«Através da violência pode matar um assassino, mas não o assassinato.

Através da violência pode matar um mentiroso, mas não a mentira.

Através da violência pode matar uma pessoa odiosa, mas não o ódio.

A ESCURIDÃO NÃO PODE EXTINGUIR A ESCURIDÃO. SÓ A LUZ O PODE FAZER.»

MARTIN LUTHER KING




sexta-feira, 16 de outubro de 2009

HOJE COM «CHÉRRI»



SINOPSE DE "CHÉRI»
Léa, uma mulher madura, ex-cortesã, ensina a Chéri, o mimado e inexperiente filho de outra cortesã, os caminhos do amor. Conhece o rapaz desde menino e foi ela que o baptizou de Chérri. Vivem juntos seis anos, mas a mãe de Chéri resolve combinar secretamente o casamento entre o seu filho e Edmée, filha de outra rica parisiense. A separação entre Léa e Chéri é inevitável. Eles nunca tinham pensado como era profundo o seu afecto...
Este filme baseia-se no livro homónimo de Colette, que possuo e que foi traduzido há anos, por José Saramago.(Gosto de andar pelos alfarrabistas)Gostei mais do filme do que do livro. A história em si é fraca, no cinema sobressai mais na reconstituição de uma época luxuosa, passada no seio de uma camada social rica, ie prostitutas em fim da validade, que ficaram ricas pelos amantes que tiveram: reis, ministros, diplomatas...antes de eclodir a Primeira Guerra Mundial. Este filme tem um preciosismo espectacular nos «décors» de «art-noveaux».

Realização: Stephen Frears, (Volta a encantar-me, depois de «Ligações Perigosas», com o seu charme e bom gosto.
Interpretações: Michelle Pfeiffer, Rupert Friend, Kathy Bates, Felicity Jones, Iben Hjejle
Reino Unido 2009

6 comentários:

Poemas e Cotidiano disse...

Vim conhecer seu blog e agradecer sua visita.
Nossa, esse filme deve ser maravilhoso! Michelle Pfeiffer e o Rupert - tudo de bom! E do estilo que gosto: super romantico!
Beijos carinhosos
MARY

Manuela Freitas disse...

Olá Mary
Agradeço a retribuição da visita.
Eu gostei do filme, às vezes é preciso ver algo mais levezinho e que revele afectos refrescantes, embora prefira ver filmes, que quando acabam, eu parece que levei uma «pedrada».
Até pareço masoquista, mas não sou!..
Vá ver, é bonito, é poético, é interessante.
Beijinhos
Manuela

Paula Raposo disse...

Agradeço o comentário deixado no meu romãs e peço a abolição do tratamento por você! Obrigada. Beijinhos.

Mar Arável disse...

Boa análise que me esimula

Bem-vinda ao meu mar

Bjs

Mar Arável disse...

Estimula

Cris França disse...

Manoela, me encantei, vou querer ver esta película com certeza.
O teu nome e o teu blog são lindos, parabéns!
abraços