi atrás dela. Eu e a minha irmã ficamos na sala e obviamente que esta me dizia queixosa: Vês o que arranjaste!?...
Passado um tempo o meu pai desceu e disse: vou buscar comida ao restaurante, a vossa mãe não está em condições de sair, vão pondo a mesa. Depois quando voltou, disse à minha irmã para pôr a comida numa travessa, por acaso eram tripas à moda do Porto. Foi ao quarto chamar a minha mãe para vir comer. Ela lá veio, contrariada e de olhos inchados. Só faltava ir buscar a travessa à cozinha. A minha irmã nessa altura andava numa de Gina Lollobrigida, com aqueles meneios e vinha com a travessa só com a ponta dos dedos, tropeçou, a travessa voou e nós ficamos a ver o feijão e as carnes a escorrer pela parede!..Enfim o resultado já se antevê, dia estragado por completo!?...

---------------------------------------------------------------------------------------------
Que associações posso fazer com o Vermelho…As paixões platónicas iniciais, as paixões não platónicas depois, a paixão pela vida…pelos meus filhos, o entusiasmo, a euforia da Revolução dos Cravos… sentimentos intensos e descontrolados, mas ardentes… o fogo, o sol e o calor, a força, o dinamismo, a exaltação, a vida transbordante, a agitação…


Vermelho sangue, que nos corre nas veias, o sangue da vida e também sempre, por uma razão ou por outra tanto sangue derramado!...


17 comentários:

Cris França disse...

ah querida, adorei ler sua tragecomédia em vermelho...rs , sem dúvida essa cor da muito o que falar.
bjs pra ti!

Renata Boechat disse...

Manuela, bom dia!

Engraçado como as cores tem a força de nos remeter ao passado, de nos trazer lembrnças, muitas vezes associamos cores aos acontecimentos importantes da nossa existência...

Gostei de ler os seus escritos...uma volta ao seu tempo bem interessante!

Que tenhas uma boa semana,

Um abraço,

Tati Pastorello disse...

Nossa! Fica fácil entender como sua mãe deve ter se sentido neste dia. E como você também não deve ter ficado... Tanto é que nunca esqueceu. Ainda bem que dias assim passam!
Um beijo.

Tida disse...

Que bom contar histórias, mesmo as que não tem final feliz... com o tempo elas se tornam prazerosas de serem lembradas, e a gent feliz por tê-las vivido!

Abs

Maria de Fátima disse...

Olá Manu, muito engraçada a tua blogagem sobre o vermelho.Beijocas.

Glorinha L de Lion disse...

ai Manu, faz-me sempre dar boas risdas com tuas estórias...delícia...tudo por causa de um vestido vermelho...haha....eu amo vermelho e amo vestidos...sempre fui mulherzinha demais...minha mãe teve comigo outros tipos de preocupações...pois eu era uma pimenta! Como vês, vermelha tb!
bjs rubros de amor e amizade.

Françoise disse...

Manu,
Ri sozinha da situação . Fiquei imaginando a cena e pensando na minha filha de 5 anos que é exatamente assim com roupas....Gostei do seu post.
Abraços e boa semana
Fran

Chica disse...

Ficou muito legal,Manuela e esa história do vestido, muito engraçada!um beijo,linda semana e tudo de bom,chica

marliborges disse...

Bota dia estragado nisso!!! Toc,toc,toc!!! Depois que passa agente até dá umas boas risadas, mas na hora, afff, grrrr.
Beijão.

Vivi disse...

Manu Querida !!!!
Adoro suas histórias...estou rindo a imaginar essa situação !!! e quem não passa por isso hein ????!!!
bjss

Maria disse...

Não pude deixar de me rir com a cena das tripas. É que vi o filme mesmo à minha frente. Aliás, vi os dois - também o da ranhoca... hehehehehehe...
E depois o vermelho, sendo sangue, é vida! É esperança por um Abril a sério! É SLBenfica!!!

Beijo num cravo. Vermelho!

efeitoseconceitos disse...

Eu também tenho as minhas histórias com o vermelho Manu.Rsrs

Beijos
Yoyo

Beth/Lilás disse...

Olá, Manuela!
É mesmo, como as cores influenciam em nossas lembranças!
Marcou o vestido vermelho este dia meio tragicômico, mas de grande importância em sua vida.
Lindo também o texto sobre o vermelho vinho, deu-me até vontade de tomar um Porto. hehe
bjs cariocas avermelhados

Fátima disse...

Manuela, o que um vestido pode causar...engraçado como não esqueceu do fato, não é.

Beijo.

Barbie Girl disse...

Manu!

Que dia foi esse?! Uma comédia só, ainda bem que sua mãe não brigou, só chorou... tadinha! O dia do descanso dela, estragado por um vestido!
O bom da vida, é isso poder recordar bons momentos.

Um grande beijo e obrigada pelo carinho, sempre, sempre!

Manuela Freitas disse...

Olá a todos,
Desculpem se não escrevo individualmente, mas o que tenho a dizer é muito similar, para todos.
O meu muito obrigada por terem vindo aqui e deixarem tão boas e incentivadoras palavras, deixaram um rastro de felicidade no meu espírito!...
Beijinhos e em breve nos encontraremos no rocho/lilás!...
Manuela

Anny disse...

Manoela:
Bom dia!
Pois é, cada vermelho tem sua história e você nos presenteou com a sua.
Parabéns pelo texto e obrigada pela visita e comentário no Blog Linha.
Até mais!
Anny.